Formação para uma personalidade antirracista

Porque o racismo não nasce com a criança

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v17iesp.2.16987

Palavras-chave:

Racismo, Personalidade antirracista, Crianças, Educação

Resumo

Este artigo aborda o racismo no contexto da formação da personalidade. A análise do conteúdo e da forma de uma miniconferência (realizada em 2017 no Teatro Maria Matos de Lisboa) será baseada em três pressupostos: o racismo existe, não se nasce racista e é preciso apostar numa educação antirracista desde a infância. O ensaio, que inclui a conferência dirigida a crianças e a entrevista com um dos palestrantes, apoiou-se em literatura sobre “raça”, racismo, colonialismo e diversidade cultural, sobretudo no que diz respeito aos contextos português e brasileiro. Esta iniciativa lançou luz sobre relações sociais subalternizantes que inferiorizam uns indivíduos em detrimento de outros, principalmente em função do seu fenótipo. Os resultados indicam a pertinência de iniciativas como esta, pois nelas germina um potencial para a formação de uma personalidade antirracista com vistas à equidade social e ao respeito pelas diferenças (nacionais, étnicas, fenotípicas e econômicas, entre outras).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Christian Muleka Mwewa, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), Três Lagoas – MS – Brasil

Professor no Programa de Pós-Graduação em Educação-Mestrado e Doutorado (FAED/UFMS). Doutorado em Ciências da Educação (UFSC).

Patrícia Ferraz de Matos, Universidade de Lisboa (ULisboa), Lisboa – Portugal

 Investigadora Auxiliar no Instituto de Ciências Sociais (ICS). Doutorado em Ciências Sociais com especialidade em Antropologia Social e Cultural.

Referências

ADORNO, T. W. Educação após Auschwitz. In: ADORNO, T. W. Educação e Emancipação. 3. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2003.

ALMEIDA, M. V. O Atlântico Pardo: Antropologia, pós-colonialismo e o caso “lusófono”. In: BASTOS, C.; ALMEIDA, M. V.; FIELDMAN-BIANCO, B. (org.). Trânsitos coloniais: Diálogos críticos luso-brasileiros. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais, 2002.

ARENDT, H. Responsabilidade e julgamento. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

AZEVEDO, T. As elites de cor: Um estudo de ascensão social. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1955.

BANTON, M. Racial Theories. Cambridge: Cambridge University Press, 1998.

BENEDICT, R. Padrões de cultura. Petrópolis: Vozes, 2013.

CAHEN, M.; MATOS, P. F. Novas perspectivas sobre o luso-tropicalismo. Portuguese Studies Review, Ontario, v. 26, n. 1, 2018. Disponível em: https://halshs.archives-ouvertes.fr/halshs-02472799/document. Acesso em: 15 abr. 2021.

CASHMORE, E. Dictionary of Race and Ethnic Relations. New York: Routledge, 1996.

CAVALLEIRO, E. S. Discriminação racial e pluralismo em escolas públicas da cidade de São Paulo. In: Educação anti-racista: Caminhos abertos pela Lei Federal n. 10.639/03. Brasília, DF: Secad/MEC, 2005. Disponível em: https://www.geledes.org.br/wp-content/uploads/2009/10/me000376.pdf. Acesso em: 12 mar. 2021.

COHN, C. Antropologia da criança. Rio de Janeiro: Zahar, 2005.

FARMER, P. On suffering and structural violence: A view from below. Daedalus, Cambridge, v. 125, n. 1, p. 261-283, 1996. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/20027362. Acesso em: 12 jun. 2021.

FERNANDES, F. A integração do negro na sociedade de classes. São Paulo: Companhia Editora Nacional, v. 2, 1965.

JUNIOR, W. E. F. Educação anti-racista: Reflexões e contribuições possíveis do ensino de ciências e de alguns pensadores. Ciência & Educação, Bauru, v. 14, n. 3, p. 397-416, 2008. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ciedu/a/PyFjT66TFDL7jSNfpWCgMGw/abstract/?lang=pt. Acesso em: 13 ago. 2021.

GIDDENS, A. Ethnicity and Race. In: GIDDENS, A. Sociology. Cambridge: Polity Press, 1989.

GILROY, P. The Black Atlantic: Modernity and double consciousness. London: Verso, 1995.

GOFFMAN, E. Estigma: Notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Rio de Janeiro: Guanabara, 1988.

HARRIS, M. Patterns of race in the Americas. Nova Iorque: Walker & Company, 1964.

HASENBALG, C. Entre o mito e os factos: Racismo e relações raciais no Brasil. In: MAIO, M. C.; SANTOS, R. V. (org.). Raça, Ciência e Sociedade. Rio de Janeiro: Fiocruz, 1998.

HONNETH, A. Luta pelo reconhecimento: Para uma gramática moral dos conflitos sociais. Lisboa: Edições 70, 2011.

JESUS, J. Racismo: Processos psicossociais de exclusão. In: JESUS, J.; CARVALHO, P.; DIOGO, R.; GRANJO, P. (org.). O que é racismo? Lisboa: Escolar Editora, 2014.

LEHMANN, D. A política do reconhecimento: Teoria e prática. In: HITA, M. G. (org.). Raça, racismo e genética em debates científicos e controvérsias sociais. Salvador: Edufba, 2017.

MATOS, P. F. A história e os mitos: Manifestações da ideologia colonial na construção do Portugal dos Pequenitos em Coimbra. In: CONGRESSO IBÉRICO DE ESTUDOS AFRICANOS, 7., 2010, Lisboa. Actas […]. Lisboa: Centro de Estudos Internacionais, 2010. Disponível em: http://hdl.handle.net/10071/2194. Acesso em: 4 jan. 2022.

MATOS, P. F. The colours of the Empire: Racialized representations during Portuguese colonialism. Oxford: Berghahn Books, 2013.

MATOS, P. F. “Raça”, miscigenação e preconceito: Desafios actuais perante a evolução do pensamento social (e racial e nacional) brasileiro. Portuguese Studies Review, Ontario, v. 26, n. 1, p. 273-298, 2018. Disponível em: https://repositorio.ul.pt/handle/10451/36340?locale=en. Acesso em: 15 maio 2021.

MWEWA, C. M.; OLIVEIRA, P. C. Desafios ao protagonismo feminino para a geração de renda em Laguna-SC: Gênero, bolsa família e serviço social. Poiésis: Revista do Programa de Pós-Graduação em Educação, Santa Catarina, v. 7, n. 11, p. 168-181, 2013. Disponível em: https://portaldeperiodicos.animaeducacao.com.br/index.php/Poiesis/article/view/1636. Acesso em: 03 jun. 2021.

MWEWA, C. M.; PINTO, S. M. E.; BISPO, S. A. S. Mediações étnico-raciais no contexto da educação infantil em Três Lagoas/MS: Um estudo de caso. Zero-a-Seis, Florianópolis, v. 18, n. 33, p. 65-82, 2016. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/zeroseis/article/view/1980-4512.2016v18n33p65. Acesso em: 15 mar. 2021.

PEDRO, R. Racismo com Rita Pedro: Mini-conferência para miúdas e miúdos curiosos. Teatro Maria Matos, Lisboa, 11 nov. 2017. Disponível em: http://www.teatromariamatos.pt/espetaculo/familias-racismo-com-rita-pedro-mini-conferencia-para-miudas-e-miudos-curiosos-20171111/. Acesso em: 15 nov. 2017.

PIERSON, D. Brancos e pretos na Bahia: Estudo de contacto racial. São Paulo: Editora Nacional, 1971.

SANTOS, I. A. A responsabilidade da escola na eliminação do preconceito racial: Alguns caminhos. In: CAVALLEIRO, E. S. (org.). Racismo e anti-racismo na educação: Repensando nossa escola. São Paulo: Selo Negro, 2001.

SERRA, C. Introdução: Construção social negativa do outro. In: JESUS, J.; CARVALHO, P.; DIOGO, R.; GRANJO, P. (org.). O que é racismo? Lisboa: Escolar Editora, 2014.

SILVA, N. V. Cor e o processo de realização sócio-econômica. Dados: Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, v. 24, n. 3, p. 391-409, 1981. Disponível em: https://drive.google.com/file/d/1cFGWFL5em-Rc7bsVLQC3CfmcoNSRFtUt/. Acesso em: 14 fev. 2021.

SKIDMORE, T. E. Preto no branco: Raça e nacionalidade no pensamento brasileiro. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1989.

VAZ, A. F. Corpo, natureza, experiência: Aspectos da crítica romântica em Walter Benjamin. In: SOARES, C. L. (org.). Uma educação pela natureza: A vida ao ar livre, o corpo e a ordem urbana. Campinas: Autores Associados, 2016.

WADE, P. Raça e etnia na era da ciência genética. In: HITA, M. G. (org.). Raça, racismo e genética em debates científicos e controvérsias sociais. Salvador: Edufba, 2017.

WIEVIORKA, M. Racisme et exclusion. In: WIEVIORKA, M. L’Exclusion: l’État des savoirs. Paris: Éditions La Découverte, 1996.

Publicado

30/06/2022

Como Citar

MWEWA, C. M.; MATOS, P. F. de. Formação para uma personalidade antirracista: Porque o racismo não nasce com a criança. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 17, n. esp.2, p. 1150–1168, 2022. DOI: 10.21723/riaee.v17iesp.2.16987. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/16987. Acesso em: 2 out. 2022.