Educação e "raça" (etnia): percepções de educadores dos anos iniciais da rede pública de ensino do Distrito Federal

Autores

  • Francisco Thiago Silva Mestre em Educação. UnB - Universidade de Brasília. Faculdade de Educação – Programa de Pós- Graduação em Educação. Brasília – DF – Brasil.
  • Maria Helena da Silva Carneiro UnB – Universidade de Brasília. Faculdade de Educação – Departamento de Métodos e Técnicas Brasília – DF – Brasil.
  • Lívia Freitas Fonseca Borges UnB – Universidade de Brasília. Faculdade de Educação – Departamento de Métodos e Técnicas. Brasília – DF – Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v8i4.5607

Resumo

Este artigo apresenta os resultados de uma pesquisa que articulou teorias e manifestações sobre as várias concepções do termo “raça” ao longo da história da humanidade, sobretudo na ótica da biologia geneticista, mas que não foi hegemônica, e das manifestações sócio-históricas do conceito, tendo como pano de fundo a historiografia do povo afro-brasileiro e as tentativas de hierarquização raciais ocorridas no Brasil. O estudo foi feito por meio de revisão bibliográfica e metodologicamente com aplicação de questionários em uma escola da Rede Pública de ensino do Distrito Federal, Brasil. O assunto foi abordado sob a ótica reflexiva de autores como: Barbujani (2007), Diwan (2011), Munanga (2003), Gomes (2000, 2005) e Filice (2011). O instrumento de pesquisa utilizado foi o questionário que conteve a técnica da associação livre, em seguida a hierarquização sucessiva de Abric (2001). O objetivo foi tentar identificar as percepções de oito professoras dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental da Rede Pública a cerca do conceito “raça” (etnia). O resultado apontou o uso da terminologia raça como sendo ainda associada às diferentes características dos povos que formaram o Brasil. No entanto apontamos a possibilidade do uso de etnia para minimizar as diferenças étnico-raciais que ainda imperam na sociedade brasileira.

Biografia do Autor

Francisco Thiago Silva, Mestre em Educação. UnB - Universidade de Brasília. Faculdade de Educação – Programa de Pós- Graduação em Educação. Brasília – DF – Brasil.

Mestrando em Educação pela Universidade de Brasília /DF, Brasil, sob orientação da profa. Dra. Lívia Borges. Especialista em História Afro- e graduado em História pela Faculdade Projeção. Professor da Secretaria de Educação do Distrito Federal.

Maria Helena da Silva Carneiro, UnB – Universidade de Brasília. Faculdade de Educação – Departamento de Métodos e Técnicas Brasília – DF – Brasil.

Possui doutorado em Didática das disciplinas: Biologia pela universidade Paris VII – Reconhecido para fins de concurso: UFSC-1993 (1992). Professora Associada II da Universidade de Brasília – DF, Brasil.

Lívia Freitas Fonseca Borges, UnB – Universidade de Brasília. Faculdade de Educação – Departamento de Métodos e Técnicas. Brasília – DF – Brasil.

Possui doutorado em Sociologia pela Universidade de Brasília – DF, Brasil. Professora Adjunta da Faculdade de Educação da Universidade de Brasília.

Downloads

Publicado

20/02/2014

Como Citar

SILVA, F. T.; CARNEIRO, M. H. da S.; BORGES, L. F. F. Educação e "raça" (etnia): percepções de educadores dos anos iniciais da rede pública de ensino do Distrito Federal. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 8, n. 4, p. 836–855, 2014. DOI: 10.21723/riaee.v8i4.5607. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/5607. Acesso em: 25 fev. 2021.

Edição

Seção

Artigos