Indicadores educacionais atrelados ao professor

Falta de formação ou negligência

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v17i1.14052

Palavras-chave:

Indicadores Educacionais. Políticas Educacionais. Ensino Fundamental anos finais. Professores.

Resumo

Este estudo analisa, em municípios da região metropolitana de São Paulo, alguns indicadores atrelados ao professor, em particular, a formação superior, a adequação e o esforço docente. Paralelamente, busca compreender como eles são tratados no âmbito da gestão realizada pelas secretarias de educação com foco no Ensino Fundamental, anos finais. Foi utilizada a metodologia mista, com a coleta de dados no sítio do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais. Paralelamente, foram realizadas entrevistas com especialistas que atuavam nas secretarias de educação. Os resultados mostraram, por um lado, que existiam professores não habilitados, ministrando aulas em disciplinas para as quais não foram formados e com alto esforço docente. Os dados foram mais desfavoráveis na sub-região Sudeste. Por outro, que os profissionais que atuavam nas secretarias de educação, aqueles que induzem à formação dos professores e às políticas educacionais locais, desconheciam alguns indicadores e suas implicações para a educação. O indicador mais utilizado para fazer gestão da educação municipal era o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica, o que demonstra certa falta de formação profissional. Os dados deste estudo podem promover discussões no contexto das secretarias de educação e nas universidades públicas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paulo Sergio Garcia, Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS), São Caetano do Sul – SP – Brasil

Professor Titular do Departamento de Educação. Coordenador do Observatório de Educação do Grande ABC. Doutor em Educação pela Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (2011).

Carlos Alexandre Felicio Brito, Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS), São Caetano do Sul – SP – Brasil

Gestor do Programa de Mestrado Profissional em Inovação no Ensino Superior em Saúde (PPGMIES). Professor do PPGE (Programa de Pós-Graduação Mestrado Profissional em Educação). Professor da Graduação - Escola da Saúde - Educação Física. Doutor em Educação Física pela Universidade Estadual de Campinas (2005).

Referências

ALAVARSE, O. M.; CHAPPAZ, R. O.; FREITAS, P. F. Avaliações da aprendizagem externas em larga escala e gestores escolares: características, controvérsias e alternativas. Cadernos de Pesquisa, São Luís, v. 28, n. 1, jan./mar. 2021.

APPLE, M. W. Trabalho docente e textos: economia política das relações de classe e de gênero em educação. Porto alegre: Artmed, 1995.

ASSUNÇÃO, A. A.; OLIVEIRA, D. A. Intensificação do trabalho e saúde dos professores. Revista Educação & Sociedade, v. 30, n. 107, maio/ago. 2009.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, DF, 23 dez. 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm. Acesso em: 15 out. 2011.

BRASIL. Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira – INEP. Nota técnica n. 20/2014, de 21 de novembro de 2014. Brasília, DF: INEP, 2014a. Disponível em: http://download.inep.gov.br/educacao_basica/enem/enem_por_escola/2014/nota_tecnica_indicador_adequa%C3%A7%C3%A3o_formacao_docente.pdf. Acesso em: 14 jan. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira – INEP. Nota técnica n. 39/2014, de 17 de dezembro de 2014. Brasília, DF: INEP, 2014b. Disponível em: http://download.inep.gov.br/informacoes_estatisticas/indicadores_educacionais/2014/docente_esforco/nota_tecnica_indicador_docente_esforco.pdf. Acesso em: 14 jan. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira – INEP. Nota técnica CGCQTI/DEED/INEP n. 11/2015, de 25 de junho de 2015. Brasília, DF: INEP, 2015. Disponível em: http://download.inep.gov.br/informacoes_estatisticas/indicadores_educacionais/2014/docente_regularidade_vinculo/nota_tecnica_indicador_regularidade_2015.pdf. Acesso em: 14 jan. 2019.

CARMO, E. F. et al. Um estudo da relação entre a adequação na formação docente e o desempenho escolar no Ensino Médio regular. Educação e Fronteiras, Dourados, v. 4, n. 12, p. 24-37, set./dez. 2014.

CARVALHO, M. R. V. Formação docente e desempenho discente na Educação Básica. 2018. 205 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Administração) – Universidade de Brasília, Brasília, 2018.

CEBALLOS, A. G. C.; SANTOS, G. B. Fatores associados à dor musculoesquelética em professores: Aspectos sociodemográfios, saúde geral e bem-estar no trabalho. Rev. Bras. Epidemiol., v. 18, n. 3, p. 702-715, 2015.

CECAPE. Centro de Formação de Professores de São Caetano do Sul. Relatório do terceiro trimestre: escolas municipais. São Caetano do Sul, SP, 2015.

CODES, A. et al. Uma leitura do Plano Nacional de Educação (PNE) e uma proposta para seu monitoramento. Brasília, DF: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, 2017.

CODO, W. (org.). Educação: carinho e trabalho. Petrópolis, RJ: Vozes, 1999.

CRESWELL, J. W.; PLANO CLARK, V. L. Designing and conducting mixed methods research. 2. ed. Thousand Oaks, CA: Sage, 2010.

CUNHA, M. I. DA. Docência na universidade, cultura e avaliação institucional: saberes silenciados em questão. Revista Brasileira de Educação, v. 11, n. 32, p. 258-271, 2006.

DRUCK, G. Trabalho, precarização e resistências: novos e velhos desafios? Cad. CRH, v. 24, n. 1, 2011.

ENGUITA, M. F. Educar em tempos incertos. Porto Alegre: Artmed, 2004.

FONSECA, G. L. B. Qualidade dos Indicadores Educacionais para Avaliação de Escolas e Redes Públicas de Ensino Básico no Brasil. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2010.

FRANCH E. P. A insatisfação dos professores. Consequências para a profissionalização. In: FRACHI, E. P. (org.). A causa dos professores. Campinas, SP: Papirus, 1995. p. 17-90.

FRITSCH, R.; ROCHA, C. S.; VITELLI, R. F. Defasagem idade-série em escolas estaduais de ensino médio do Rio Grande do Sul. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 95, n. 239, p. 218-236, jan./abr. 2014.

GARCIA, P. S.; MALACARNE, V.; BIZZO, N. O Percurso Formativo, a Atuação e Condições de Trabalho de Professores de Ciências de Duas Regiões Brasileiras. ACTA SCIENTIAE (ULBRA), v. 11, p. 119-140, 2009.

GASPARINI, S. M.; BARRETO, S. M.; ASSUNÇÃO, A. A. O professor, as condições de trabalho e os efeitos sobre sua saúde. Educação e Pesquisa. São Paulo, v. 31, n. 2, p. 189-199, 2005.

HADJI, C. A avalição, regras do jogo: das intenções aos instrumentos. Porto: Porto Editora, 1994.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios. Rio de Janeiro, 2016. Disponível em: https://ww2.ibge.gov.br/home/estatistica/pesquisas/pesquisa_resultados.php?id_pesquisa=40. Acesso em: 14 mar. 2019.

INEP. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas. Indicadores Educacionais. 2018. Disponível em: https://www.gov.br/inep/pt-br/acesso-a-informacao/dados-abertos/indicadores-educacionais. Acesso em: 21 mar. 2019.

JANNUZZI, P. M. Considerações sobre o uso, mau uso e abuso dos indicadores sociais na formulação e avaliação de políticas públicas municipais. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 36, n. 1, p. 51-72, jan./fev. 2002.

JANNUZZI, P. M. Indicadores sociais no Brasil: conceitos, fontes de dados e aplicações. 4. ed. Campinas, SP: Editora Alínea, 2009.

JOHNSON, R. B.; ONWUEGBUZIE, A. J. Mixed methods research: a research paradigm whose time has come. Educational Researcher, v. 33, n. 7, p. 14-26, 2004.

KLEIN, R.; FONTATIVE, N. S. Gestão de resultados e de aprendizagem. In: ENCONTRO NACIONAL DE DIRETORES DA FUNDAÇÃO BRADESCO, 14., 2010, São Paulo. Anais [...]. São Paulo, 2010. Tema: Gestão escolar: as articulações do diretor.

KRASILCHIK, M. Reformas e realidade: o caso do ensino das ciências. Perspectivas, São Paulo, v. 14, n. 1, p. 85-93, 2000.

MARONEZE, L. F. Z. A precarização do trabalho docente na rede estadual de educação básica do Paraná (1995-2002). 2011. 210 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2010.

MATOS, D. A. S.; RODRIGUES, E. C. Indicadores educacionais e contexto escolar: uma análise das metas do Ideb. Est. Aval. Educ., São Paulo, v. 27, n. 66, p. 662-688, set./dez. 2016.

MELLO E SOUZA, A. (org.). Dimensões da avaliação educacional. Petrópolis: Vozes, 2005.

OBEDUCABC. Observatório da Educação do Grande ABC. Relatório do primeiro trimestre de 2019. São Caetano do Sul, SP: Universidade Municipal de São Caetano do Sul, 2019.

OLIVEIRA, D. A. As reformas educacionais e suas repercussões sobre o trabalho docente. In: OLIVEIRA, D. A. (org.). Reformas educacionais na América Latina e os trabalhadores docentes. Belo Horizonte: Autêntica, 2003. p. 13-35.

PALERMO, G. A.; SILVA, D. B. N.; NOVELLINO, M. S. F. Fatores associados ao desempenho escolar: uma análise da proficiência em matemática dos alunos do 5º ano do ensino fundamental da rede municipal do Rio de Janeiro. Revista Brasileira de Estudos de População, v. 31, n. 2, p. 367-394, 2014.

PASSADOR, C. S.; CALHADO, G. C. Infraestrutura escolar, perfil socioeconômico dos alunos e qualidade da educação pública em Ribeirão Preto/SP. Revista de Administração, Contabilidade e Economia da FUNDACE, v. 3, n. 2, p. 1-10, 2012.

RIBEIRO, V. M.; RIBEIRO, V. M.; GUSMAO, J. B. Indicadores de qualidade para a mobilização da escola. Cad. Pesqui., São Paulo, v. 35, n. 124, p. 227-251, 2005.

SANTANA, F. A.; NEVES, I. L. Saúde do trabalhador em educação: gestão da saúde de professores de escolas públicas. Saúde e Sociedade, v. 26, n. 3, p. 786-797, 2017.

SANTOS, O. J. Fundamentos da relação trabalho e educação. Trabalho & Educação, n. 9, p. 27-36, jul./dez. 2001.

SCARTEZINI, R. A.; VIANA, T. C. O efeito professor e sua transmissibilidade. In: COLÓQUIO DO LEPSI IP/FE-USP, 8., 2010, São Paulo. Anais [...]. São Paulo: USP, 2010. Disponível em: http://www.proceedings.scielo.br/pdf/lepsi/n8/a58n8.pdf. Acesso em: 30 set. 2013.

SOUZA, D. G. et al. Desafios da Prática Docente. Educação Pública, 2017.

TASHAKKORI, A.; TEDDLIE, C. Putting the human back in “Human Research Methodology”: The researcher in mixed. Journal of Mixed Methods Research, v. 4, n. 4, p. 271-277, 2010.

TRIVINOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

VITELLI, R. F.; FRITSCH, R.; CORSETTI, B. Indicadores educacionais na avaliação da educação básica e possíveis impactos em escolas de Ensino Médio no município de Porto Alegre, Rio Grande do Sul. Rev. Bras. Educ., Rio de Janeiro, v. 23, 2018.

WERLE, F. O. C.; KOETZ, C. M. MARTINS; T. F. K. Escola pública e a utilização de indicadores educacionais. Educação, Porto Alegre, v. 38, n. 1, p. 99-112, jan./abr. 2015.

Publicado

02/01/2022

Como Citar

GARCIA, P. S.; BRITO, C. A. F. Indicadores educacionais atrelados ao professor: Falta de formação ou negligência. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 17, n. 1, p. 0498–0520, 2022. DOI: 10.21723/riaee.v17i1.14052. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/14052. Acesso em: 12 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos