Residência nas escolas agrícolas de ensino técnico: alternativa para a educação profissional pública no estado de São Paulo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v12.n2.8392

Palavras-chave:

Residência escolar. Ensino técnico. Ensino agrícola.

Resumo

Analisa a manutenção do sistema de residência escolar para o ensino técnico agrícola no Estado de São Paulo, Brasil, a partir da experiência de uma instituição pública de educação profissional, por meio de pesquisa híbrida realizada em 2014 e 2015. Residências escolares oferecem ao aluno a oportunidade de obter sua formação de modo intensivo, durante um período de tempo específico, dentro de uma escola agrícola. Neste formato, a expectativa é que os estudantes possam adquirir experiência, obter sua formação geral e uma perspectiva mais aprofundada sobre a profissão que escolheram, que os ajudará nas decisões de manutenção da carreira ou no aprofundamento dos estudos, cumprindo a perspectiva politécnica e multifacetada almejada para esta modalidade de ensino.

Biografia do Autor

Paulo Constantino, UNESP Marilia

Doutor em Educação pela UNESP Marília. Atua na supervisão escolar das escolas técnicas estaduais de São Paulo, na região de Marília/SP e como professor na UNESP Marília.

Marcia Poletine, Centro Paula Souza

Atua na supervisão escolar das escolas técnicas estaduais de São Paulo, na região de Marília/SP.

Antonio Carlos Ottoboni de Oliveira, Centro Paula Souza

Atua na coordenação de projetos junto às escolas técnicas agrícolas do Estado de São Paulo.

Referências

CAVALCANTI, C.R. et al. Implicações do FUNDEF e do FUNDEB para a educação no campo do Maranhão. In: Anais da V Jornada Internacional de Políticas Públicas. Universidade Federal do Maranhão, 2011. São Luís. p.01-09.

CETEC. Banco de dados do Ensino Técnico no Centro Paula Souza. Disponível em: <http://www.cpscetec.com.br/bdcetec> Acesso em: 30 abr. 2015.

GOFFMAN, E. Manicômios, prisões e conventos. São Paulo: Perspectiva, 1974.

GUARÁ, I. M. R. É imprescindível educar integralmente. Cadernos CENPEC, São Paulo, v. 1, n. 2, p.15-24, 2006.

PARO, V. H. et al. Escola de tempo integral: desafio para o ensino público. São Paulo: Cortez; São Paulo: Autores Associados, 1988.

POLOGEORGIS, N. The effect of unpaid internships on the work force and the economy. Disponível em:

<http://www.investopedia.com/articles/economics/12/impact-of-unpaid-internships.asp>. Acesso em: 11 fev.2015.

RUIZ, T. et al. O internato rural do curso de graduação em nutrição da Universidade Federal de Viçosa, Brasil. Revista Saúde Pública, São Paulo, n. 19, p. 566-599, 1985.

SILVA, D. N.; RABINOVICH, E. P. Expectativas parentais: o internato como contexto de desenvolvimento. Revista Brasileira Crescimento Desenvolvimento Humano, n. 17(3), p. 60-71, 2007.

SOARES, A. M. D.; TAVARES, M. G. Formação profissional em ciências agrárias: as transformações no ensino e seus impactos no ensino superior. Revista Educação Agrícola Superior, São Paulo, v. 1, n. 17, jan./jun, p. 18-29, 1999.

SOBRAL, F. J. M. A formação do técnico em agropecuária no contexto da agricultura familiar do oeste catarinense. 2005. Tese, Doutorado em Educação, Campinas: UNICAMP, 2005.

SOBRAL, F. J. M. Retrospectiva histórica do ensino agrícola no Brasil. Revista Brasileira da Educação Profissional e Tecnológica. v.2, n. 2, p. 78-96, Brasília: MEC / SETEC, 2009.

THERRIEN, J; DAMASCENO, M. (Orgs). Educação e escola no campo. Campinas: Papirus, 1993.

TOZONI-REIS, M. F. C. A pesquisa e a produção de conhecimentos. In: UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA. Prograd. Caderno de formação: formação de professores – educação, cultura e desenvolvimento. v. 3. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010. p.111-147.

Downloads

Publicado

04/03/2017

Como Citar

Constantino, P., Poletine, M., & Ottoboni de Oliveira, A. C. (2017). Residência nas escolas agrícolas de ensino técnico: alternativa para a educação profissional pública no estado de São Paulo. Revista Ibero-Americana De Estudos Em Educação, 12(esp.), 832–844. https://doi.org/10.21723/riaee.v12.n2.8392

Edição

Seção

Artigos