Educação e Zen Budismo: notas para aprender o Satori

Deniz Alcione Nicolay

Resumo


Esse texto procura se afastar do modelo das certezas absolutas para reivindicar a dúvida perene. Utiliza a filosofia Zen na intenção de provocar um verdadeiro abalo na forma de pensar em educação. Uma vertigem, portanto, perpassa tal encontro, pois nenhum pré-conceito pode permanecer exatamente o mesmo depois de tocado pela poesia Zen. Nesse sentido, aprender e ensinar ganham novo rumo: o rumo do Satori. E, para isso, os velhos monges ensinam as técnicas do mondo, do koan e do za-zen, ou seja, como estímulo para o discípulo alcançar sua iluminação particular. Mas até mesmo essas técnicas são inebriadas de uma lógica do absurdo, de um humor vitalista, de um “vire-se, se puderes!”. Mesmo nos momentos mais difíceis, os monges ensinam que para vencer é preciso estar só.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.21723/riaee.v6i2.4881



Direitos autorais 2012 Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação

 

Rev. Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1982-5587

DOI Prefix: 10.21723/riaee

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.