Sistema de Avaliação do Rendimento Escolar do Município de Marília (SAREM): uso dos resultados na política educacional

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22633/rpge.v24i3.14225

Palavras-chave:

Avaliação educacional, Avaliação de larga escala, SAREM, Gestão educacional, Formação continuada

Resumo

Estudo informa que no âmbito estadual, dos 27 estados brasileiros, 20 já possuem sistemas próprios de avaliação e 1573 municípios já têm também os seus sistemas de avaliação, sendo a maior parte criado a partir de 2005. Em 2004 o município de Marília criou o seu sistema próprio de avaliação. O objetivo deste estudo é identificar os possíveis usos dos resultados do SAREM na formulação e implementação da política educacional no município. A pesquisa foi desenvolvida em uma abordagem qualitativa e a metodologia utilizou as pesquisas bibliográfica e documental. Como resultados apresentamos que o SAREM vêm orientando a gestão desenvolvida nas escolas, influenciando a elaboração do projeto pedagógico, direcionando o trabalho do professor e difundindo uma noção restrita de qualidade para a escola pública, pois considera praticamente o desempenho dos estudantes nas avaliações de larga escala como indicador de qualidade do trabalho desenvolvido pela escola.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Claudia Pereira de Pádua Sabia, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Marília – SP

Professora Assistente no Departamento de Administração e Supervisão Escolar (DASE). Doutorado em Educação (UNESP).

Referências

AGUIAR, M. A. S. Reformas Conservadoras e a “Nova Educação”: orientações hegemônicas no MEC e no CNE. Educação & Sociedade, Campinas, v. 40, e0225329, p. 1-24, 2019.

ARELARO, L.R.G. O Ensino Fundamental no Brasil, Avanços, Perplexidades e Tendências. Educação & Sociedade, Campinas, v. 26, n. esp. 92, p. 1039-1066, out. 2005.

BAUER, A. Usos dos resultados das avaliações de sistemas educacionais: iniciativas em curso em alguns países da América. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 91, n. 228, p. 315-344, maio/ago. 2010.

BAUER, A. et al. Iniciativas de avaliação do ensino fundamental em municípios brasileiros: mapeamento e tendências. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 22, p. 1-19, out. 2017.

BODIÃO, I. S. Reflexões sobre as Ações da Sociedade Civil na Construção do PNE 2014/2024. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 41, n. 2, p. 335-358, abr./jun. 2016.

BONAMINO, A. C. Tempos de avaliação educacional: o SAEB, seus agentes, referências e tendências. Rio de Janeiro: Quartet, 2002.

BONAMINO, A. C.; FRANCO, C. Avaliação e Política Educacional: o processo de institucionalização do SAEB. In: BROOKE, N.; ALVES, M. T. G.; OLIVEIRA, L. K. M. (Org.). A Avaliação da Educação Básica: a experiência brasileira. Belo Horizonte: FinoTraço, 2015. p. 110-122.

BRASIL. INEP. Sinopse Estatística 2019. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/sinopses-estatisticas-da-educacao-basica. Acesso em: 20 jul. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei n. 13.005, de 25 de junho de 2014.Aprova o Plano Nacional de Educação e dá outras providências. Diário Oficial da União: Seção 1, Brasília, DF, p. 1, 26 jun. 2014. PL 8035/2010

BRAVO, M. H. A. Bons resultados no IDEB: estudo exploratório de fatores explicativos – o caso do município de Marília/SP. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO, 25.; CONGRESSO IBERO-AMERICANO DE POLÍTICA E ADMINISTRAÇÃO DA EDUCAÇÃO, 2., 2011, São Paulo. Anais [...]. São Paulo, SP: ANPAE, 2011. Disponível em: https://anpae.org.br/simposio2011/cdrom2011/PDFs/trabalhosCompletos/comunicacoesRelatos/0366.pdf. Acesso em: 20 jul. 2020.

DALBEN, A.; ALMEIDA, L. C.; FERRAROTO, L.; MIRANDA, A. C. Os meandros da construção de um instrumento voltado à avaliação em larga escala multidimensional. In: SORDI, M. R. L.; VARANI. A.; MENDES, G. S. C. V. (Org.) Qualidade(s) da Escola Pública – Reinventando a avaliação como Resistência. Uberlândia: Navegando, 2017. p. 187-220.

FISCHER, B. T. D. Avaliação da aprendizagem: a obsessão pelo resultado pode obscurecer a importância do processo. In: WERLE, F. O. C. (org.) Avaliação em Larga escala foco na escola. São Leopoldo: Oikos; Brasília: Líber Livro, 2010. p. 37-44.

FREITAS, I. P. Análise do Sistema de Rendimento Escolar de Marília. 2015. 133 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual Paulista (UNESP), Marília, 2015.

FREITAS, L. C. Eliminação Adiada: o ocaso das classes populares no interior da escola e a ocultação da (má) qualidade de ensino. Educação & Sociedade, Campinas, v. 28, n. esp. 100, p. 963-987, 2007.

GATTI, B. A. Avaliação de Sistemas Educacionais do Brasil. In: BROOKE, N.; ALVES, M. T. G.; OLIVEIRA, L. K. M. (Org.) A Avaliação da Educação Básica: a experiência brasileira. Belo Horizonte: Fino Traço, 2015. p. 39-45.

HORTA NETO, J. L. Um olhar Retrospectivo sobre a Avaliação Externa no Brasil: das primeiras medições em educação até o SAE de 2005. In: BROOKE, N.; ALVES, M. T. G.; OLIVEIRA, L. K. M. (Org.). A Avaliação da Educação Básica: a experiência brasileira. Belo Horizonte: Fino Traço, 2015. p. 102-109.

LEHER, R. Organização, Estratégia política e o Plano Nacional de Educação. Exposição apresentada no curso de especialização do MST, organizado no Coletivo CANDEEIRO e o Cento de estudo, Pesquisa e Ação em Educação Popular _ CENPAEP. São Paulo: Faculdade de Educação da USP, 2014. Disponível em: http://marxismo21.org/wp-content/uplooooads/2014/08/R-Leher-EstratC3%a9gia-Pol%C3%ADtica-%e-Plano-Nacional-Educa%C3%A7%C3%. Acesso em: 20 jul. 2020.

MACHADO, C.; ALAVARSE, O. M. Qualidade das E: tensões e possibilidades das avaliações externas. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 39, n. 2, p. 413-436, abr./jun. 2014.

MARILIA. Lei 6.183, de 11 de janeiro de 2005. Aprova o Plano Municipal de Educação. Disponível em:

http://sapl.marilia.sp.leg.br/consultas/norma_juridica/norma_juridica_mostrar_proc?cod_norma=6200. Acesso em: 15 jul. 2020.

MARÍLIA. Lei n. 7.824 de 23 de junho de junho de 2015. Aprova o Plano Municipal de Educação. Marília, SP: Secretaria Municipal da Administração, 11 jan. 2005. Disponível em:

http://sapl.marilia.sp.leg.br/consultas/norma_juridica/norma_juridica_mostrar_proc?cod_norma=21617. Acesso em: 20 jul. 2020.

MARÍLIA. Lei n. 8.355, de 21 de fevereiro de 2019. Aprova o Relatório Final de Monitoramento e Avaliação do Plano Municipal de Educação - PME (2015). Marília, SP: Secretaria Municipal da Administração, 21 fev. 2019. Disponível em:

http://sapl.marilia.sp.leg.br/consultas/norma_juridica/norma_juridica_mostrar_proc?cod_norma=38688. Acesso em: 20 jul. 2020.

MAZZINI, M. C. C. A Precarização do Trabalho das Professoras da Rede Municipal de Educação de Marília/SP. Dissertação (Mestrado em Educação). 143f. Universidade Estadual Paulista, Marília, 2017.

MILITÃO, S. C. N. O Processo de municipalização do ensino no Estado de São Paulo: uma análise do seu desenvolvimento na região de governo de Marília. 2007. 219 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Estadual Paulista, Marília, 2007.

PINTO, J. M. R. Financiamento da educação no brasil: um balanço do governo FHC (1995-2002). Educação e Sociedade, Campinas, v. 23, n. 80, p. 108-135, set. 2002. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0101-73302002008000008.

SORDI, M. R. L. A qualidade social da escola pública em confronto com a lógica dos reformadores empresariais. In: SORDI, M. R. L.; VARANI. A.; MENDES, G. S. C. V. (Org.) Qualidade(s) da Escola Pública – Reinventando a avaliação como Resistência. Uberlândia: Navegando, 2017. p. 83-100.

SOUSA, S. Z.; PIMENTA, C. O.; MACHADO, C. Avaliação e Gestão Municipal da Educação. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 23, n. 53, p. 14-36, set./dez. 2012.

TORRES, R. M. Educação para todos: a tarefa por fazer. Porto Alegre: Artmed, 2001.

WERLE, F. O. C. (Org.) Avaliação em larga escala foco na escola. São Leopoldo: Oikos; Brasília: Líber Livro, 2010.

Publicado

01/09/2020

Como Citar

SABIA, C. P. de P. Sistema de Avaliação do Rendimento Escolar do Município de Marília (SAREM): uso dos resultados na política educacional. Revista on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, v. 24, n. 3, p. 1387–1407, 2020. DOI: 10.22633/rpge.v24i3.14225. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/rpge/article/view/14225. Acesso em: 25 fev. 2024.

Edição

Seção

Artigos