O lugar das crianças com deficiências na educação infantil e políticas de inclusão na educação brasileira

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v14iesp.1.12203

Palavras-chave:

Educação infantil, Deficiência, Inclusão.

Resumo

Nesse artigo buscamos refletir sobre qual “o lugar” que as crianças pequenas com deficiência, da Educação Infantil, de zero a cinco anos de idade, ocupam nas ações e políticas promovidas pelo Estado na educação brasileira, frente à necessidade em tomar conhecimento de quem são nos sistemas de ensino, quais as suas demandas diante da educação e se elas possuem algum espaço nas instituições de Educação Infantil. Subsidiados pela literatura científica e legislação nacional, concluímos que o lugar atribuído às crianças com deficiência, nas pesquisas, pelo poder público e pela sociedade de modo geral, é ainda o da invisibilidade, quando consideramos a inclusão dos alunos público-alvo da Educação Especial na Educação Infantil. Essas crianças, ao longo de toda história, foram direcionadas a ocupar um “não-lugar”, um espaço onde os direitos sociais e a cidadania lhes são negados. Com essa reflexão, buscou-se dar ressignificação à essa invisibilidade tanto na legislação, quanto nos contextos das pesquisas em educação e, especificamente, da Educação Infantil.

Biografia do Autor

Solange Aparecida de Souza Monteiro, Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de São Paulo – IFSP – Campus – Araraquara

Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de São Paulo – IFSP – Campus – Araraquara – SP, Brasil, Mestra em Processos de Ensino, Aprendizagem e Inovação.

Paulo Rennes Marçal Ribeiro, Universidade Estadual Paulista “Julio de Mesquita Filho”, Faculdade de Ciências e Letras, Araraquara SP

Docente do Programa de Pós-Graduação em Educação Sexual, e no PPG Educação Escolar– Universidade Estadual Paulista “Julio de Mesquita Filho”, Faculdade de Ciências e Letras, Araraquara SP, Brasil

Referências

ARANHA, M. S. F. Educação inclusiva: a fundamentação filosófica. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial, 2004.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988. Organização do texto: Juarez de Oliveira. 4. ed. São Paulo: Saraiva, 1990. 168 p. (Série Legislação Brasileira).

BRASIL. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. Brasília: MEC/SEF, 1998.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília/DF, 2009.

BRASIL. Secretaria de Educação Básica. Revisão das Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. In: BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica. Brasília: MEC, SEB, DICEI, p. 80-101, 2013.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Versão preliminar. Brasília: MEC, 2015. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/#/site/inicio. Acesso em: 10 mar. 2018.

CARNEIRO, R. U. C. Dossiê: Trabalho docente no contexto da inclusão escolar. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, [S.l.], v.11, n. esp. 2, p. 856-860, set. 2016. ISSN 1982-5587.

CARVALHO, R. S. Problematizando discursos generificados em livros de formação de professores de Educação Infantil. Rev. Eletrônica Pesquiseduca, Santos, v. 06, n. 11, p. 7-25, jan./jun. 2014.

DECLARAÇÃO DE SALAMANCA. Brasília, 1994. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/salamanca/pdf.pdf. Acesso em: 27 dez 2018.

EMMEL, M. L. G. Deficiência Mental In: Palhares, M. S. Marins, S. C. F (Org.) Escola Inclusiva. São Carlos: Ed. Da UFSCar, 2002.

JANUZZI, G. M. A educação do deficiente no Brasil: dos primórdios ao início do século XXI. Campinas: Autores Associados, 2004.

KISHIMOTO, T. M. Jogo, brinquedo e brincadeira. São Paulo: Cortez, 2008.

MACEDO, E. Base Nacional Curricular Comum: novas formas de sociabilidade produzindo sentidos para a educação. Revista e-Curriculum, São Paulo, v. 12, n. 03, p. 1530-1555, out./dez. 2014.

MANTOAN, M. T. E. Inclusão Escolar: O que é? Por quê? Como fazer? Editora moderna 2006.

MITTLER, P. Educação Inclusiva: Contextos Sociais. São Paulo: Artmed, 2003.

OMOTE, S. Diversidade, educação e sociedade inclusiva. In: OLIVEIRA, A. A. S.; OMOTE, S.; GIROTTO, C. R. M. (Org.). Inclusão escolar: as contribuições da educação especial. São Paulo: Fundep, 2008.

PESSOTTI, I. Deficiência Mental: da superstição à ciência. São Paulo: T. A. Queiroz, 1984.

SASSAKI, R. K. Construindo uma sociedade inclusiva. Rio de Janeiro: Ed W.V.A, 2007.

VIGOTSKI, L. S. Obras Completas V. Fundamentos de defectologia. Habana: Editorial Pueblo y Educación, 1997.

Publicado

01/04/2019

Como Citar

MONTEIRO, S. A. de S.; RIBEIRO, P. R. M. O lugar das crianças com deficiências na educação infantil e políticas de inclusão na educação brasileira. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 14, n. esp.1, p. 730–745, 2019. DOI: 10.21723/riaee.v14iesp.1.12203. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/12203. Acesso em: 28 fev. 2021.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 > >>