Educação superior e mobilidade nas faixas de fronteira: alguns efeitos da política em curso

Adriana de Lurdes Trentin Alvares, Giselle Cristina Martins Real

Resumo


A educação superior tornou-se elemento estratégico para aceleração dos processos de desenvolvimento e consolidação das economias nas últimas décadas, promovendo sua expansão, especialmente na esfera privada. No entanto, não tem sido suficiente para absorver a demanda, em ascensão, de algumas carreiras mais atrativas. Esse processo tem estimulado estudantes brasileiros a buscarem instituições de educação superior em países fronteiriços, como Paraguai e Bolívia, gerando preocupações com a qualidade e equivalência curricular desses cursos. Os estudos sobre a temática são incipientes, especialmente considerando os efeitos da mobilidade nos currículos de cursos de graduação nestes espaços. Justifica-se a temática, tendo em vista as tendências e tensões acerca da globalização e internacionalização da educação superior, com vistas a viabilizar novos estudos sobre esse movimento que se apresenta de forma crescente. Adotou-se como metodologia a análise documental e bibliográfica. Além disso, espera-se que o estudo contribua para o desvelamento de possíveis efeitos da privatização da educação superior nas regiões de fronteira com o Brasil, de forma a indicar a realização de estudos, para que se encontrem alternativas de políticas que permitam o monitoramento da qualidade na educação superior para além dos sistemas de avaliação e regulação vigentes.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.21723/riaee.v9i4.7267



Direitos autorais 2015 Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação

 

Rev. Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1982-5587

DOI Prefix: 10.21723/riaee

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.