Sistema de Avaliação do Rendimento Escolar do Município de Marília (SAREM): uso dos resultados na política educacional

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22633/rpge.v24i3.14225

Palavras-chave:

Avaliação educacional, Avaliação de larga escala, SAREM, Gestão educacional, Formação continuada

Resumo

Estudo informa que no âmbito estadual, dos 27 estados brasileiros, 20 já possuem sistemas próprios de avaliação e 1573 municípios já têm também os seus sistemas de avaliação, sendo a maior parte criado a partir de 2005. Em 2004 o município de Marília criou o seu sistema próprio de avaliação. O objetivo deste estudo é identificar os possíveis usos dos resultados do SAREM na formulação e implementação da política educacional no município. A pesquisa foi desenvolvida em uma abordagem qualitativa e a metodologia utilizou as pesquisas bibliográfica e documental. Como resultados apresentamos que o SAREM vêm orientando a gestão desenvolvida nas escolas, influenciando a elaboração do projeto pedagógico, direcionando o trabalho do professor e difundindo uma noção restrita de qualidade para a escola pública, pois considera praticamente o desempenho dos estudantes nas avaliações de larga escala como indicador de qualidade do trabalho desenvolvido pela escola.

Biografia do Autor

Claudia Pereira de Pádua Sabia, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Marília – SP

Professora Assistente no Departamento de Administração e Supervisão Escolar (DASE). Doutorado em Educação (UNESP).

Referências

AGUIAR, M. A. S. Reformas Conservadoras e a “Nova Educação”: orientações hegemônicas no MEC e no CNE. Educação & Sociedade, Campinas, v. 40, e0225329, p. 1-24, 2019.

ARELARO, L.R.G. O Ensino Fundamental no Brasil, Avanços, Perplexidades e Tendências. Educação & Sociedade, Campinas, v. 26, n. esp. 92, p. 1039-1066, out. 2005.

BAUER, A. Usos dos resultados das avaliações de sistemas educacionais: iniciativas em curso em alguns países da América. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 91, n. 228, p. 315-344, maio/ago. 2010.

BAUER, A. et al. Iniciativas de avaliação do ensino fundamental em municípios brasileiros: mapeamento e tendências. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 22, p. 1-19, out. 2017.

BODIÃO, I. S. Reflexões sobre as Ações da Sociedade Civil na Construção do PNE 2014/2024. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 41, n. 2, p. 335-358, abr./jun. 2016.

BONAMINO, A. C. Tempos de avaliação educacional: o SAEB, seus agentes, referências e tendências. Rio de Janeiro: Quartet, 2002.

BONAMINO, A. C.; FRANCO, C. Avaliação e Política Educacional: o processo de institucionalização do SAEB. In: BROOKE, N.; ALVES, M. T. G.; OLIVEIRA, L. K. M. (Org.). A Avaliação da Educação Básica: a experiência brasileira. Belo Horizonte: FinoTraço, 2015. p. 110-122.

BRASIL. INEP. Sinopse Estatística 2019. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/sinopses-estatisticas-da-educacao-basica. Acesso em: 20 jul. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei n. 13.005, de 25 de junho de 2014.Aprova o Plano Nacional de Educação e dá outras providências. Diário Oficial da União: Seção 1, Brasília, DF, p. 1, 26 jun. 2014. PL 8035/2010

BRAVO, M. H. A. Bons resultados no IDEB: estudo exploratório de fatores explicativos – o caso do município de Marília/SP. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO, 25.; CONGRESSO IBERO-AMERICANO DE POLÍTICA E ADMINISTRAÇÃO DA EDUCAÇÃO, 2., 2011, São Paulo. Anais [...]. São Paulo, SP: ANPAE, 2011. Disponível em: https://anpae.org.br/simposio2011/cdrom2011/PDFs/trabalhosCompletos/comunicacoesRelatos/0366.pdf. Acesso em: 20 jul. 2020.

DALBEN, A.; ALMEIDA, L. C.; FERRAROTO, L.; MIRANDA, A. C. Os meandros da construção de um instrumento voltado à avaliação em larga escala multidimensional. In: SORDI, M. R. L.; VARANI. A.; MENDES, G. S. C. V. (Org.) Qualidade(s) da Escola Pública – Reinventando a avaliação como Resistência. Uberlândia: Navegando, 2017. p. 187-220.

FISCHER, B. T. D. Avaliação da aprendizagem: a obsessão pelo resultado pode obscurecer a importância do processo. In: WERLE, F. O. C. (org.) Avaliação em Larga escala foco na escola. São Leopoldo: Oikos; Brasília: Líber Livro, 2010. p. 37-44.

FREITAS, I. P. Análise do Sistema de Rendimento Escolar de Marília. 2015. 133 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual Paulista (UNESP), Marília, 2015.

FREITAS, L. C. Eliminação Adiada: o ocaso das classes populares no interior da escola e a ocultação da (má) qualidade de ensino. Educação & Sociedade, Campinas, v. 28, n. esp. 100, p. 963-987, 2007.

GATTI, B. A. Avaliação de Sistemas Educacionais do Brasil. In: BROOKE, N.; ALVES, M. T. G.; OLIVEIRA, L. K. M. (Org.) A Avaliação da Educação Básica: a experiência brasileira. Belo Horizonte: Fino Traço, 2015. p. 39-45.

HORTA NETO, J. L. Um olhar Retrospectivo sobre a Avaliação Externa no Brasil: das primeiras medições em educação até o SAE de 2005. In: BROOKE, N.; ALVES, M. T. G.; OLIVEIRA, L. K. M. (Org.). A Avaliação da Educação Básica: a experiência brasileira. Belo Horizonte: Fino Traço, 2015. p. 102-109.

LEHER, R. Organização, Estratégia política e o Plano Nacional de Educação. Exposição apresentada no curso de especialização do MST, organizado no Coletivo CANDEEIRO e o Cento de estudo, Pesquisa e Ação em Educação Popular _ CENPAEP. São Paulo: Faculdade de Educação da USP, 2014. Disponível em: http://marxismo21.org/wp-content/uplooooads/2014/08/R-Leher-EstratC3%a9gia-Pol%C3%ADtica-%e-Plano-Nacional-Educa%C3%A7%C3%. Acesso em: 20 jul. 2020.

MACHADO, C.; ALAVARSE, O. M. Qualidade das E: tensões e possibilidades das avaliações externas. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 39, n. 2, p. 413-436, abr./jun. 2014.

MARILIA. Lei 6.183, de 11 de janeiro de 2005. Aprova o Plano Municipal de Educação. Disponível em:

http://sapl.marilia.sp.leg.br/consultas/norma_juridica/norma_juridica_mostrar_proc?cod_norma=6200. Acesso em: 15 jul. 2020.

MARÍLIA. Lei n. 7.824 de 23 de junho de junho de 2015. Aprova o Plano Municipal de Educação. Marília, SP: Secretaria Municipal da Administração, 11 jan. 2005. Disponível em:

http://sapl.marilia.sp.leg.br/consultas/norma_juridica/norma_juridica_mostrar_proc?cod_norma=21617. Acesso em: 20 jul. 2020.

MARÍLIA. Lei n. 8.355, de 21 de fevereiro de 2019. Aprova o Relatório Final de Monitoramento e Avaliação do Plano Municipal de Educação - PME (2015). Marília, SP: Secretaria Municipal da Administração, 21 fev. 2019. Disponível em:

http://sapl.marilia.sp.leg.br/consultas/norma_juridica/norma_juridica_mostrar_proc?cod_norma=38688. Acesso em: 20 jul. 2020.

MAZZINI, M. C. C. A Precarização do Trabalho das Professoras da Rede Municipal de Educação de Marília/SP. Dissertação (Mestrado em Educação). 143f. Universidade Estadual Paulista, Marília, 2017.

MILITÃO, S. C. N. O Processo de municipalização do ensino no Estado de São Paulo: uma análise do seu desenvolvimento na região de governo de Marília. 2007. 219 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Estadual Paulista, Marília, 2007.

PINTO, J. M. R. Financiamento da educação no brasil: um balanço do governo FHC (1995-2002). Educação e Sociedade, Campinas, v. 23, n. 80, p. 108-135, set. 2002. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0101-73302002008000008.

SORDI, M. R. L. A qualidade social da escola pública em confronto com a lógica dos reformadores empresariais. In: SORDI, M. R. L.; VARANI. A.; MENDES, G. S. C. V. (Org.) Qualidade(s) da Escola Pública – Reinventando a avaliação como Resistência. Uberlândia: Navegando, 2017. p. 83-100.

SOUSA, S. Z.; PIMENTA, C. O.; MACHADO, C. Avaliação e Gestão Municipal da Educação. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 23, n. 53, p. 14-36, set./dez. 2012.

TORRES, R. M. Educação para todos: a tarefa por fazer. Porto Alegre: Artmed, 2001.

WERLE, F. O. C. (Org.) Avaliação em larga escala foco na escola. São Leopoldo: Oikos; Brasília: Líber Livro, 2010.

Downloads

Publicado

01/09/2020

Como Citar

Sabia, C. P. de P. (2020). Sistema de Avaliação do Rendimento Escolar do Município de Marília (SAREM): uso dos resultados na política educacional. Revista on Line De Política E Gestão Educacional, 24(3), 1387–1407. https://doi.org/10.22633/rpge.v24i3.14225