A curiosidade denegada: quando a infância negligenciada favorece o risco ao abuso sexual

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22633/rpge.v24iesp3.14275

Palavras-chave:

Educação, Sexualidade, Infância, Violência, Enfrentamento.

Resumo

Para o presente trabalho adotamos a metodologia de análise a partir de bibliografia sobre o abuso sexual infantil, tema que encerra em si mesmo a ambivalência de ser tabu e urgente. Tabu, por ser proibido e cercado de segredos, discriminação, preconceito e urgente, pois se faz necessária a disponibilização de espaços adequados, éticos e cientificamente respaldados, dada a crescente e acentuada ocorrência deste modo de violação e violência contra a infância. Temos por objetivo analisar a importância de uma Educação Sexual infantil e que, seu trabalho na educação escolar se alie como dispositivo legitimado e socialmente responsável como contribuição ao enfrentamento do abuso sexual infantil.

Biografia do Autor

Artur Augusto Fernandes Leão Neto, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Araraquara – SP

Mestrando no Programa de Pós-graduação em Educação Sexual. Pesquisador do NuSex (Núcleo de Estudos em Sexualidade).

Jéssica da Costa Jacinto, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Araraquara – SP

Mestranda Mestrando no Programa de Pós-graduação em Educação Sexual. Membro Grupo de Pesquisa em Educação e Diversidade (GPED/UNESPAR). Diretora voluntaria e fundadora da ONG Núbia Rafaela Nogueira. Bolsista FAPESP.

Ricardo Desidério da Silva, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Araraquara – SP

Docente no Programa de Pós-graduação em Educação Sexual, Pesquisador nos Grupos Sexualidade Vida/USP-CNPq, EDUSEX-Formação de Educadores e Educação Sexual (UDESC) e Grupo de pesquisa sobre educação e sexualidade- GEPEX (UNIOESTE). Doutorado em Educação Escolar (UNESP).

Referências

AUGUSTINI, E. R. N.; ROSSI, C. R. A percepção do corpo feminino e masculino através do olhar das crianças: uma experiência em sala de aula. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, p. 1623-1640, jan. 2016. ISSN 1982-5587. DOI: https://doi.org/10.21723/riaee.v10i6.8340

BRASIL. Constituição, 1988. Constituição: República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, 1988.

BRASIL. Decreto Presidencial n. 99.710/90. Convenção Internacional sobre os Direitos da Criança, aprovada pela Assembleia Geral das Nações Unidas. Artigo 27. 1. Os Estados Partes reconhecem o direito de toda criança a um nível de vida adequado ao seu desenvolvimento físico, mental, espiritual, moral e social. 1990.

BRASIL. Lei n. 8.069, de 13 de julho de 1990. Estatuto da Criança e do adolescente. Diário Oficial da União: Seção 1, Brasília, DF, p. 13563, 16 jul. 1990. PL 5172/1990

BUTLER, J. Corpos que importam: os limites discursivos do “sexo”. Trad. Verônica Daminelli e Daniel Yago Françoli. São Paulo: n-1 edições; Crocodilo Edições, 2019.

BUTLER, J. Problemas de gênero: Feminismo e Subversão da Identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

FERNANDES, K. N. N.; REINA, F. T.; MOKWA, V. M. N. F. A música na sala de aula: reflexões sobre sexualidade na educação básica. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, p. 1661-1672, jan. 2016. ISSN 1982-5587. DOI: https://doi.org/10.21723/riaee.v10i6.8342

FOUCAULT, M. A história da sexualidade I: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal, 1998.

GRAÇA, R. Performatividade e política em Judith Butler: corpo, línguagem e reivindicação de direitos. Revista Perspectiva Filosófica, Recife, v. 43, n. 1, set. 2016. ISSN 2357-9986. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/perspectivafilosofica/article/view/230291. Acesso em: 9 fev. 2020.

LUCIFORA, C. A. et al. Marcas sociais de nossos tempos: gênero, sexualidade e educação em âmbito escolar. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, p. 1395-1409, jun., 2019. ISSN 1982-5587. DOI: https://doi.org/10.21723/riaee.v14iesp.2.12607

MAIA, A. C. B.; MAIA, A. F. (Org.). Caderno CECEMCA-Unesp, Bauru, v. 1, 2005. ISBN: 85-99703-01-3.

MEDEIROS, J. B. Redação cientifica: a prática de fichamentos, resumos, resenhas. São Paulo: Atlas, 2000.

MINAYO, M. C. S. (Org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis, RJ: Vozes, 2003.

ONU. Organização das Nações Unidas. Declaração dos Direitos Humanos. 1948.

RIBEIRO, P. R. M.; MONTEIRO, S. A. S. Avanços e retrocessos da educação sexual no Brasil: apontamentos a partir da eleição presidencial de 2018. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, p. 1254-1264, jun., 2019. ISSN 1982-5587. DOI: https://doi.org/10.21723/riaee.v14iesp.2.12701

SANTOS, B. R. Guia escolar: identificação de sinais de abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes. Seropédica, RJ: EDUR, 2011.

ZOCCA, A. R. et al. Percepções de adolescentes sobre sexualidade e educação sexual. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, p. 1463-1476, jan. 2016. ISSN 1982-5587. DOI: https://doi.org/10.21723/riaee.v10i6.8331

Publicado

28/12/2020

Como Citar

Leão Neto, A. A. F., Jacinto, J. da C., & Silva, R. D. da. (2020). A curiosidade denegada: quando a infância negligenciada favorece o risco ao abuso sexual. Revista on Line De Política E Gestão Educacional, 24(esp3), 1713–1726. https://doi.org/10.22633/rpge.v24iesp3.14275