O tratamento aos mutantes como alegoria da patologização de sujeitos de gêneros não-inteligíveis: uma leitura a partir das hq dos x-men

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22633/rpge.v24i1.13058

Palavras-chave:

Gênero não-inteligível, Educação sexual, Diversidade sexual.

Resumo

As personagens das histórias em quadrinhos têm ganhado notoriedade ao se transpor ao mundo do cinema e da TV, em especial os X-men. Com grande potencial de reproduzir percepções e concepções sobre os mais variados aspectos da vida humana, as HQ têm servido como pano de fundo para reflexões sobre questões socioculturais e morais. Tendo como fonte de pesquisa as edições de 1 a 6 do arco Superdotados da revista Os Surpreendentes X-men, relacionaremos a patologização dos mutantes da HQ como alegoria à patologização de minorias sexuais, oferecendo material para reflexão e trabalho pelo respeito à diversidade sexual. Entendendo a oferta de uma cura mutante como alegoria da cura gay, desvelaremos a alegoria subjacente na condição das personagens e sua luta contra a patologização da condição de mutante relacionando à mesma situação com os ditos gêneros não-inteligíveis.

Biografia do Autor

Fábio Mahal da Silva Gonçalves, Universidade do Estado de São Paulo (UNESP)

Graduação em Letras (UNESP/FCL-Araraquara-2004), Pedagogia (Instituto Dottori - São Paulo -2016), Pós-graduando em Educação Sexual-FCL/Unesp-Araraquara.

Atuei como Professor de Língua Portuguesa na rede municipal de Araraquara (2007-2017), Professor Coordenador na Rde Municipal de Araraquara (2011-2007), Professor de Língua Portuguesa na Rede Estadual de Ensino do Estado de São Paulo (2014-2017) e atualmente exerço a função de Assistente Educacional Pedagógico junto à rede municipal de Araraquara. Fiz parte do Conselho Municipal de Educação de 2011-2017, como representante dos professores de Ensino Fundamental II e atualmente sou secretário no Conselho Municipal de Combate à Discriminação e Racismo.

Fábio Tadeu Reina, Universidade de Araraquara (Uniara), Araraquara – SP – Brasil. Universidade Estadual Paulista (Unesp), Araraquara – SP

Professor graduado em Educação Física desde o ano de 1986 ; Pedagogo com habilitação profissional em Administração e Supervisão escolar desde o ano de 1989, Mestrado e doutorado concluídos, na Universidade Estadual Júlio de Mesquita Filho (UNESP) Faculdade de Ciências e Letras Campus de Araraquara SP) no Programa de Educação Escolar, respectivamente nos anos de 2006 e 2009. Pós-doutorado concluído no ano de 2011 e realizado junto ao núcleo de Sexualidade (NUSEX), vinculado ao departamento de Psicologia da Educação da Universidade Estadual Júlio de mesquita Filho (UNESP- Campus de Araraquara).

Ranyella Cristina de Siqueira, Universidade Estadual Paulista (Unesp), Araraquara – SP

Graduada em Psicologia pela Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" - Unesp, com período de intercâmbio na Universidade de Santiago de Compostela, Espanha  e Mestre em Educação Sexual pela Faculdade de Ciências e Letras de Araraquara. Foi bolsista FAPESP com ênfase em psicologia social e filosofia com o estudo da conceituação de estigma em ressonância com o pensamento de Michel de Foucault. Estagiou como pesquisadora na área de psicanálise com o tema violência doméstica e o desenvolvimento infantil. Tem experiência de estágios na área de psicologia clínica sob abordagem psicanalítica de Freud e Lacan, tendo trabalhado com crianças e adultos na Clínica de Pesquisa e Psicologia Aplicada da Unesp. Tem experiência na área de psicologia hospitalar, tendo sido estagiária no Hospital Regional de Assis na clínica médica. Trabalhou na área de atendimento psicoterápico clínico para crianças, adolescentes e adultos na Unimed.

Marco Aurélio de Carvalho, Universidade Estadual Paulista (Unesp), Araraquara – SP

Graduado em Psicologia pela Universidade Paulista - UNIP e atualmente cursa o programa de Mestrado Profissional em Educação Sexual da Universidade Estadual Paulista- UNESP. Atualmente é conselheiro no Conselho Municipal LGBTIQ+ do município de Araraquara - SP. É membro do grupo de pesquisa em Psicanálise: Clínica, Teoria e Cultura. Atua nas áreas de Psicologia Social, Estudos de Gênero, Teoria Queer e Educação Sexual.

Referências

BEAZLEY, M.; YOUNGQUIST, J.; BRADY, M. Enciclopédia Marvel. São Paulo: Panini Comics, 2005.

BENTO, B. Na escola se aprende que a diferença faz a diferença. Rev. Estud. Fem., Florianópolis, v. 19, n. 2, ago., 2011.

BRAGA JR, A. X. Por uma sociologia da imagem desenhada: reprodução, estereótipo e actância nos quadrinhos de super-heróis da Marvel Comics. 2015. Tese (Doutorado em Sociologia) - Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2015.

BUTLER, J. Problemas de gênero. Feminismo e subversão da identidade. 14ª ed. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2017.

CAMPOS, J. X-men e a alegoria da luta dos direitos humanos dos negros e a “heroicidade” de Martin Luther King e Malcolm X. Revista Eletrônica da FEATI, v. 1, n. 12, p.190-194. Jan-jul., 2016.

CARDOSO JR, H. R. Foucault em voo rasante. In: CARVALHO, A. B. de; LIMA DA SILVA, W. C. (Orgs.). Sociologia e Educação: leituras e interpretações. São Paulo: Avercamp, 2006.

CEARÁ, A. T.; DALGALARRONDO, P. Transtornos mentais, qualidade de vida e identidade em homossexuais na maturidade e velhice. Rev. psiquiatr. clín., São Paulo: v. 37, n. 3, p. 118-123, 2010.

COENGA-OLIVEIRA, D. 'Se fosse normal, Deus teria criado Adão e Ivo!': a homofobia e a produção e regulação do sexo/gênero. 2011. 140 f. Dissertação (Mestrado) - Universidade de Brasília, Programa de Pós-graduação em Psicologia Social, do Trabalho e das Organizações, 2011.

DREYFUS, H.; RABINO, P. Em direção a uma teoria da prática discursiva. In: __________. Michel Foucault: uma trajetória filosófica. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995.

EISNER, W. Quadrinhos e arte sequencial. São Paulo: Martins Fontes; 1989.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

FOUCAULT, M. História da sexualidade I: A vontade de saber. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1985.

FOUCAULT, M. O sujeito e o poder. In: DREYFUS, H. L.; RABINOW, P. Michel Foucault: uma trajetória filosófica. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995.

FOUCAULT, M. Em defesa da sociedade: curso no Collège de France (1975-1976). (Trad. Maria Ermantina Galvão). São Paulo: Martins Fontes, 1999.

FOUCAULT, M. Poder e saber. In: MOTTA, M. B. (Org.) Estratégia, poder-saber. 2 ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2005.

FOUCAULT, M. A arqueologia do saber. (Trad. Luiz Felipe Baeta Neves). Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

HOPKINS, P. D. A Sedução do Normal: Quem não quer ser mutante? In: Irwin, W. (Org.). X-men e a filosofia: visão surpreendente e argumento fabuloso no X-universo mutante. (Trad. Marcos Malvezzi). São Paulo: Madras, 2009.

ILEA, R. A cura mutante ou mudança social: Debatendo a deficiência. In: Irwin, W. (Org.). X-men e a filosofia: visão surpreendente e argumento fabuloso no X-universo mutante. (Trad. Marcos Malvezzi). São Paulo: Madras, 2009.

MARGONARI, D. M.; BRAGA JR, A. X. O humor das tiras em quadrinhos na educação para a diversidade sexual. Revista Ibero-americana de Estudos em Educação, v. 10, p. 1603-1621, 2015.

MOISÉS, M. Dicionário de termos literários. 12. Ed. São Paulo: Cultrix, 2004.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE. Classificação de transtornos mentais e de comportamento da CID-10: descrições clínicas e diretrizes diagnosticas. Porto Alegre: Artmed, 1993.

PORCHAT, P. Psicanálise e Transexualismo: Desconstruindo gêneros e patologias com Judith Butler. Curitiba: Juruá, 2014.

PRADO, M. A. M.; MACHADO, F. V. Preconceito Contra Homossexualidades: A Hierarquia da Invisibilidade. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2012.

PRINS, B.; MEIJER, I. C. Como os corpos se tornam matéria: entrevista com Judith Butler. Rev. Estud. Fem., Florianópolis, v. 10, n. 1, p. 155-167, jan., 2002.

RAMOS, P. A leitura dos quadrinhos. São Paulo: Contexto, 2010.

SALIH, S. Judith Butler e a teoria queer. São Paulo: Editora Autêntica, 2017.

ZENI, L. Por que usar quadrinhos em sala de aula? Nona Arte: Revista Brasileira de Pesquisas em Histórias em Quadrinhos, v. 3, p. 125-129, 2014.

WHEDOW, J.; CASSADAY, J. Surpreendentes. X-Men Volume 1 – Superdotados. Panini Comics, 2008.

Publicado

06/01/2020

Como Citar

Gonçalves, F. M. da S., Reina, F. T., Siqueira, R. C. de, & Carvalho, M. A. de. (2020). O tratamento aos mutantes como alegoria da patologização de sujeitos de gêneros não-inteligíveis: uma leitura a partir das hq dos x-men. Revista on Line De Política E Gestão Educacional, 24(1), 224–246. https://doi.org/10.22633/rpge.v24i1.13058

Edição

Seção

Artigos