Diversidade cultural em região fronteiriça

Sociologia da infância e educação escolar

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v17iesp.2.16989

Palavras-chave:

Sociologia da infância, Diversidade cultural, Educação escolar, Região fronteiriça

Resumo

Este artigo tem como objetivo discorrer acerca dos entrelaçamentos entre sociologia da infância e educação escolar – com enfoque em regiões fronteiriças. Nosso interesse persiste à compreensão da construção cultural da infância, bem como sobre o lugar da educação escolar com intersecção à diversidade cultural. Com base no referencial bibliográfico e na literatura utilizada percebeu-se que a infância é uma construção social que varia entre os diferentes grupos de uma sociedade. Sendo assim, várias formas de se vivenciar a infância coexistem, que – por sua vez – nem sempre são consideradas nas instituições escolares. Acaba-se valorizando determinadas culturas – especificamente dominantes – em detrimento de outras, exercendo diversos formatos de violência simbólica. A concepção de criança universal, adotada pela escola, acaba por marginalizar as infâncias que fogem da convenção predominante. Com isso, a sociologia da infância deve redirecionar o olhar sobre os sujeitos a fim de contribuir com uma escola para além de reproduções sociais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernanda Cristina Martins Martti, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), Ponta Porã – MS – Brasil

Graduada em Pedagogia. Pós-Graduanda em Alfabetização e Letramento e Psicopedagogia Institucional (FAEL).

Maria Luzia da Silva Santana, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), Amargosa – BA – Brasil

Docente do Departamento de Educação do Campo. Doutorado em Psicologia (UCB/DF).

Natália Cristina Oliveira, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), Ponta Porã – MS – Brasil

Docente e Coordenadora do curso de Pedagogia. Doutorado em Educação (UEPG).

Referências

ABRAMOWICZ, A.; OLIVEIRA, F. A sociologia da infância no Brasil: Uma área em construção. Educação (UFSM), v. 1, n. 1, p. 39-52, 2010. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/1602. Acesso em: 10 nov. 2021.

ARIÈS, P. História social da criança e da família. 2. ed. Rio de Janeiro: Guanabara, 1986.

BARBOSA, I. G.; SILVEIRA, T. A. T. M.; SOARES, M. A. A BNCC da Educação Infantil e suas contradições: Regulação versus autonomia. Retratos da Escola, v. 13, n. 25, p. 77-90, 2019. Disponível em: http://retratosdaescola.emnuvens.com.br/rde/article/view/979 Acesso em: 20 out. 2021.

BERGER, I. R. Atitudes de professores brasileiros diante da presença do espanhol e do guarani em escolas na fronteira Brasil-Paraguai: Elemento à gestão de línguas. Signo y Seña, v. 28, p. 169-185, 2015. Disponível em: http://revistas.filo.uba.ar/index.php/sys/article/view/264/232. Acesso em: 10 jan. 2020.

BOURDIEU, P. A escola conservadora: As desigualdades frente à escola e à cultura. In: NOGUEIRA, M. A.; CATANI, A. Escritos de educação. 9. ed. Petrópolis: Vozes, 2007.

BRASIL. Portaria n. 125, de 21 de março de 2014. Estabelece o conceito de cidades-gêmeas nacionais, os critérios adotados para essa definição e lista todas as cidades brasileiras por estado que se enquadram nesta condição. Brasília, DF: Ministério da Integração Nacional, 2014. Disponível em: http://pesquisa.in.gov.br/imprensa/jsp/visualiza/index.jsp?jornal=1&pagina=45&data=24/03/2014. Acesso em: 10 jan. 2021.

CANDAU, V. M. Multiculturalismo e educação: Desafios para a prática pedagógica. In: MOREIRA, A. F.; CANDAU, V. M. Multiculturalismo: Diferenças culturais e práticas pedagógicas. 2. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

DALINGHAUS, I. V. Cultura, hibridismo e ensino-aprendizagem em contexto fronteiriço. Cadernos de Pós-Graduação em Letras, v. 13, n. 2, 2013. Disponível em: https://redib.org/Record/oai_articulo2310943-cultura-hibridismo-e-ensino-aprendizagem-em-contexto-fronteiri%C3%A7o. Acesso em: 05 maio 2020.

DECLARAÇÃO DE SALAMANCA. Procedimentos-padrão das nações unidas para a equalização de oportunidades para pessoas portadoras de deficiências. Espanha: Resolução das Nações Unidas adotada em assembleia geral, 1996.

DOURADO, L. F.; SIQUEIRA, R. M. Trabalho e formação de professores: Retrocessos e perdas em tempos de pandemia. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 14, n. 30, p. 842-857, set./dez. 2020. Disponível em: http://retratosdaescola.emnuvens.com.br/rde. Acesso em: 14 dez. 2021.

GESTRADO. Trabalho docente em tempos de pandemia: Relatório Técnico. Belo Horizonte: GESTRADO; UFMG, 2020. Disponível em: https://gestrado.net.br/wp-content/uploads/2020/08/RELATORIO-COMPLETO-1011.pdf. Acesso em: 12 out. 2021.

KRAMER, S. Infância, cultura contemporânea e educação contra a barbárie. Revista Teias, v. 1, n. 2, p. 14, 2000. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/revistateias/article/view/23857. Acesso em: 02 dez. 2021.

KUHLMANN J. M.; FERNANDES, F. S. Infância: Construção social e histórica. In.: VAZ, A. F.; MOMM, C. M. Educação infantil e sociedade: Questões contemporâneas. Nova Petrópolis, RS: Nova Harmonia, 2012. Disponível em: https://www.usfx.bo/nueva/vicerrectorado/citas/SOCIALES_8/Pedagogia/82.pdf#page=22. Acesso em: 13 nov. 2021.

NOGUEIRA, C. M. M.; NOGUEIRA, M. A. A sociologia da educação de Pierre Bourdieu: Limites e contribuições. Educação & Sociedade, v. 23, p. 15-35, 2002. Disponível em: https://www.scielo.br/j/es/a/wVTm9chcTXY5y7mFRqRJX7m/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 02 nov. 2021.

NOGUEIRA, I. S. C. Processo histórico e social do sentimento de infância e a realidade da criança brasileira. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 12, n. 4, p. 2024-2043, 2017. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/8760. Acesso em: 23 out. 2021.

OLIVEIRA, N. G.; SANTANA, M. S.; OLIVEIRA, E. L. G. Por uma educação para além da reprodução: Contributo do pensamento de Pierre Bourdieu. Revista Olhares Sociais. v. 3, n. 2, 2014. Disponível em: https://livrozilla.com/doc/1717789/por-uma-educa%C3%A7%C3%A3o-para-al%C3%A9m-da-reprodu%C3%A7%C3%A3o. Acesso em: 08 nov. 2021.

PINTO, R. P.; SANTANA, M. L. S. A educação especial inclusiva em contexto de diversidade cultural e linguística: Práticas pedagógicas e desafios de professoras em escolas de fronteira. Revista Brasileira de Educação Especial, v. 26, n. 3, p. 495-510, jul./set. 2020. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbee/a/Vt9fXVCtsZDzD89RhtSfRds/?lang=pt. Acesso em: 30 maio 2021.

PIOTTO, D. C. A escola e o sucesso escolar: Algumas reflexões à luz de Pierre Bourdieu. Vertentes (UFSJ), v. 33, p. 48-60, 2009. Disponível em: https://ufsj.edu.br/portal2-repositorio/File/vertentes/debora_piotto.pdf. Acesso em: 4 dez. 2021.

PIZZANI, L. et al. A arte da pesquisa bibliográfica na busca do conhecimento. Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação, v. 10, n. 2, p. 53-66, 2012. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rdbci/article/view/1896. Acesso em: 14 dez. 2021.

PRADO, R. L. C.; VOLTARELLI, M. A. Estudos sociais da infância: Discutindo a constituição de um campo a luz de Bourdieu. Revista Eletrônica de Educação, v. 12, n. 1, p. 279-297, 2018. Disponível em: http://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/1893. Acesso em: 05 dez. 2021.

QVORTRUP, J. Nove teses sobre a “infância como um fenômeno social”. Pro-Posições, v. 22, p. 199-211, 2011. Disponível em: https://www.scielo.br/j/pp/a/dLsbP94Nh7DJgfdbxKxkYCs/abstract/?lang=pt. Acesso em: 21 out. 2021.

RANDO, J. S.; NOGUEIRA, I. S. C. Criança e educação: Os direcionamentos curriculares a partir da concepção de infância. Comunicações, v. 27, n. 2, p. 85-103, 2020. Disponível em: https://www.metodista.br/revistas/revistas-unimep/index.php/comunicacoes/article/view/4262. Acesso em: 16 nov. 2021.

SANCHES, I.; TEODORO, A. Da integração à inclusão escolar: Cruzando perspectivas e conceitos. Rev. Lusófona de Educação, Lisboa, n. 8, p. 63-83, jul. 2006. Disponível em http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1645-72502006000200005&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 31 maio 2019.

SANCHES, I. Do ‘aprender para fazer’ ao ‘aprender fazendo’: As práticas de Educação inclusiva na escola. Revista Lusófona de Educação, n. 19, p. 135-156, 2011. Disponível em http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1645-72502011000300009&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 15 jan. de 2020.

SARMENTO, M. J. Sociologia da Infância: Correntes e confluências. In: SARMENTO, M.; GOUVEA, M. C. S. Estudos da Infância: Educação e práticas sociais. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

SARMENTO, M. J. A Reinvenção do Ofício de Criança e Aluno. Atos de Pesquisa em Educação, v. 6, n. 3, p. 581-602, set./dez. 2011. Disponível em: https://proxy.furb.br/ojs/index.php/atosdepesquisa/article/view/2819. Acesso em: 14 dez. 2021.

SILVA, C. F.; RAITZ, T. R.; FERREIRA, V. S. Desafios da Sociologia da Infância: Uma área emergente. Psicologia & Sociedade, v. 21, n. 1, p. 75-80, 2009. Disponível em: https://www.scielo.br/j/psoc/a/gsSWrZ9wdpnxhtJG6nsCqcf/?lang=pt&format=pdf. Acesso em: 14 dez. 2021.

SILVA, M. O. E. Educação inclusiva: Um novo paradigma de escola. Revista Lusófona de Educação, v. 19, 2011. Disponível em: http://www.scielo.mec.pt/pdf/rle/n19/n19a08.pdf Acesso em: 10 jan. de 2020.

SIROTA, R. Emergência de uma sociologia da infância: Evolução do objeto e do olhar. Cadernos de pesquisa, n. 112, p. 7-31, mar. 2001. Disponível em: https://www.scielo.br/j/cp/a/X8n4RcnLnhdybsVSwNG5Twv/abstract/?lang=pt&stop=previous&format=html. Acesso em: 06 dez. 2021.

VALLE, I. R. O lugar da educação (escolar) na sociologia de Pierre Bourdieu. Revista Diálogo Educacional, v. 13, n. 38, p. 411-437, 2013. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/1891/189126039020.pdf. Acesso em: 14 dez. 2021.

Publicado

30/06/2022

Como Citar

MARTTI, F. C. M.; SANTANA, M. L. da S.; OLIVEIRA, N. C. Diversidade cultural em região fronteiriça: Sociologia da infância e educação escolar. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 17, n. esp.2, p. 1356–1374, 2022. DOI: 10.21723/riaee.v17iesp.2.16989. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/16989. Acesso em: 4 out. 2022.