Estar presente é estar incluído? Análise de situações em que a inclusão escolar não acontece

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v17iesp.2.17001

Palavras-chave:

Educação especial, Inclusão escolar, Exclusão educacional, Público-alvo da educação especial

Resumo

Estudantes público da Educação Especial devem frequentar, preferencialmente, escolas regulares de ensino. Apesar dos avanços em termos legislativos e de matrículas, nem sempre a inclusão escolar acontece, verdadeiramente, no interior das instituições escolares. Por isso, objetivamos descrever e analisar situações de sala de aula em que a inclusão escolar não acontece de fato. Participaram 16 professoras e 22 alunos público da Educação Especial matriculados em escolas públicas de Corumbá e Ladário em Mato Grosso do Sul. Os dados foram coletados por meio de filmagens e analisados a partir do Protocolo de Observação de Situações Educacionais Inclusivas. Quatro situações de sala de aula foram consideradas não inclusivas e revelaram a falta de atenção individualizada das professoras aos estudantes público da Educação Especial, ausência de flexibilização curricular, oferecimento de atividades desvinculadas do trabalho desenvolvido pelos demais alunos e falta de respostas pedagógicas condizentes com o nível de desenvolvimento desses discentes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bárbara Amaral Martins, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), Corumbá – MS – Brasil

Professora Adjunta no curso de Pedagogia e no Programa de Pós-Graduação em Educação. Doutorado em Educação (UNESP).

Miguel Claudio Moriel Chacon, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Marília – SP – Brasil

Professor do Departamento de Educação Especial e do Programa de Pós-Graduação em Educação. Doutorado em Educação Brasileira (UNESP).

Referências

ALBUQUERQUE, E. R.; MACHADO, L. B. Representação sociais de inclusão entre professoras de escolas públicas. In: MAGALHÃES, R. C. B. P. (org.). Educação inclusiva e escolarização: Política e formação docente. Brasília, DF: Liber Livro, 2011.

BRASIL. Lei n. 11.494 de 20 de junho de 2007. Regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação – FUNDEB e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República, 2007. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/lei/l11494.htm. Acesso em: 15 fev. 2021.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio. IDEB – Resultados e Metas. Brasília, DF: INEP, 2022. Disponível em: http://ideb.inep.gov.br/resultado/. Acesso em: 14 jan. 2022.

CARNEIRO, R. U. C.; DALL’ACQUA, M. J. C. Inclusão escolar na educação infantil: Pesquisa e prática sobre formação em serviço de professores. In: CARNEIRO, R. U. C.; DALL’ACQUA, M. J. C.; CARAMORI, P. M. (org.). Educação especial e inclusiva: Mudanças para a escola e sociedade. Jundiaí, SP: Paco Editorial, 2016.

CARVALHO, M. F. O aluno com deficiência intelectual na escola: Ensino, aprendizagem e desenvolvimento humano. In: MELETTI, S. M. F.; KASSAR, M. C. M. (org.). Escolarização de alunos com deficiência: Desafios e possibilidades. Campinas, SP: Mercado das Letras, 2013.

CARVALHO, R. E. Escola inclusiva: A reorganização do trabalho pedagógico. 6. ed. Porto Alegre: Mediação, 2014.

CARVALHO, R. E. Educação inclusiva: Com os pingos nos “is”. 11. ed. Porto Alegre: Mediação, 2016.

CRUZ, C. Serão as altas habilidades/superdotação invisíveis?. 2014. Tese (Doutorado em Educação) – Centro de Educação, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2014. Disponível em: https://repositorio.ufes.br/handle/10/1603. Acesso em: 20 jul. 2021.

DALLA’ACQUA, M. J. C.; CARNEIRO, R. U. C. Escola para todos? Mudanças necessárias para uma educação inclusiva. In: CARNEIRO, R. U. C.; DALL’ACQUA, M. J. C.; CARAMORI, P. M. (org.). Educação especial e inclusiva: Mudanças para a escola e sociedade. Jundiaí, SP: Paco Editorial, 2016.

DORZIAT, A. O profissional da inclusão escolar. Cadernos de Pesquisa, v. 43, n. 150, p. 986-1003, set./dez. 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0100-15742013000300013&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 22 set. 2021.

EFFGEN, A. P. S. A sala de aula comum e o atendimento educacional especializado: A prática pedagógica como possibilidade de colaboração. In: ALMEIDA, M. L.; RAMOS, I. O. (org.). Diálogos sobre práticas pedagógicas inclusivas. Curitiba: Appris, 2012.

EFFGEN, A. P. S.; ALMEIDA, M. L. Bases teórico-metodológicas sustentam nossas propostas: princípios para uma nova/outra prática educativa. In: ALMEIDA, M. L.; RAMOS, I. O. (org.). Diálogos sobre práticas pedagógicas inclusivas. Curitiba: Appris, 2012, p. 15-54.

FONSECA, K. A.; CAPELLINI, V. L. M. F.; LOPES JUNIOR, J. Flexibilização e adaptação curricular no processo de inclusão escolar. In: VALLE, T. G. M.; MAIA, A. C. B. (org.). Aprendizagem e comportamento humano. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010.

LEONARDO, N. S. T.; BRAY, C. T.; ROSSATO, S. P. M. Inclusão escolar: Um estudo acerca da implantação da proposta em escolas de ensino básico. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v. 15, n. 2, p. 289-306, maio/ago. 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S141365382009000200008&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 25 maio 2021.

LIMA, M. S. L. O estágio nos cursos de licenciatura e a metáfora da árvore. Pesquiseduca, Santos, v. 1, n. 1, p. 45-48, jan./jun. 2009. Disponível em: http://periodicos.unisantos.br/index.php/pesquiseduca/article/download/44/pdf. Acesso em: 19 dez. 2020.

MAGALHÃES, R. C. B. P. Falem com elas: Construir diálogos na escola inclusiva. In: MAGALHÃES, R. C. B. P. (org.). Educação inclusiva e escolarização: Política e formação docente. Brasília, DF: Liber Livro, 2011.

MAGALHÃES, R. C. B. P.; CARDOSO, A. P. L. B. Educação especial e educação inclusiva: Conceitos e políticas educacionais. In: MAGALHÃES, R. C. B. P. (org.). Educação inclusiva e escolarização: Política e formação docente. Brasília, DF: Liber Livro, 2011.

MARTINS, B. A.; CHACON, M. C. M. Sources of teacher self-efficacy in teacher education for inclusive practices. Paidéia, Ribeirão Preto, v. 31, e3109, 2021. Disponível em: https://www.scielo.br/j/paideia/a/496fJLkyQMRdkMLLmxtXD6d/?lang=en. Acesso em: 13 jan. 2022.

MARTINS, B. A.; CHACON, M. C. M. Identificação de estudantes precoces com indicadores de altas habilidades/superdotação no pantanal sul-mato-grossense. Submetido à publicação, 2022.

MATOS, S. N.; MENDES, E. G. Demandas de professores decorrentes da inclusão escolar. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v. 21, n. 1, p. 9-22, jan./mar. 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-65382015000100009&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 13 dez. 2021.

OLIVEIRA, A. A. S. Conhecimento escolar e deficiência intelectual: Dados da realidade. Curitiba: CRV, 2018.

MELETTI, S. M. F. Diferenças e diferentes: Aspectos psicossociais da deficiência. In: MELETTI, S. M. F.; KASSAR, M. C. M. (org.). Escolarização de alunos com deficiências: Desafios e possibilidades. Campinas, SP: Mercado das Letras, 2013.

MENDONÇA, L. D.; MENCIA, G. F. M.; CAPELLINI, V. L. M. F. Programas de enriquecimento escolar para alunos com altas habilidades ou superdotação: Análise de publicações brasileiras. Revista Educação Especial, Santa Maria, v. 28, n. 53, p. 721-734, set./dez. 2015. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/educacaoespecial/article/view/15274. Acesso em: 13 dez. 2020.

MORGADO, C. L.; FISCARELLI, S. H. O processo de inclusão de uma aluna deficiente intelectual em uma escola comum do Ensino Fundamental I. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 11, n. esp. 2, p. 956-968, 2016. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/8936/5879. Acesso em: 15 jan. 2022.

ROSIN-PINOLA, A. R.; DEL PRETTE, Z. A. P. Inclusão escolar, formação de professores e a assessoria baseada em habilidades sociais educativas. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v. 20, n. 03, p. 341-356, jul./set. 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S141365382014000300003&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 29 mar. 2021.

SÁNCHEZ ANEAS, A. Altas capacidades intelectuales: Sbredotación y talentos: Detección, evalución, diagnóstico e intervención educativa y familiar. Formación Alcalá: Alcalá la Real, 2013.

SANTOS, G. C. S. O professor e a educação de alunos com desenvolvimento atípico: Reflexões e pistas de ações. In: MAGALHÃES, R. C. B. P. (org.). Educação inclusiva e escolarização: Política e formação docente. Brasília, DF: Liber Livro, 2011.

SANTOS, L. F. Relações mediadas: A formação do intérprete educacional no contexto da educação de surdos. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 16, n. 4, p. 2593-2607, out./dez. 2021. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/13485. Acesso em: 13 dez. 2021.

SHARMA, U.; SOKAL, L. The Impact of a teacher education course on pre-service teachers' beliefs about inclusion: An international comparison. Journal of Research in Special Educational Needs, v. 15, n. 4, p. 276-284, out. 2015. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1111/1471-3802.12043. Acesso em: 29 mar. 2021.

VIEIRA, A. B.; RAMOS, I. O. Formação continuada de professores no contexto da inclusão escolar: diálogo com os desafios e as possibilidades da escola. In: ALMEIDA, M. L.; RAMOS, I. O. (org.). Diálogos sobre práticas pedagógicas inclusivas. Curitiba: Appris, 2012, p. 55-70.

Publicado

30/06/2022

Como Citar

MARTINS, B. A.; CHACON, M. C. M. Estar presente é estar incluído? Análise de situações em que a inclusão escolar não acontece. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 17, n. esp.2, p. 1339–1355, 2022. DOI: 10.21723/riaee.v17iesp.2.17001. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/17001. Acesso em: 2 out. 2022.

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.