Educação e "raça" (etnia): percepções de educadores dos anos iniciais da rede pública de ensino do Distrito Federal

Francisco Thiago Silva, Maria Helena da Silva Carneiro, Lívia Freitas Fonseca Borges

Resumo


Este artigo apresenta os resultados de uma pesquisa que articulou teorias e manifestações sobre as várias concepções do termo “raça” ao longo da história da humanidade, sobretudo na ótica da biologia geneticista, mas que não foi hegemônica, e das manifestações sócio-históricas do conceito, tendo como pano de fundo a historiografia do povo afro-brasileiro e as tentativas de hierarquização raciais ocorridas no Brasil. O estudo foi feito por meio de revisão bibliográfica e metodologicamente com aplicação de questionários em uma escola da Rede Pública de ensino do Distrito Federal, Brasil. O assunto foi abordado sob a ótica reflexiva de autores como: Barbujani (2007), Diwan (2011), Munanga (2003), Gomes (2000, 2005) e Filice (2011). O instrumento de pesquisa utilizado foi o questionário que conteve a técnica da associação livre, em seguida a hierarquização sucessiva de Abric (2001). O objetivo foi tentar identificar as percepções de oito professoras dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental da Rede Pública a cerca do conceito “raça” (etnia). O resultado apontou o uso da terminologia raça como sendo ainda associada às diferentes características dos povos que formaram o Brasil. No entanto apontamos a possibilidade do uso de etnia para minimizar as diferenças étnico-raciais que ainda imperam na sociedade brasileira.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.21723/riaee.v8i4.5607



Direitos autorais 2014 Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação

 

Rev. Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1982-5587

DOI Prefix: 10.21723/riaee

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.