Burocracia de Médio Escalão e avaliação educacional

Relações entre iniciativas do estado do Ceará e do Governo Federal

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v17iesp.3.16694

Palavras-chave:

Burocracia de médio escalão, Burocracias públicas, Ceará, Avaliação educacional, Política de avaliação

Resumo

O objetivo deste trabalho é compreender como Burocratas de Médio Escalão cearenses se inserem na relação entre políticas públicas educacionais nacionais e cearenses, com foco no Sistema Permanente de Avaliação da Educação Básica do Ceará (Spaece), no Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb) e no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Observou-se que a organização da Secretaria de Educação cearense tem estrutura “semi-horizontal”, permitindo autonomia dos profissionais e afetando positivamente a qualidade técnica das ações desenvolvidas. As avaliações estão presentes nas ações estatais e nas escolas, consolidando-se por meio da coleta de dados realizada diretamente pelo Estado e pela criação da Coordenadoria de Avaliação e Acompanhamento da Educação (Coave). Observa-se cuidado da gestão estadual com a garantia do princípio de equidade entre os alunos da rede cearense. Na visão dos entrevistados, é impossível que governos subnacionais não estabeleçam relações com o governo federal na implementação de políticas educacionais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Helena de Aguiar Bravo, Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (FEUSP), São Paulo – SP – Brasil

Doutorado em Estado, sociedade e educação. Membro da Rede de Estudos sobre Implementação de Políticas Públicas Educacionais (REIPPE).

Ocimar Munhoz Alavarse, Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (FEUSP), São Paulo – SP – Brasil

Professor de Graduação e Pós-Graduação, EDA. Membro da Rede de Estudos sobre Implementação de Políticas Públicas Educacionais (REIPPE). Doutorado em Educação (USP).

Referências

ALAVARSE, O. M. Avaliação educacional: Características e tensões. Texto apresentado no Seminário Nacional Avaliação Escolar. Departamento de Especialistas da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE). Brasília, 16 maio 2013.

ARRETCHE, M. Federalismo e políticas sociais no Brasil: Problemas de coordenação e autonomia. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 18, n. 2, p. 17-26, jun. 2004. Disponível em: https://www.scielo.br/j/spp/a/yrdb5VzhMD8wyrZDDS6WvvP/?lang=pt. Acesso em: 10 maio 2022.

BARDACH, E. Los ocho pasos para el análisis de políticas públicas. México: Centro de Documentación y Docencia Económicas, 1998.

BICHIR, R. M.; BRETTAS, G. H.; CANATO, P. C. Multi-level governance in federal contexts: The Social Assistance Policy in the City of São Paulo. Brazilian Political Science Review, v. 11, n. 2, p. 1-28, jul. 2017. Disponível em: https://www.scielo.br/j/bpsr/a/T9kH5WsYdSDqFdbtC3vw8Gz/abstract/?lang=en. Acesso em: 21 maio 2022.

BRAVO, M. H. A. A política de avaliação do estado do Ceará de 2009 a 2018: Interfaces com as políticas de avaliação do governo federal para o Ensino Médio. 2021. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2021. Disponível em: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/48/48139/tde-08022022-110623/en.php. Acesso em: 10 jul. 2022.

BRESSER-PEREIRA, L. C. Burocracia pública e classes dirigentes no Brasil. Revista de Sociologia e Política, Curitiba, n. 28, p. 9-30, jun. 2007. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rsocp/a/pQN8bBHLdspnXdFKGPJGg9p/abstract/?lang=pt. Acesso em: 16 jul. 2022.

CAVALCANTE, P. L. C.; LOTTA, G. S. (org.). Burocracia de médio escalão: Perfil, trajetória e atuação. Brasília, DF: Enap, 2015.

CEARÁ. Mapp Monitoramento de Projetos Prioritários do Governo do Estado. Fortaleza: Secretaria do Planejamento e Gestão, 2011. Disponível em: https://www.seplag.ce.gov.br/wp-content/uploads/sites/14/2011/05/Procedimentos-sobre-o-MAPP.pdf. Acesso em: 15 nov. 2018.

FREITAS, D. N. T. A avaliação da educação básica no Brasil: Dimensão normativa, pedagógica e educativa. Campinas, SP: Autores Associados, 2007.

FUSTER, D. A. Burocracia e políticas públicas: Uma análise da distribuição e ocupação dos cargos e funções em comissão da Prefeitura de São Paulo. In: CONGRESSO CONSAD DE GESTÃO PÚBLICA, 9., 2016, Brasília. Anais[...]. Brasília, 2016. Disponível em: https://consad.org.br/wp-content/uploads/2016/06/BC-Gest%C3%A3o-de-Pessoas-07.pdf. Acesso em: 12 jan. 2022.

LOTTA, G. S. et al. Por uma agenda brasileira de estudos sobre implementação de políticas públicas. Revista Serviço Público, Brasília, v. 69, n. 4, p. 779-816, out./dez. 2018. Disponível em: https://revista.enap.gov.br/index.php/RSP/article/view/2917. Acesso em: 06 fev. 2022.

LOTTA, G. S.; PAVEZ, T. R. Agentes de implementação: Mediação, dinâmicas e estruturas relacionais. Cadernos Gestão Pública e Cidadania, São Paulo, v. 15, n. 56, p. 109-125, 2010. Disponível em: https://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/cgpc/article/view/3205. Acesso em: 12 jan. 2022.

LUKAS MUJIKA, J. F.; SANTIAGO ETXEBARRÍA, K. Evaluación educativa. 2. ed. Madrid: Alianza, 2009.

MACHADO, C.; ALAVARSE, O. M.; ARCAS, P. H. Sistemas estaduais de avaliação: Interfaces com qualidade e gestão da educação. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação, v. 31, n. 3, p. 667-680, set./dez. 2015. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/rbpae/article/view/63800. Acesso em: 11 fev. 2022.

PALUMBO, D. A abordagem de políticas públicas para o desenvolvimento político na América. In: SOUSA, E. C. B. M. (org.). A avaliação e a formulação de políticas públicas em educação: Leituras complementares. Brasília, DF: MEC; Unb, 1998.

PASSONE, E. F. K. Incentivos monetários para professores: Avaliação, gestão e responsabilização na educação básica. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 44, n. 152, p. 424-448, jun. 2014. Disponível em: https://www.scielo.br/j/cp/a/QBXRL8n6tz8hctd9jvfnWfP/abstract/?lang=pt. Acesso em: 09 fev. 2022.

PIRES, R. R. Burocracias, gerentes e suas “Histórias de implementação”: Narrativas do sucesso e fracasso de programas federais. In: FARIA, C. A. P. (org.). Implementação de políticas públicas: Teoria e prática. Belo Horizonte: PUC Minas, 2012.

PIRES, R. R. C.; GOMIDE, A. A. Burocracia, democracia e políticas públicas: Arranjos institucionais e políticas de desenvolvimento. Brasília, DF: Ipea, 2014.

PIRES, R. R. O Trabalho na Burocracia de Médio Escalão e sua Influência nas Políticas Públicas. In: PIRES, R.; LOTTA, G. S.; OLIVEIRA, V. E. (org.). Burocracia e políticas públicas no Brasil: Interseções analíticas. Brasília, DF: Ipea; Enap, 2018.

SOUSA, S. M. Z. L. Avaliação e gestão da educação básica no Brasil: Da competição aos incentivos. In: DOURADO, L. F. (org.). Políticas e gestão da educação no Brasil: Novos marcos regulatórios? São Paulo: Xamã, 2009.

Publicado

30/11/2022

Como Citar

BRAVO, M. H. de A.; ALAVARSE, O. M. Burocracia de Médio Escalão e avaliação educacional: Relações entre iniciativas do estado do Ceará e do Governo Federal. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 17, n. n. esp. 3, p. 2158–2176, 2022. DOI: 10.21723/riaee.v17iesp.3.16694. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/16694. Acesso em: 29 jan. 2023.