Fraude e responsabilidade nas pesquisas CTS: a investigação das aparências

Simone Moraes Stange, Carlos Roberto Massao Hayashi

Resumo


Na contemporaneidade, percebe-se o elevado índice de cotejamento da informação com os processos acadêmicos de investigação. A era digital disponibiliza uma ampla área de atuação entre culturas, teorias e modos de pensamento, democratizando o acesso aos pensamentos e ideias, viabilizando a disseminação do conhecimento e, também, possibilitando a promoção de práticas inconsequentes baseadas no plágio. O texto constitui um artigo de revisão de literatura no domínio CTS que analisa as condições de possibilidade da ciência e do sujeito por ela constituído no debate sobre as noções de fraude e de responsabilidade que os mesmos possuem. A pesquisa tem o objetivo de elucidar quais são as implicações que o plágio prescreve para a linha de atuação da ciência e da tecnologia. Logo, o trabalho divide-se em três momentos: inicialmente, buscar-se-á explicitar os conceitos de ética, de responsabilidade e de plágio, construindo aparato para os dois momentos seguintes, o levantamento das principais consequências do fim da autonomia e da autoria científica, na demonstração do descrédito dos sujeitos cognitivos e, no terceiro momento, apresentar as possibilidades de repensar instrumentos de reordenamento das práticas acadêmicas que busquem, significativamente, serem apropriadas de modo autêntico, inovador e baseada no desenvolvimento social das pesquisas em CTS.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.21723/riaee.v10i1.7467



Direitos autorais 2015 Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação

 

Rev. Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1982-5587, ISSN: 2446-8606.

DOI Prefix: 10.21723/riaee

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.