Relações mediadas: a formação do intérprete educacional no contexto da educação de surdos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v16i4.13485

Palavras-chave:

Educação, Formação, Intérprete, Libras, Educação especial

Resumo

O presente estudo objetiva apresentar e analisar as relações mediadas pelo Intérprete de Língua Brasileira de Sinais/Libras na educação de surdos. A partir de videogravações de encontros junto a estes profissionais, em um espaço de formação continuada desenvolvido em uma escola com Programa Educacional inclusivo bilíngue para surdos, foram registrados aspectos relevantes referentes às relações interpessoais. Os registros foram realizados durante o período de um ano (2018), e posteriormente episódios de interesse foram recortados e transcritos para fins de análise. Os resultados e discussões, com embasamento na teoria de Lev S. Vigostki, apontam para a necessidade de um olhar mais cuidadoso para a relação entre Intérprete e professores, e a relevância de espaços formativos, visando uma relação de parceria que favoreça a educação de surdos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lara Ferreira dos Santos, Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR), São Carlos – SP

Professora Adjunta no Departamento de Psicologia e no Programa de Pós-Graduação em Educação Especial. Doutorado em Educação Especial (UFSCAR).

Referências

BAKHTIN, M. Marxismo e Filosofia da Linguagem. 13. ed. São Paulo: Hucitec, 2009.

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. 5. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

BRASIL. Decreto n. 5.626. Regulamenta a Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras, e o art. 18 da Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Brasília, 22 dez. 2005. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/decreto/d5626.htm. Acesso em: 10 ag0. 2020.

BRASIL. Lei n. 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras e dá outras providências. Brasília, 24 abr. 2002. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10436.htm. Acesso em: 10 ago. 2020.

BRASIL. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília, DF: MEC/SEESP, 2008. Não paginado. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/politica.pdf. Acesso em: 05 dez. 2019.

BRASIL. Lei n. 12.319, de 1 de setembro de 2010. Regulamenta a profissão de Tradutor e Intérprete da Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS. Brasília, 01 de setembro de 2010. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12319.htm. Acesso em: 10 ago. 2020.

GÓES, M. C. R. A abordagem microgenética na matriz histórico-cultural: Uma perspectiva para o estudo da constituição da subjetividade. Cadernos Cedes, ano XX, n. 50, p. 9-25, abr. 2000a.

GÓES, M. C. R. A formação do indivíduo nas relações sociais: Contribuições teóricas de Lev Vigotski e Pierre Janet. Educação & Sociedade, ano XXI, n. 71, p. 116-131, jul. 2000b.

GURGEL, T. M. A. Práticas e formação de tradutores intérpretes de língua brasileira de sinais no ensino superior. 2010. 168 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Metodista de Piracicaba, Piracicaba, 2010.

LACERDA, C. B. F. Os processos dialógicos entre aluno surdo e educador ouvinte: examinando a construção de conhecimentos. 1996. 165 f. Tese (Doutorado em Psicologia da Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1996.

LACERDA, C. B. F.; SANTOS, L. F.; MARTINS, V. R. O. (org.). Escola e diferença: caminhos para educação bilíngue de surdos. São Carlos: EDUFSCar, 2016.

LACERDA, C. B. F. Intérprete de Libras: em atuação na educação infantil e no ensino fundamental. Porto Alegre: Mediação/FAPESP, 2009.

LODI, A. C. B.; LACERDA, C. B. F. Uma escola duas línguas: letramento em língua portuguesa e língua de sinais nas etapas iniciais de escolarização. Porto Alegre: Editora Mediação, 2009.

MARTINS, V. R. O. Posição-mestre: desdobramentos foucaultianos sobre a relação de ensino do intérprete de língua de sinais educacional. 2013. 253 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2013.

MARTINS, V. R. O.; LACERDA, C. B. F. Educação inclusiva bilíngue para surdos: problematizações acerca das políticas educacionais e linguísticas. Rev. educ. Campinas, v. 21, n. 2, maio/ago. 2016.

MORAIS, M. P. Trajetórias de resistência em escolas municipais com propostas de educação bilíngue para surdos. 2018. 97 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2018.

MOURA, M. C. A escola bilíngue para surdos: uma realidade possível. In: SÁ, N. R. L. (org.). Surdos: qual escola? Manaus: Editora Valer e Edua, 2011. p. 155-168.

NÓVOA, A. Desafios do professor no mundo contemporâneo. São Paulo: SINPRO-SP, 2007. Disponível em: http://www.sinprosp.org.br/arquivos/novoa/livreto_novoa.pdf. Acesso em: 10 out. 2019.

OLIVEIRA, M. K.; REGO, T. C. Vygotsky e as complexas relações entre cognição e afeto. In: ARANTES, V. A. Afetividade na escola: alternativas teóricas e práticas. São Paulo: Summus, 2003.

ROCHA, L. R. M.; OLIVEIRA, J. P.; REIS, M. R. (org.) Surdez, educação bilíngue e Libras: perspectivas atuais. Curitiba: CRV, 2016.

SANTOS, L. F. O fazer do intérprete educacional: práticas, estratégias e criações. 2014. 203 f. Tese (Doutorado em Educação Especial) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2014.

SANTOS, L. F. Intérpretes educacionais: reflexos da formação continuada nas práticas cotidianas. Relatório Final de pesquisa com financiamento da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP). Processo n° 2017/16776-9. São Carlos, 2019. https://bv.fapesp.br/pt/auxilios/98616/interpretes-educacionais-reflexos-da-formacao-continuada-nas-praticas-cotidianas/. Acesso em: 10 jul. 2021.

SANTOS, L. F.; LACERDA, C. B. F. Atuação do intérprete educacional: parceria com professores e autoria. Cadernos de Tradução, v. 35, n. 2, p. 505-533, 2015.

VIGOTSKI, L. S. A formação social da mente. Trad. José Cipola Neto (et al.). 7. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

VIGOTSKI, L. S. Pensamento e linguagem. Trad. Jefferson Luiz Camargo. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

Publicado

21/10/2021

Como Citar

SANTOS, L. F. dos. Relações mediadas: a formação do intérprete educacional no contexto da educação de surdos. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 16, n. 4, p. 2578–2592, 2021. DOI: 10.21723/riaee.v16i4.13485. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/13485. Acesso em: 23 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigos