A hermenêutica fenomenológica como método e a educomunicação como sujeito

Uma busca pela essência do fenômeno

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v18i00.18009

Palavras-chave:

Método de pesquisa, Fenomenologia, Hermenêutica Crítica, Educomunicação

Resumo

O artigo objetiva demonstrar um diálogo entre a fenomenologia e a hermenêutica como métodos teóricos de pesquisa que buscam desvelar a essência do fenômeno no campo da Educomunicação, pois colocam o fenômeno como sujeito-objeto de pesquisa dentro do seu contexto e possibilitam a interpretação com criticidade. A pergunta norteadora desta pesquisa é: como relacionar esses dois métodos complexos com o campo da Educomunicação? O aporte teórico está centrado em Husserl (2000; 2006); Foucault (2006); Ricoeur (1989); Heidegger (1967; 1999); Freire (1980; 2011), Freinet (1974) e Soares (2000). O método filosófico é a Hermenêutica Crítica, com a abordagem qualitativa. Os resultados apontaram que os métodos envolvem os sujeitos e suas consciências do mundo/fenômeno. Na aproximação do campo da Educomunicação com a Hermenêutica Fenomenológica Dialógica ocorre a identificação de um fenômeno aparente que passa por uma interpretação dos discursos e dos sentidos na relação entre os campos de comunicação e de educação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tiago Silvio Dedoné, Pontifícia Universidade Católica do Paraná

Doutorando no Programa de Pós-Graduação em Educação.

Patricia Helena de Ribeiro Munhoz Costa, Pontifícia Universidade Católica do Paraná

Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Educação.

Peri Mesquida, Pontifícia Universidade Católica do Paraná

Professor Titular e Professor Orientador no Programa de Programa de Pós-Graduação em Educação. Doutorado em Ciências da Educação (UNIGENÈVE) – Suíça.

Referências

ABRAMO, P. Padrões de manipulação na grande imprensa. 2. ed. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2016.

BACCEGA, M. A. (org.). Gestão de Processos Comunicacionais. São Paulo: Atlas, 2002.

BAKHTIN, M. M. Estética da criação verbal. Tradução: Paulo Bezerra. 5. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

BEISIEGEL, C. R. Política e Educação Popular: A teoria e a prática de Paulo Freire no Brasil. 2. ed. São Paulo: Ática, 1989.

DEWEY, J. Arte como Experiência. Tradução: Vera Ribeiro. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

FOUCAULT, M. A Hermenêutica do Sujeito. Tradução: M. A. Fonseca; S. T. Muchail. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

FREINET, C. O jornal escolar. Portugal: Estampa, 1974.

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. 11. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1980.

FREIRE, P. A Educação na Cidade. São Paulo: Cortez, 1991.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: Saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005.

FREIRE, P. Extensão ou Comunicação? 15. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2011.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 84. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2019.

GADAMER, H. G. Verdade e método I: traços fundamentais de uma hermenêutica filosófica. 9. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008. 631 p. (Pensamento humano).

HEIDEGGER, M. Sôbre o humanismo. Tradução: Emmanuel Carneiro Leão. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1967.

HEIDEGGER, M. Conferências e Escritos Filosóficos. Tradução e notas: Ernildo Stein. São Paulo: Nova Cultura, 1999.

HUSSERL, E. G. A. A ideia da fenomenologia. Tradução: Artur Morão. Lisboa: Edições 70, 2000.

HUSSERL, E. G. A. Idéias para uma fenomenologia pura e para uma filosofia fenomenológica. São Paulo: Idéias & Letras, 2006.

JODELET, D. Representações Sociais e mundos de vida. São Paulo: FCC/Curitiba: PUCPR, 2017.

KÁPLUN, M. Comunicación entre grupos: El método del casete-foro. Ottawa: IDRC, 1984.

MARTÍN-BARBERO, J. A comunicação na educação. São Paulo: Contexto, 2014.

PLATÃO. A República. Tradução: Maria Helena da Rocha Pereira. 2. ed. Lisboa: Caloustre Gulbenkian, 1993.

RICOEUR, P. O conflito das interpretações: Ensaio de hermenêutica. Tradução: M. F. Sá Correia. Porto: Rés-Editora, 1989.

SOARES, I. O. Educomunicação: as perspectivas do reconhecimento de um novo campo de intervenção social. O caso dos Estados Unidos. ECCOS, São Paulo, v. 2, n. 2, p. 61-80, dez. 2000.

SOARES, I. O. Metodologias da Educação para Comunicação e Gestão Comunicativa no Brasil e na América Latina. São Paulo: Atlas, 2002.

SOARES, I. O. Alfabetização e Educomunicação: o papel dos meios de comunicação e informação na educação de jovens e adultos ao longo da vida. 2003.

SOARES, I. O. Educomunicação: O conceito, o profissional, a aplicação (contribuições para a reforma do Ensino Médio). 2. ed. São Paulo: Paulinas, 2011a.

SOARES, I. O. Educomunicação: um campo de mediações. In: CITELLI, A. O.; COSTA, M. C. C. (org.). Educomunicação: construindo uma nova área do conhecimento. 1. ed. São Paulo: Paulinas, 2011b. cap. 1, p. 13-29.

XAVIER, M. M. Educomunicação em perspectiva dialógico-discursiva. São Paulo: Mentes Abertas; Campina Grande: EDUFCG, 2020.

Publicado

17/05/2023

Como Citar

DEDONÉ, T. S.; MUNHOZ COSTA, P. H. de R.; MESQUIDA, P. A hermenêutica fenomenológica como método e a educomunicação como sujeito: Uma busca pela essência do fenômeno. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 18, n. 00, p. e023034, 2023. DOI: 10.21723/riaee.v18i00.18009. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/18009. Acesso em: 4 mar. 2024.

Edição

Seção

Artigos teóricos