Ensino de línguas estrangeiras e prática médica no projeto let’s go: uma perspectiva humanizada

Nildiceia Aparecida Rocha, Silke Anna Thereza Weber, Larissa Pierri Carvalho, Eduardo Fonseca

Resumo


A sociedade atual cada vez mais se caracteriza pelo trabalho cognitivo e, no contexto de globalização, a língua estrangeira (LE) é a primeira das barreiras para a inserção do indivíduo a nível nacional e internacional. Um facilitador importante do aprendizado de uma segunda língua é a introdução precoce na aprendizagem da LE (BROWN, 2001), aproveitando assim a curiosidade natural das crianças para introduzi-las na aprendizagem de uma outra língua além de sua língua materna. Para isso, o professor precisa trabalhar sua habilidade de transmitir conhecimentos de modo mais compreensível, promovendo uma capacidade essencial para o futuro médico, uma postura humanizada. Neste sentido, o presente trabalho focaliza as experiências que os médicos em sua formação acadêmica tem realizando ao atuarem como promotores da aprendizagem de língua inglesa no cotidiano de alunos do 5º ano da escola de Ensino Fundamental, junto ao Projeto de Extensão Let`s Go, que pretende despertar neles o interesse pela LE e também integrar os estudantes da Faculdade de Medicina de Botucatu com crianças de um meio social diferente para aprimorarem, assim, suas habilidades interpessoais e de comunicação. Metodologicamente, sob a orientação e supervisão de professores da área de ensino e aprendizagem de LE e da Medicina, foi desenvolvida uma apostila pelos alunos da faculdade de Medicina para promoverem aulas de inglês, uma vez por semana, para 90 alunos de três classes do 5º ano do Ensino Fundamental de duas escolas municipais. Para avaliação do curso pelos alunos, foi elaborado um questionário aplicado no início e no fim do ano letivo. Observa-se, de modo geral, pela análise do corpus (questionários) que o Projeto Let’s Go tem atingido os objetivos: promover e sensibilizar para o aprendizado de língua inglesa, além de proporcionar a interação dos alunos da Faculdade de Medicina de Botucatu com a comunidade, numa perspectiva humanizada.


Palavras-chave


Ensino de línguas estrangeiras. Prática médica. Abordagem humanizada.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. MEC. Parâmetros Curriculares nacionais: língua estrangeira / ensino fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.

BROWN, H. D. Teaching by principles: and interactive approach to language pedagogy. 2 ed. San Francisco: State University, 2001.

FINI, I. M. Proposta Curricular do Estado de São Paulo: inglês. Coord. Maria Inês Fini. – São Paulo: SEE, 2008.

OLIVEIRA, M. K. Vygotsky. Aprendizado e desenvolvimento: um processo sócio-histórico. São Paulo: Scipione, 1993.

OLIVEIRA, M. K. Teorias psicogenéticas em discussão. São Paulo: Summus, 1992.

SÃO PAULO. Proposta Curricular de Língua Estrangeira Moderna: inglês 1o grau. São Paulo, SE/Cenp, 1988.




DOI: https://doi.org/10.21723/riaee.v12.n2.9413



Direitos autorais 2017 Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação

 

Rev. Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1982-5587

DOI Prefix: 10.21723/riaee

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.