As contribuições da psicopedagogia no ambiente institucional de educação de jovens e adultos e os fatores condicionantes dessa aprendizagem

Autores

  • Anaisa Alves de Moura Mestre em Ciências da Educação - ULHT – Lisboa/Portugal (2016). Atua na Educação a Distância - Faculdades INTAEAD desde 2012.
  • Antônio Diego Dantas Cavalcante
  • Adriana Pinto Martins

DOI:

https://doi.org/10.22633/rpge.v21.n1.2017.9897

Palavras-chave:

Aprendizagem de adultos. Psicopedagogia institucional. Aprendente. Ensinante.

Resumo

Esta pesquisa tem como objetivo principal analisar quais os fatores que influenciam na aprendizagem de adultos e quais as contribuições na visão psicopedagógica para este público. Tomou-se como referencial para compor os alicerces deste trabalho a visão de alguns dos mais célebres teóricos como: Vygotsky (1995), Freire (2005), Henry Wallon (1990), Paraguassu (2014), Silva (2009), Zago (2008), Souza (2014), Arroyo (2007), Alícia Fernàndez (1991), Sara Paín (1985), LDB 9394/96, entre outros, dos quais podemos constatar reflexões distintas ao apresentarem suas visões acerca do assunto abordado. Trata-se de uma pesquisa exploratória de caráter básica e de natureza quantiqualitativa. Para além desse tipo de investigação, foi feito um estudo documental, bibliográfico e de campo. Fizeram parte da pesquisa a Escola de Ensino Fundamental Antenor Naspolini e quatro turmas que concluíram o curso no ano letivo de 2015. EJA I, II, III e IV, perfazendo um total de 105 participantes. A análise dos dados foi feita por meio de um questionário elaborado com base no documento “Critérios de Classificação Econômica do Brasil – ABEP - Associação Brasileira de Empresas e Pesquisas – 01/2015. Nesta pesquisa foi verificado que ainda há professores resistentes à apropriação de novos métodos pedagógicos, dificultando dessa forma o desempenho escolar do aluno. Todavia, a grande maioria tem acompanhado as mudanças desse processo no qual a valorização das experiências e a exposição do senso crítico do aluno tornam-se mais relevante, por que o sujeito dessa aprendizagem possui um saber que o sustenta, um saber que é produto de sua busca pelo conhecimento, pelo aprender.

Biografia do Autor

Anaisa Alves de Moura, Mestre em Ciências da Educação - ULHT – Lisboa/Portugal (2016). Atua na Educação a Distância - Faculdades INTAEAD desde 2012.

Mestre em Ciências da Educação - ULHT – Lisboa/Portugal (2016). Atualmente integra um Grupo de Pesquisa do CNPq: Grupo de Estudos e Pesquisas Autobiográficas (GEPAS), da Universidade Estadual Vale do Acaraú. Vinculada a CAPES pelo Programa PARFOR desde 2012 como professora pesquisadora e atua na Educação a Distância - Faculdades INTAEAD desde 2012. E-mail: anaisa1000@hotmail.com

Referências

ALMEIDA, José Luís Vieira de. Os fundamentos ontológicos da didática: a mediação compreendida a partir da ontologia do ser social. Revista on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, v.20, n.3, p. 514-527, 2016. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.22633/rpge.v20.n3.9757>. ISSN: 1519-9029.

AMORIM, Benjamim da Silva. As contribuições da ACP ao saber psicopedagógico Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara/SP, v. 11, n. esp. 3, p.1745-1760, 2016. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.21723/riaee.v11.n.esp3.9077>. E-ISSN: 1982-5587.

ANJOS, André Gustavo Cosme dos. Educação de Jovens e Adultos: A Formação do Processo Prático-Educativo e sua importância no ensino-aprendizagem. 2011. Disponível em: http://br.monografias.com/trabalhos3/educacao-jovens/educacao jovens2.shtml. Acesso em: Jan. 2015.

ANTONACOPOLOU, E. P.; GABRIEL, Y. Emotion, learning and organizational change: towards an integration of psyco-analytic and other perspective. Journal of organizational change, v. 14, n5, p.435-451, 2001.

ARROYO, M. Educação de Jovens e Adultos: um campo de direitos e de responsabilidade pública. In: GIOVANETTI, Maria Amélia, GOMES, Nilma Lino e SOARES, Leôncio (Orgs.). Diálogos na Educação de Jovens e Adultos. Belo Horizonte, MG: Autêntica, 2007, p.19-50.

BRASIL. Trabalhando com a educação de jovens e adultos: alunos e alunas da EJA: Caderno 1. Brasília, 2006. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/secad/arquivos/pdf/eja_caderno1.pdf. Acesso em: 10 jun. 2015.

BRASIL. Leis, decretos, etc.. Lei n. 9394/96, Lei de Diretrizes e Bases da Educação. Disponível em: http://www.mec.gov.br. Acesso em: 10 maio. 2015.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação de Jovens e Adultos. Resolução CNE/CEB nº. 1, de 05 de julho de 2000.

FERRARI, Shirley Costa e AMARAL, Suely. O aluno de EJA: jovem ou adolescente? (2012) Disponível em: http://www.cereja.org.br/pdf/revista_v/revista_shirleycostaferra.pdf Acesso em: Abr. 2015.

FERNÀNDEZ, Alicia. A inteligência aprisionada. Porto Alegre: ArtMed, 1991.

FONSECA, J. J. S. Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UECE, 2002. Apostila.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa, 6ª Ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. São Paulo: UNESP, 2005. Disponível em: www.4shared.com. Acesso em 1º maio. 2015.

GERVILLA, H. (1995). Principales modelos educativos. In. Gervilla, H & Moral, J.L. (org). Pedagogía para la animación – elementos teóricos-prácticos. (pp. 91- 154). Madrid: Editorial CCS.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2010.

GOHN, Maria da Glória Marcondes. Educação não-formal e cultura política: impactos sobre o associativismo do terceiro setor. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2005.

HADDAD. S. A ação de governos locais na educação de jovens e adultos. Revista Brasileira de educação, São Paulo, v 12, n 35, mai-ago, 2007.

HADDAD, S.; DI PIERRO, M.C. Escolarização de jovens e adultos. Revista Brasileira de Educação, São Paulo, n.14, p. 108-130, maio/ago. 2000. In: Revista on line de Política e Gestão Educacional. n. 17, 2014. Disponível em: http://seer.fclar.unesp.br/rpge/article/view/9368

KNOWLES, M. S, HOLTON, E. F. & SWANSON, R. A. The adult learner: The definitive classic in adult education and human resource development - 7th edition. London: Elsevier. 2011.

LIMA, M; Simões, A & Tavares, J.(1997). Percepção da capacidade de aprender ao longo do ciclo da vida – O caso dos adultos e idosos. Revista Portuguesa de Pedagogia. Ano XXXI-1,2,e3. Coimbra: Ediliber.

LOPES, Silva Paraguassu; SOUZA, Luza Sousa. EJA: Uma educação possível ou mera utopia? (2014). Disponível em: http://www.cereja.org.br/pdf/revista-_v/Revista_SelvaPLopes.pdf. Acesso em: 27 ago. 2015.

MARCONI, M. A. LAKATOS, E. M. Técnicas de pesquisa: planejamento e execução de pesquisas, amostragens e técnicas de pesquisas, elaboração, análise e interpretação dedados. 6. Ed. 3. Reimpr. São Paulo: Atlas, 2007.

MORIN, Edgar. A cabeça bem feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003.

PAÍN, Sara. Diagnóstico e tratamento dos problemas de aprendizagem. Porto Alegre: Artes Médicas, 1985.

REIS, Fernanda; MOURA, Taís Aparecida de. Reflexões sobre as Políticas Educacionais voltadas para todos aqueles que não tiveram acesso à educação na idade própria. Revista on line de Política e Gestão Educacional. v. 17, 2014. Disponível em: http://seer.fclar.unesp.br/rpge/article/view/9368/6219 ISSN: 1519-9029.

SANTOS, Santa Marli Pires dos. O lúdico na formação do educador. 6ª Ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1997.

SANTOS FILHO, J. C. Pesquisa quantitativa versus pesquisa qualitativa: o desafio paradigmático. In: SANTOS FILHO, J. C.; GAMBOA, S. S. (Orgs.). Pesquisa educacional: quantidade-qualidade. 3.ed. São Paulo: Cortez, p.13-59, 2007. (Coleção Questões da Nossa Época – v.42).

SCOZ, B. Psicopedagogia e realidade escolar: o problema escolar e de aprendizagem. 16°. Ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

SOARES, Leôncio. Educação de Jovens e Adultos. Rio de Janeiro: DP&A, 2014.

SILVA, Maria Cecília Almeida e. Psicopedagogia: em busca de uma fundamentação teórica. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2009.

SILVA, Simone Gonçalves et al. Políticas educacionais: aproximações entre ensino médio, EJA e educação profissional. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v.12, n.1, p. 283, 2017. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.21723/riaee.v12.n1.8250>. E-ISSN: 1982-5587.

SILVA, Simone Gonçalves et al. Políticas educacionais: aproximações entre ensino médio, EJA e educação profissional. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v.12, n.1, p. 290, 2017. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.21723/riaee.v12.n1.8250>. E-ISSN: 1982-5587.

VYGOTSKY, L.S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. 4 ed. São Paulo: Martins Fontes, 1995.

WALLON, H. Les mileux, les groupes et la psychogenèse de l’enfant. Enfance, Paris, (3-4): 287-296, mai-oct., 1990, (1aed., 1990).

ZAGO, Nadir (Orgs.). Família e escola: trajetórias de escolarização em camadas médias e populares: As contradições da obrigatoriedade escolar. 2ed. Petrópolis: Vozes, 2008.

Downloads

Publicado

15/01/2017

Como Citar

Moura, A. A. de, Cavalcante, A. D. D., & Martins, A. P. (2017). As contribuições da psicopedagogia no ambiente institucional de educação de jovens e adultos e os fatores condicionantes dessa aprendizagem. Revista on Line De Política E Gestão Educacional, 259–277. https://doi.org/10.22633/rpge.v21.n1.2017.9897

Edição

Seção

Artigos