Ser professor na educação infantil: gênero e docência

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v14iesp.2.12616

Palavras-chave:

Gênero, Docência, Educação infantil.

Resumo

O presente trabalho tem como objetivo apresentar a trajetória de vida e profissional de um professor da Educação Infantil, bem como algumas questões de gênero envolvendo a docência. A pesquisa ocorreu em uma pré-escola municipal. Para a coleta de dados foram utilizadas as estratégias de investigação de abordagem qualitativa, como a observação participante e a realização de entrevista semiestruturada. Apreendemos momentos de interação do professor com a sua turma de alunos e alunas e suas práticas cotidianas. Através de seus relatos, o docente revelou como foi o seu ingresso na profissão, os desafios e os entraves enfrentados. Concluímos que a entrada de professores homens nesta etapa da educação pode contribuir para desconstruir concepções naturalizadas acerca da profissão, bem como romper com a imagem da mulher como educadora de crianças pequenas.

Biografia do Autor

Fernanda Ferrari Ruis Sciotti, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Araraquara – SP

Programa de Pós Graduação em Educação Sexual, GEPIFE – grupo de estudos e pesquisas sobre infância, família e escolarização. UNESP/CNPQ

Marcia Cristina Argenti Perez, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Araraquara – SP

Programa de Pós Graduação em Educação Sexual, GEPIFE – grupo de estudos e pesquisas sobre infância, família e escolarização. UNESP/CNPQ

Luciana Ponce Bellido, Universidade Federal de Goiás (UFG), Goiânia – GO

GEPIFE – grupo de estudos e pesquisas sobre infância, família e escolarização. UNESP/CNPQ.

Referências

ARCE, A. Jardineira, Tia e Professorinha: a realidade dos mitos. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campo Grande, 1997.

ARCE, A. Documentação oficial e o mito da educadora nata na educação infantil. Cadernos de Pesquisa. 2001. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-15742001000200009&lng=pt&nrm=isso. Acesso em: 03 fev. 2013.

BOGDAN, R. C.; BIKLEN, S. K. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora, 1994.

CARVALHO, M. P. Entre a casa e a escola: educadoras de 1º grau na periferia de São Paulo. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 76, n. 184, p. 407-444, set./dez.,1995. Disponível em: http://www.rbep.inep.gov.br/index.php/RBEP/article/viewFile/266/268. Acesso em: 3 fev. 2013.

CARVALHO, M. P. No coração da sala de aula: gênero e trabalho docente nas series iniciais. São Paulo: Xamã/Fapesp, 1998.

LOURO, G. L. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis: Vozes, 1997.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MINAYO, M. C. S. (Org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis, RJ: Vozes, 1994.

RUIS, F. F. Ser menino e menina, professor e professora na Educação Infantil: um entrelaçamento de vozes (Dissertação em Educação Sexual). Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista. Araraquara, 2015.

RUIS, F. F.; PEREZ, M. C. A. Ouvindo meninos: relações de gênero na educação infantil. DOXA: Revista Brasileira de Psicologia e Educação, p. 283-294, jun., 2017. ISSN 2594-8385. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/doxa/article/view/10922/7073. Acesso em: 31 jan. 2019.

SARMENTO, T. Correr o risco: ser homem numa profissão “naturalmente” feminina. In: Congresso Português de sociologia: sociedades contemporâneas: reflexividade e ação, 5, 2002, Braga. Anais... Braga, Portugal: [s.n.].

SAYÃO, D. T. Relações de gênero e trabalho docente na educação infantil: um estudo de professores em creche. Tese (Doutorado em Educação) – Centro de Ciências da Educação, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2005.

Publicado

01/06/2019

Como Citar

Sciotti, F. F. R., Perez, M. C. A., & Bellido, L. P. (2019). Ser professor na educação infantil: gênero e docência. Revista Ibero-Americana De Estudos Em Educação, 14(esp.2), 1569–1579. https://doi.org/10.21723/riaee.v14iesp.2.12616