Quando a violência virtual nos atinge: os programas de educação para a superação do cyberbullying e outras agressões virtuais

Thais Cristina Leite Bozza, Telma Pileggi Vinha

Resumo


A presente pesquisa bibliográfica, do tipo Estado da Arte, teve como objetivo descrever e analisar programas educativos que visam a prevenção e redução da cyber agressão. A princípio utilizamos as bases de dados Scielo, Bvs, Eric, Apa Pshyc Net e Bireme, para buscar artigos científicos publicados em periódicos, no período de 2000 a 2015; contudo, a partir do critério de selecionarmos somente os estudos empíricos que continham informações suficientes sobre os programas, foi encontrado um número reduzido de artigos. Ampliamos nossas buscas e selecionamos 19 fontes, que foram utilizadas para descrever 5 programas educativos: PRIRES, CYBERTRAINIG, KIVA, CONRED E BEATBULLYING. Os programas foram descritos a partir das categorias: objetivo, referenciais teóricos, características, conteúdos, atividades e avaliação; e analisados à luz da perspectiva construtivista, visando identificar se as práticas são favoráveis ao desenvolvimento da autorregulação moral dos alunos. Os resultados obtidos indicam que o programa PRIRES foi o que mais atendeu aos nossos critérios de análise. Acreditamos na relevância da presente investigação, uma vez que apresentamos as características das diversas facetas da agressão virtual, bem como analisamos as intervenções educativas presentes na literatura para prevenir e reduzir a incidência destes problemas, trazendo implicações que podem embasar ações futuras nas escolas brasileiras. 

Palavras-chave


Agressão virtual. Cyberbullying. Educação. Prevenção.

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, U. F. Um estudo da relação entre o "ambiente cooperativo" e o julgamento moral na criança. Campinas, 1993. Dissertação de Mestrado, Faculdade de Educação da UNICAMP.

AVILÉS MARTÍNEZ, J. M. Proyecto Antibullying: Prevencion del bullying e cyberbullying em la comunidad educativa. Madrid: editorial CEPE, 2015.

BANERJEE, R., ROBINSON, C. AND SMALLEY, D. Evaluation of the Beatbullying peer mentoring programme. Brighton: University of Sussex and University of Brighton. 2010. Disponível em: . Acesso em: 27 fev. 2017.

BOZZA, T. C. L; VINHA, T. P. Quando a violência virtual nos atinge: os programas de educação para a superação do cyberbullying e outras agressões virtuais. Revista Iberoamericana.

GRIGG, D. W. Cyber-Aggression: Definition and Concept of Cyberbullying. Australian Journal of Guidance & Counselling. v. 20, n. 2, p. 143–156, 2010.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e estatística. PNAD - Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - 2014. [online]. Disponível em: Acesso em: 09 nov. 2015.

JIMERSON, S. R.; PLETCHER, S. M. W.; GRAYDON, K. et al. Beyond grade retention and social promotion: Promoting the social and academic competence of students. Psychology in the Schools, 43 (1), 2006, p. 85–97.

LIVINGSTONE, S.; HADDON, L.; GÖRZIG, A.; ÓLAFSSON, K. Risks and safety on the Internet: The perspective of European children. Full findings. LSE, London: EU Kids Online, 2011. Disponível em: . Acesso em: 8 mar. 2015.

MATOS, A.; PESSOA, T.; AMADO, J.; JÄGER, T. Agir contra o Cyberbullying – Manual de Formação. Congresso Nacional "Literacia, Media e Cidadania", Braga, Universidade do Minho: Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade, 2011.

NICOL, S. Cyber-bullying and trolling. Youth Studies Australia, V. 31, n. 4, 2012.

ORTEGA-RUIZ, R.; DEL REY, R.; CASAS, J. A. Redes Sociales y Cyberbullying: El Proyecto ConRed. Revista Convives, 2013. p. 34-44. Disponível em: . Acesso em 16 jan. 2014.

PRENSKY, M. H. sapiens digital: From digital immigrants and digital natives to digital wisdom. Innovate, 5(3), 2009. Disponível em: . Acesso em: 11 jan. 2016.

SALMIVALLI, C.; KARNA, A.; POSKIPARTA, E. Counteracting bullying in Finland: The KiVa program and its effects on diferent forms of being bullied. International Journal of Behavioral Development, 35(5), p. 405–411, 2011.

SMITH, P. K.; SLONJE, R. Cyberbullying: Another main type of bullying? Scandinavian Journal of Psychology, 2008, p .147–154.

TOGNETTA, L.R. P. A construção da solidariedade e a educação do sentimento na escola: uma proposta de trabalho com as virtudes numa visão construtivista. Campinas, SP: Mercado das Letras/ São Paulo: Fapesp, 2003.

TRUZZI, G. L. Cyberbullying, cyberstalking e redes sociais: Os reflexos da perseguição digital, 2009. Disponível em: . Acesso em: 10 abr. 2015.

VANDEBOSCH, H.; VAN CLEEMPUT, K. Defining Cyberbullying: A Qualitative Research into the Perceptions of Youngsters. Cyberpsychology & Behavior, v.11, n. 4, 2008.

VINHA, T. P. O educador e a moralidade infantil - uma visão construtivista. Campinas, SP: Mercado de Letras/FAPESP, 2000.

VINHA, T. P.; TOGNETTA, L. R. P. A construção da autonomia moral na escola: a intervenção nos conflitos interpessoais e a aprendizagem dos valores. Rev. Diálogo Educ., Curitiba, v. 9, n. 28, p. 525-540, set./dez. 2009.

YBARRA, M.; MITCHELL, K. Youth engaging in online harassment: associations with caregiver-child relationships, internet use, and personal characteristics. Journal of Adolescence, 27, 2004, p. 319-336.

WILLARD, N. Cyberbullying and Cyberthreats Effectively Managing Internet Use Risks in Schools, 2007. Disponível em: . Acesso em: 10 abr. 2015.




DOI: https://doi.org/10.21723/riaee.v12.n.3.2017.10369



Direitos autorais 2017 Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação

 

Rev. Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1982-5587, ISSN: 2446-8606.

DOI Prefix: 10.21723/riaee

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.