O trabalho das professoras em tempos de pandemia Covid-19

Problemáticas e construções da docência e do cuidar na esfera doméstica em Portugal

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v17iesp.2.16982

Palavras-chave:

Pandemia, Docência, Professoras, Ensino a distância, Cuidar, Igualdade de género

Resumo

Ao longo da História foram vividas várias pandemias. Contudo, a atual doença covid-19 apanhou desprevenidas as sociedades e as pessoas individualmente, levando ao isolamento social e à experimentação de novas situações laborais, como no ensino a distância. Sendo a docência uma profissão feminizada, em Portugal, neste artigo procuramos discutir as consequências para as docentes da dupla jornada em casa, acumulando o trabalho laboral e o cuidar da família, o que se insere numa lógica geral do neoliberalismo. No entanto, verificámos que apesar de algumas mudanças na legislação e no quotidiano sobre a igualdade de género, coube essencialmente às mulheres o cuidar dos filhos e das filhas mais pequenas ou dos progenitores mais velhos e velhas. Logo, na prática diária, há um percurso ainda a fazer na profissão docente que conduza efetivamente à igualdade de género e de inclusão para a cidadania de todas as pessoas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Virgínia Baptista, Universidade nova de Lisboa (UNL), Lisboa – Portugal

Investigadora Integrada (IHC-FCSH). Doutorado em História Moderna e Contemporânea (FCSH).

Paulo Marques Alves, Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE), Lisboa – Portugal

Professor Auxiliar. Investigador Integrado (DINAMIA’CET_ISCTE). Doutorado em Sociologia (ISCTE).

Referências

ALVES, P. M. A participação sindical na negociação coletiva na administração pública. In: INTERNATIONAL MEETING of INDUSTRIAL SOCIOLOGY, SOCIOLOGY of ORGANIZATIONS AND WORK, 2., 2016, Almada. Anais […]. Portugal: APSIOT, 2017. Disponível em: www.apsiot.pt. Acesso em: 30 nov. 2021.

ANTUNES, R. Os sentidos do trabalho. São Paulo: Boitempo, 2009.

ANTUNES, R. Coronavírus: O trabalho sob fogo cruzado. São Paulo: Editora Boitempo, 2020.

BAPTISTA, V. Proteção e direitos das mulheres trabalhadoras em Portugal, 1880-1943. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais, 2016.

BOURDIEU, P. L’essence du néolibéralisme. Paris: Le Monde Diplomatique, 1998.

BRASÃO, I. O tempo das criadas: A condição servil em Portugal (1940-1970). Lisboa: Tinta da China, 2012.

CALDAS, J. C. et al. As consequências socioeconómicas da COVID-19 e a sua desigual distribuição. Lisboa: Colabor, 2020. E-book. Disponível em: https://colabor.pt/wp-content/uploads/2021/03/As-consequencias-socioeconomicas-da-COVID-19-e-sua-desigual-distribuicao.pdf. Acesso em: 5 dez. 2021.

CALEIRAS, J.; CARMO, R. M. O regresso do desemprego massivo? Lisboa: Colabor, 2020. E-book. Disponível em: https://colabor.pt/wp-content/uploads/2021/03/O-regresso-do-desemprego-massivo.pdf. Acesso em: 5 dez. 2021.

CITE. Desigualdade salarial entre homens e mulheres em Portugal. Lisboa: Comissão para a Igualdade no Trabalho e no Emprego, 2018. E-book. Disponível em: https://cite.gov.pt/documents/14333/144891/Desigualdade_salarial_Portugal_2018.pdf. Acesso em: 25 nov. 2021.

DAVIS, A. Y. Women, Race & Class. New York: Vintage Books, 1983.

DUCATTI, I.; ALVES, P. M.; SOUZA, T. Os efeitos do neoliberalismo sobre a administração pública portuguesa: Desvalorização do trabalho e novas formas de controlo. In: SEMINÁRIO DO TRABALHO, 7., 2020, São Paulo. Anais […]. São Paulo: RET, 2021.

FREIRE, I. Sexualidades, média e Revolução dos Cravos. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais, 2020.

GOUVEIA, C. Burnout, ansiedade e depressão nos professores. 2010. Dissertação (Mestrado Integrado em Psicologia) – Faculdade de Psicologia, Universidade de Lisboa, Lisboa, 2010. Disponivel em: https://repositorio.ul.pt/bitstream/10451/2742/3/ulfp037556_tm_tese.pdf. Acesso em: 23 set. 2021.

GUINOTE, P. Quotidiano feminino 1900- 1940. Lisboa: Câmara Municipal de Lisboa, 2001.

HARVEY, D. The condition of postmodernity: An enquiry into the origins of cultural change. Malden: Blackwell Publishers, 1989.

INE. Um ano de pandemia: Uma breve síntese. Lisboa: INE, 2021.

LANÇA, M. Sobre o racismo. Blog Buala, Lisboa, 2021. Disponível em: https://www.buala.org/pt/da-fala/etiquetas/buala. Acesso em: 10 dez. 2021.

LAZZARATO, M. O governo das desigualdades. Lisboa: Tigre de Papel, 2020.

LOUÇÃ, F. O Futuro já não é o que nunca foi: Uma teoria do presente. Lisboa: Bertrand Editora, 2021.

MAMEDE, R. P. et al. Portugal: Uma análise rápida do impacto da COVID-19 na economia e no mercado de trabalho. Lisboa: Organização Internacional do Trabalho, 2020. E-book. Disponível em: https://www.ilo.org/wcmsp5/groups/public/---europe/---ro-geneva/---ilo-lisbon/documents/publication/wcms_754606.pdf. Acesso em: 29 nov. 2021.

MÉSZÁROS, I. Produção destrutiva e estado capitalista. São Paulo: Editora Ensaio, 1996.

NÓVOA, A. Educação 2021: Para uma história do futuro. Educação, Sociedade & Culturas, n. 41, p. 171-185, 2014. Disponível em: https://www.up.pt/journals/index.php/esc-ciie/article/view/297. Acesso em: 15 out. 2020.

NUNES, L. C. et al. Estudo de diagnóstico de necessidades docentes de 2021 a 2030. Lisboa: NOVA-SBE; DGEEC, 2021. E-book. Disponível em: https://www.dgeec.mec.pt/np4/%7B$clientServletPath%7D/?newsId=1304&fileName=DGEEC_Estudo_Diagnostico_de_Necessidade_.pdf. Acesso em: 14 dez. 2021.

OIT. World employment and social outlook: Trends 2021. Genebra: OIT. E-book. Disponível em: https://www.ilo.org/wcmsp5/groups/public/---dgreports/---dcomm/---publ/documents/publication/wcms_795453.pdf. Acesso em: 27 nov. 2021.

PETRELLA, R. Le bien commun, éloge de la solidarité. Bruxelas, Labor, 1996.

PORTUGAL. Lei n. 46/86, de 14 de outubro. Lei de Bases do Sistema Educativo. Lisboa: Assembleia da República, 1986. Disponível em: https://www.pgdlisboa.pt/leis/lei_mostra_articulado.php?nid=1744&tabela=leis&so_miolo=.

PORTUGAL. Portaria n. 50/2019, de 8 de fevereiro. Portaria que define o fator de sustentabilidade e idade normal de acesso à pensão de velhice. Lisboa: Secretária de Estado da Segurança Social, 2019. Disponível em: https://files.dre.pt/1s/2019/02/02800/0101601017.pdf. Acesso em: 15 out. 2021.

RABIN, R. C. Can estrogen and other sex hormones help men survive covid-19? The New York Times, New York, 27 abr. 2020. Disponível em: https://www.nytimes.com/2020/04/27/health/coronavirus-estrogen-men.html. Acesso em: 29 nov. 2021.

RODRIGUES, A. M. et al. Regime de seleção e recrutamento do pessoal docente da educação pré-Escolar e ensinos básico e secundário. Lisboa: Conselho Nacional de Educação, 2019. Disponível em: https://www.cnedu.pt/content/edicoes/estudos_e_relatorios/Estudo_Selecao_e_Recrutamento_de_Docentes_julho2019.pdf. Acesso em: 8 dez. 2021.

ROSAS, F. et al. O século português. Lisboa: Tinta da China, 2020.

SÁ, S. Covid-19: Porque é que as mulheres morrem menos do que os homens. Visão, Lisboa, 30 abr. 2020. Disponível em: https://visao.sapo.pt/visaosaude/2020-04-30-covid-19-porque-e-que-as-mulheres resistem-melhor-ao-virus/. Acesso em: 29 nov. 2021.

SANTOS, M. E. B. et al. Efeitos da pandemia COVID-19 na educação: Desigualdades e medidas de equidade. Lisboa: Conselho Nacional de Educação, 2021. Disponível em: https://www.cnedu.pt/content/noticias/estudos/Estudo_AssembleiaRepublicaEfeitos_da_pandemia_COVID-19.pdf. Acesso em: 8 dez. 2021.

SILVA, H. Selecção e discriminação dos profissionais de enfermagem durante o Estado Novo (1938-1963). Ler História, n. 60, p. 151-166, 2011. Disponível em: https://journals.openedition.org/lerhistoria/1533. Acesso em: 10 nov. 2021.

SILVA, P. A. et al. Trabalho e desigualdades no grande confinamento: Perdas derendimento e transição para o teletrabalho. Lisboa: Colabor, 2020. Disponível em: https://colabor.pt/wp-content/uploads/2021/04/Trabalho-e-Desigualdades-no-Grande-Confinamento.-Perdas-de-rendimento-e-transicao-para-o-teletrabalho.pdf. Acesso em: 5 dez. 2021.

SILVA, P. A. et al. Trabalho e desigualdades no Grande Confinamento (II): Desemprego, layoff e adaptação ao teletrabalho. Lisboa: Colabor, 2020. E-book. Disponível em: https://colabor.pt/wp-content/uploads/2021/04/Trabalho-e-Desigualdades-no-Grande-Confinamento-II.-Desemprego-layoff-e-adaptacao-ao-teletrabalho.pdf. Acesso em: 5 dez. 2021.

SNOWDEN, F. M. Epidemias e sociedade: Da peste negra ao presente. Lisboa: Edições 70, 2020.

TILLY, C. Regimes and repertoiries. Chicago: University of Chicago Press, 2006.

VARELA, R.; ROLO, D.; AREOSA, J. Inquérito nacional sobre as condições de vida e trabalho na educação em Portugal (INCVTE). Lisboa: FCSH; FENPROF, 2018. Disponível em: https://www.fenprof.pt/Download/FENPROF/M_Html/Mid_332/Anexos/JF_out18_INQUERITO_NACIONAL.pdf. Acesso em: 12 nov. 2021.

WACQUANT, L. A penalização da miséria e o avanço do neoliberalismo. In: SANTANA, M. A.; RAMALHO; J. R. (org.). Além da fábrica: Trabalhadores, sindicatos e a nova questão social. São Paulo: Boitempo Editorial, 2003.

WAY, P.; SALES, T. A idade e o género: Até onde vai o preconceito? Lisboa: Edição da UMAR, 2021.

Publicado

30/06/2022

Como Citar

BAPTISTA, V.; ALVES, P. M. O trabalho das professoras em tempos de pandemia Covid-19: Problemáticas e construções da docência e do cuidar na esfera doméstica em Portugal. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 17, n. esp.2, p. 1071–1093, 2022. DOI: 10.21723/riaee.v17iesp.2.16982. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/16982. Acesso em: 2 out. 2022.