A presença de mulheres negras em espaços públicos como uma questão de desigualdade de gênero

Autores

  • Mirian de Albuquerque Aquino Doutora em Educação. Professora Associada do Departamento de Ciência da Informação e atuando nos Programas de Pós-Graduação em Ciência da Informação e em Educação. UFPB - Universidade Federal da Paraíba. Coordenadora do Núcleo de estudos e Pesquisas em Informação. Educação e Relações Étnico-Raciais (NEPIERE). João Pessoa – PB – Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v10i2.7025

Resumo

Este artigo que discute a presença das mulheres negras nos espaços públicos tem sido objeto de estudo de pesquisadores da área de educação com o objetivo de compreender melhor como se processam as relações de gênero e o acesso, sobretudo, às universidades brasileiras. O ingresso das mulheres nos cursos superiores, no Brasil, se deu de forma tímida, a partir do início do século XIX. As mudanças na educação no Brasil expressam um crescimento do setor a partir da década de 1990. Este processo acentuou-se mais ainda, para homens e mulheres em 2000, mas mesmo havendo crescimento no acesso ao ensino superior, isso não significou igualdade nesse nível de ensino para homens e mulheres. Contudo, a presença das mulheres negras no ensino superior não está relacionada apenas à cor, mas também ao nível econômico, à pobreza e à origem familiar; tais fatores impedem o seu ingresso nas universidades. Mesmo com o desenvolvimento das políticas educacionais, as políticas de ações afirmativas, as lutas contra o racismo e o aumento das mulheres negras no ensino superior, ainda persistem as desigualdades de gênero e raça. No entanto, há claros sinais de que esse quadro registra dados animadores acerca da presença da mulher negra no cenário acadêmico e profissional atual.

Biografia do Autor

Mirian de Albuquerque Aquino, Doutora em Educação. Professora Associada do Departamento de Ciência da Informação e atuando nos Programas de Pós-Graduação em Ciência da Informação e em Educação. UFPB - Universidade Federal da Paraíba. Coordenadora do Núcleo de estudos e Pesquisas em Informação. Educação e Relações Étnico-Raciais (NEPIERE). João Pessoa – PB – Brasil.

Doutora em Educaçaoa. Professora Associada do Departamentode Ciência da Informação. Profesosra do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação e do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal da Paraíba. Coordenadora do Núcleo de estudos e Pesquisas em Informação. Educação e Ralações Étnico-Raciais (NEPIERE)

Downloads

Publicado

07/07/2015

Como Citar

AQUINO, M. de A. A presença de mulheres negras em espaços públicos como uma questão de desigualdade de gênero. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 10, n. 2, p. 555–576, 2015. DOI: 10.21723/riaee.v10i2.7025. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/7025. Acesso em: 5 mar. 2021.

Edição

Seção

Artigos