Adolescência, afetividade, sexualidade e deficiência intelectual: o direito ao ser/estar

Autores

  • Fátima Elisabeth Denari

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v5i1.3491

Resumo

Este estudo, de cunho qualitativo e fundamentado no entendimento fenomenológico, teve por objetivo desvelar percepções de jovens com deficiência intelectual acerca da manifestação de sexualidade e do processo de adolescer. Os dados foram coletados em uma escola especial para pessoas com deficiências, mediante a composição de grupos de jovens em interação social, por meio de encontros formais (estudo e discussão de textos, filmes) e conversas informais de cunho educativo. As informações passaram por análise de significado, após transcrição de gravações digitais, submetidas aos jovens para conferência; destas, emergiram as categorias principais: identidade, saúde, afetividade, sexualidade e modificações sócio-comportamentais. Pode-se observar a falta de informações a respeito de diversas questões que envolvem a sexualidade e sua manifestação, tais como, conhecimentos morfofisiológicos, psico-afetivos e cuidados preventivos. Os jovens, os profissionais da educação comum ou especial, assim como a família, necessitam de preparação para abordar essas questões e contribuir para o desenvolvimento de uma sexualidade saudável para esses jovens.

Downloads

Como Citar

DENARI, F. E. Adolescência, afetividade, sexualidade e deficiência intelectual: o direito ao ser/estar. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 5, n. 1, p. 44–52, 2011. DOI: 10.21723/riaee.v5i1.3491. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/3491. Acesso em: 25 fev. 2021.

Edição

Seção

Artigos