Em busca de identidade: Educação Infantil é lugar de homem?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v15iesp3.14438

Palavras-chave:

Masculinidade e docência, Identidade profissional, Docência na creche

Resumo

Esse artigo, que tem como objetivo discutir a presença masculina no ofício docente, especificamente no espaço da Educação Infantil, foi organizado com dados obtidos em uma pesquisa, de natureza qualitativa, que investigou como diferentes atores escolares compreendem o papel social da creche e dos profissionais que nela atuam. Desta forma, são trazidas para discussão as informações obtidas junto a um estudante do curso de Pedagogia, com o uso de relatos da prática. Os dados, tratados na perspectiva da análise do discurso bahktiniana, nos levam a afirmativa de que a “aspereza masculina” é elemento da cultura e não da natureza humana – do gênero masculino. Sendo assim, é possível, razoável e aceitável a identificação dos homens com o trabalho docente na creche; bem como eles são capazes de construir as habilidades/saberes necessários (paciência, calma, tato social, sensibilidade, etc.) para a atuação profissional adequada junto às crianças deste nível de ensino.

Biografia do Autor

Sílvia Adriana Rodrigues, Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS), Três Lagoas – MS

Professora Adjunta na Graduação e na Pós-Graduação em Educação (PPGE-CPAN e PPGE-CPTL).

Estefânia Manholer, Escola Neusa Assad Malta (Enam), Corumbá – MS

Psicóloga Escolar.

Alberto Albuquerque Gomes, Universidade Estadual Paulista (Unesp), Presidente Prudente – SP

Professor Assistente Doutor aposentado e Colaborador da Universidade Estadual Paulista (PPGE-FCT Unesp).

Referências

AGOSTINO, K. O estágio na educação infantil no curso de pedagogia: nova configuração, novos desafios e outros nem tão novos. Zero-a-seis, Florianópolis, v. 18, n. 33, p. 50-64, jan./jun. 2016. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/zeroseis/article/view/1980-4512.2016v18n33p50/31489. Acesso em: 08 set. 2020.

BADINTER, É. Um amor conquistado: o mito do amor materno. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.

BAKHTIN, M. M. Marxismo e filosofia da linguagem. 12. ed. São Paulo: Hucitec, 2006.

BAKHTIN, M. M. Estética da criação verbal. 6. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

BARBOSA, M. C. S. Por amor e por força: rotinas na educação infantil. Porto Alegre:

Artmed, 2006.

CAMPOS, M. M. M.; GROSBAUM, M. W.; PAHIM, R.; ROSEMBERG, F. Profissionais de creche. Cadernos CEDES, Campinas, n. 9, p. 39-66, 1991.

CARVALHO, M. P. Vozes masculinas numa profissão feminina. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 6, n. 2, p. 1-17, 1998. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/12017/11303. Acesso em: 08 set. 2020.

CERISARA, A. B. A construção da identidade das profissionais de Educação Infantil: entre o feminino e o profissional. 1996. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, São Paulo, 1996.

CERISARA, A. B. Professoras de Educação Infantil: entre o feminino e o profissional. São Paulo: Cortez, 2002.

COSTA, S. A. “Eu caçador de mim”: a construção da identidade profissional do professor de educação infantil. Revista Exitus, Santarém, v. 04, n. 01, p. 15-29, jan./jun. 2014. Disponível em: http://www.ufopa.edu.br/portaldeperiodicos/index.php/revistaexitus/article/view/123/123. Acesso em: 07 set. 2020.

FONSECA, T. S. M. Quem é o professor homem dos anos iniciais? Discursos, representações e relações de gênero. 2011. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2011.

GARCIA, C. M. O professor iniciante, a prática pedagógica e o sentido da experiência. Formação Docente - Revista Brasileira de Estudos sobre Formação Docente. Belo Horizonte, v. 2, n. 3, p. 11-49, ago./dez. 2010.

GONÇALVES, J. P. “Eu sou professor por decisão, porque eu gosto, porque é minha vida!” Paixão, identidade e formação na docência masculina. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 15, n. 3, p. 1221-1235, jul./set. 2020. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/12389/9162. Acesso em: 07 set. 2020.

LOURO, G. L. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. 6. ed. Petrópolis: Vozes, 1997a.

LOURO, G. L. Mulheres na sala de aula. In: DEL PRIORE, M. (org.). História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 1997b.

NÓVOA, A. Formação de professores e profissão docente. In: NÓVOA, A. (org.). Os professores e a profissão. Lisboa: Dom Quixote, p. 15-33, 1992.

NÓVOA, A. Formação de professores e trabalho pedagógico. Lisboa: Educa, 2002.

OLIVEIRA, Z. M. R. Como definir uma pedagogia que oriente o trabalho em creche. Revista Pátio Educação Infantil, ano V, n. 13, p. 14-16, mar./jul. 2007.

REIS, P. G. As narrativas na formação de professores e na investigação em educação. Nuances: estudos sobre Educação, Presidente Prudente, ano XIX, v. 15, n. 16, p. 17-34, jan./dez. 2008.

RODRIGUES, S. A. Viajando pela educação da primeiríssima infância: sentidos, crenças e valores que sustentam os saberes e as práticas pedagógicas na/da creche. 2016. 253f. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Tecnologia, Presidente Prudente, 2016. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/handle/11449/144379. Acesso em: 20 ago. 2020.

SAYÃO, D. T. Relações de gênero e trabalho docente na educação infantil: um estudo de professores em creche. 2005. 274f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal de Santa Catarina, Faculdade de Educação, Florianópolis, 2005.

SILVA, D. A. et al. É só brincadeira de criança? Discussões sobre cooperação e competição na construção das relações de gênero de escolares. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 14, n. 3, p. 1111-1123, jul./set., 2019. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/10990/8247. Acesso em: 07 set. 2020.

SILVA, P. R. A docência masculina na educação infantil. Revista Pátio Educação Infantil, ano XIII, n. 45, p. 20-23, out./dez. 2015.

SOUZA, D. B.; RODRIGUES, S. A.; GOMES, A. A. Aprendizagem da docência: o papel do estágio na formação de profissionais da Educação Infantil. In: Jornada Brasileira de Educação e Linguagem e X Jornada de Educação do Mato Grosso do Sul. I, 2014, Campo Grande. Anais on line. Campo Grande: UCDB, p. 1-11, 2014.

SZYMANSKI, H. A entrevista na pesquisa em educação: a prática reflexiva. Brasília: Líber livro, 2004.

VALLE, I. R. Carreira do magistério: uma escolha profissional deliberada? Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 87, n. 216, p. 178-187, maio/ago. 2006. Disponível em: http://rbep.inep.gov.br/index.php/rbep/article/view/792/767. Acesso em: 18 nov. 2013.

Downloads

Publicado

30/10/2020

Como Citar

Rodrigues, S. A., Manholer, E., & Gomes, A. A. (2020). Em busca de identidade: Educação Infantil é lugar de homem?. Revista Ibero-Americana De Estudos Em Educação, 15(esp3), 2298–2313. https://doi.org/10.21723/riaee.v15iesp3.14438