A dominação masculina de Pierre Bourdieu: críticas e reflexões a partir da psicologia analítica

Autores

  • Alessandra Munhoz Lazdan Mestranda em Educação Sexual. UNESP – Universidade Estadual Paulista. Faculdade de Ciências e Letras – Pós-Graduação em Educação Sexual. Araraquara – SP – Brasil.
  • Fábio Tadeu Reina Docente. UNESP – Universidade Estadual Paulista. Faculdade de Ciências e Letras – Núcleo de Sexualidade. Araraquara – SP – Brasil.
  • Luci Regina Muzzeti Docente. UNESP – Universidade Estadual Paulista. Faculdade de Ciências e Letras – Núcleo de Sexualidade. Araraquara – SP – Brasil.
  • Paulo Rennes Marçal Ribeiro Coordenador. UNESP – Universidade Estadual Paulista. Faculdade de Ciências e Letras – Pós-Graduação em Educação Sexual. Araraquara – SP – Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v9i2.7050

Resumo

O presente artigo, de cunho bibliográfico, teve como objetivo fazer uma reflexão da obra A dominação masculina de Pierre Bourdieu a partir dos conceitos da Psicologia Analítica de C. G. Jung. Esta corrente da Psicologia fundamenta-se, entre outras questões, na análise dos princípios masculino e feminino, trazendo um aparato diferenciado para a discussão das ideias trazidas por Bourdieu que envolvem a dominação masculina. A leitura da Psicologia Analítica compreende a questão desta dominação a partir da visão patriarcal da sociedade, corroborando com Bourdieu na questão da submissão que esta cultura impõe à mulher. No entanto, houve contrapontos no tocante à qualidade e validação do referencial feminino, que a teoria bourdieuniana parece desqualificar. Entre as permanências e mudanças das estruturas que reproduzem a ordem masculina, ambas as teorias se mostram concordantes com as atualizações referentes à estrutura patriarcal.

Downloads

Publicado

16/06/2014

Como Citar

Lazdan, A. M., Reina, F. T., Muzzeti, L. R., & Ribeiro, P. R. M. (2014). A dominação masculina de Pierre Bourdieu: críticas e reflexões a partir da psicologia analítica. Revista Ibero-Americana De Estudos Em Educação, 9(2), 470–487. https://doi.org/10.21723/riaee.v9i2.7050

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 4 > >>