A prática de professores da Educação Infantil como ação preventiva da violência sexual de crianças

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22633/rpge.v24iesp3.14468

Palavras-chave:

Educação sexual, Educação infantil

Resumo

O presente artigo tem como objetivo refletir sobre a prática docente para o combate ao abuso e a exploração sexual de crianças, através das experiências obtidas no projeto de extensão e das ações pedagógicas ocorridas nos Centros de Educação Infantil públicas de Sobral – CE. Como abordagem metodológica, utilizamos a qualitativa. Para o aprofundamento teórico recorremos aos estudos de Caroline Arcari (2013), Rosemberg (1985), Bem e Wagner (2006), Werebe (1970), Ribeiro (1990), Maia e Ribeiro (2011), que discutem sobre Educação Sexual e violação de direito das Crianças e dos Adolescentes. Como resultado, apontamos a importância da formação de professores para a prevenção ao abuso sexual de crianças e da relevância de planejar suas ações pedagógicas nesta perspectiva, e proporcionar palestras para as famílias dos alunos como esclarecimento quanto à valorização familiar e à proteção e garantia de direito das crianças.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Márcia Cristiane Ferreira Mendes, Universidade Estadual do Ceará (UECE), Fortaleza – CE

Doutoranda no Programa de Pós-graduação em Educação. Membro do Grupo de Pesquisa: Prática, Memória e Oralidade.

Anaisa Alves de Moura, Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias (ULHT), Lisboa

Doutoranda em Ciências da Educação e Professora pesquisadora pela CAPES – Formação de Professores para a Educação Básica (PARFOR).

Maria da Paz Arruda Aragão, Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias (ULHT), Lisboa

Mestranda em Educação e Membro do programa PARFOR/CAPES/UVA como Professor Pesquisador II do Plano Nacional de Articulação e Formação de Professor da Educação Básica.

Referências

ARCARI, C. Pipo e fifi. São Paulo: Instituto Cores, 2013.

ARCARI, C. Caderno de atividades. São Paulo: Instituto Cores, 2013.

ARCARI, C. Guia para pais e educadores: como trabalhar o livro em espaços educativos. São Paulo: Cores, 2015.

BARROSO, L. M.; BRUSCHINI, M. C. A. Educação sexual: debate aberto. Petrópolis, RJ: Vozes, 1986.

BEM, L.; WAGNER, A. Reflexões sobre a construção da parentalidade e o uso de estratégias educativas em famílias de baixo nível socioeconômico. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 11, n. 1, p. 63-71. 2006. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-73722006000100008

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União: Seção 1, Brasília, DF, n. 248, p. 27833, 23 dez. 1996.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/abase/#fundamental/lingua-portuguesa-no-ensino-fundamental-anos-finais-praticas-de-linguagem-objetos-de-conhecimento-e-habilidades. Acesso em: 14 out. 2020.

BRASIL. Lei n. 8.069, de 13 de Julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente, e dá outras providências. Diário Oficial da União: Seção 1, Brasília, DF, p. 13563, 16 jul. 1990.

FERREIRA, M. H. M.; AZAMBUJA, M. R. F. Violência sexual contra crianças e adolescentes. Porto Alegre: Artmed, 2011.

LA TAILLE, Y. Limites: três dimensões educacionais. São Paulo: Ática,1999.

LESSA, C. B.; MAYOR, A. S. A Dificuldade na Promoção de Medidas Preventivas Contra o Abuso Sexual Infantil nas Escolas. Persp. Online: hum & sociais aplicada, Campos dos Goytacazes, v. 25, n. 9, p. 61-78, 2019.

MAIA, A. C. B.; RIBEIRO, P. R. M. Educação sexual: princípios para ação. Doxa: Revista Paulista de Psicologia e Educação, Araraquara, v. 15, n. 1, p. 75-84, 2011. ISSN 1413-2060. Disponível em: https://www.academia.edu/12736279/Educa%C3%A7%C3%A3o_Sexual_princ%C3%ADpios_para_a%C3%A7%C3%A3o. Acesso em: 10 out. 2020.

RIBEIRO, M. Educação sexual e metodologia. Reprolatina institucional. São Paulo: EPU, 1990. Disponível em: http://www.reprolatina.institucional.ws/site/respositorio/materiais_apoio/textos_de_apoio/Educacao_Sexual.pdf. Acesso em: 9 out. 2020.

RIBEIRO, P. R. M.; MONTEIRO, S. A. S. Avanços e retrocessos da educação sexual no Brasil: apontamentos a partir da eleição presidencial de 2018. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, p. 1254-1264, jun., 2019. ISSN 1982-5587. DOI: https://doi.org/10.21723/riaee.v14iesp.2.12701

ROSEMBERG, F. Educação sexual na escola. Caderno de Pesquisa, São Paulo, n. 53, p. 11-19, maio 1985. Disponível em: https://dialnet.unirioja.es/descarga/articulo/6135829.pdf. Acesso em: 9 out. 2020.

SCHRAIBER, L. B. L. et al. Prevalência da violência contra a mulher por parceiro íntimo em regiões do Brasil. Rev Saúde Pública, São Paulo, v. 41, n. 5, p. 797-807, 2007. ISSN 1518-8787. 2007. DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-89102007000500014

WEREBE, M. J. G. Implantação da Educação Sexual no Brasil. Cadernos de Pesquisa, n. 26, p. 21-34, 1970. Fundação Carlos Chagas. 1970. Disponível em: http://www.ijsn.es.gov.br/ConteudoDigital/20180709_cadernosdepesquisa_n.26_set1978_p.21_34_.pdf. Acesso em: 9 out. 2020.

Publicado

30/09/2020

Como Citar

MENDES, M. C. F.; MOURA, A. A. de; ARAGÃO, M. da P. A. A prática de professores da Educação Infantil como ação preventiva da violência sexual de crianças. Revista on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, v. 24, n. esp3, p. 1900–1914, 2020. DOI: 10.22633/rpge.v24iesp3.14468. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/rpge/article/view/14468. Acesso em: 12 abr. 2021.