A teoria da escola dualista na formação de tecnólogos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v17i1.14866

Palavras-chave:

Teorias da educação, Escola dualista, Formação de tecnólogos

Resumo

Este trabalho localiza-se no campo das teorias da educação e sua relação com formação de tecnólogos. Assim, vem ao encontro à crescente oferta deste tipo especial de educação superior voltada para a formação de mão de obra qualificada demandada pelo mercado de trabalho. Objetiva analisar a formação de tecnólogos a partir do referencial teórico da escola dualista apresentado por Dermeval Saviani. Com uma abordagem qualitativa de pesquisa, baseada na revisão bibliográfica, os escritos a seguir tomam como guia a obra “Escola e Democracia (1999)”, de Saviani, e outros textos que problematizam o dualismo educacional. Concluímos que o mercado de trabalho constitui o espaço onde a teoria da escola dualista se materializa por meio de processos educativos, do ensino básico ao superior, que visam a formação da força de trabalho especializada e seduzida pelo discurso ideológico neoliberal de garantia de acesso a melhores postos de trabalho e ascensão social.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Antonio Wherbty Ribeiro Nogueira, Faculdade de Tecnologia CENTEC Sertão Central (FATEC), Quixeramobim – CE – Brasil

Pedagogo no Setor Pedagógico. Mestrando no Programa de Pós-Graduação Mestrado Acadêmico Intercampi em Educação e Ensino (MAIE) da Universidade Estadual do Ceará (UECE).

Ana Cristina de Moraes, Universidade Estadual do Ceará (UECE), Itapipoca – CE – Brasil

Professora Adjunta da UECE. Vinculada aos Programas de Pós-Graduação em Educação (PPGE/UECE) e ao Mestrado Acadêmico Intercampi em Educação (MAIE). Líder do Grupo de Pesquisa: Investigações em Arte, Ensino e História (IARTEH). Pós-doutora em Educação (UFC).

Referências

BRANDÃO, M. Cursos Superiores de Tecnologia: uma formação intermediária. In: MOURA, D. H. (org.). Produção de Conhecimento, políticas públicas e formação em Educação Profissional. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2013. p. 307-343.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF: 20 dez. 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm. Acesso em: 27 maio 2020.

BRASIL. Ministérios da educação/Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CES 436 de 05 de abril de 2001. Dispõe sobre os Cursos Superiores de Tecnologia – Formação de Tecnólogos. Brasília, DF, 06 abr. 2001. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CES0436.pdf. Acessado em: 22 abr. 2020

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP n. 03, de 18 de dezembro de 2002. Institui as diretrizes curriculares nacionais gerais para a organização e o funcionamento dos cursos superiores de tecnologia. Brasília, DF, 23 dez. 2002. Disponível em: http://www.mec.gov.br/semtec/educprof/Legislatecnico.shtm. Acesso em: 22 abr. 2020.

BRASIL. Ministério de Educação. Cadastro Nacional de Cursos e Instituições de Educação Superior: Cadastro e-MEC. Disponível em: https://emec.mec.gov.br/. Acesso em: 09 jun. 2020.

CIAVATTA, M. A historicidade da formação de tecnólogos. In: MOURA, D. H. (org.). Produção de Conhecimento, políticas públicas e formação em Educação Profissional. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2013. p. 271-306.

CIAVATTA, M. O ensino integrado, a politecnia e a educação omnilateral. Por que lutamos? Trabalho & Educação, v. 23, n. 1, p. 187-205, 2014. ISSN 1516-9537/e-ISSN 2238-037X.

FRIGOTTO, G. A produtividade da escola improdutiva: um (re) exame das relações entre educação e estrutura econômico-social capitalista. Cortez Editora, 1989.

GRAMSCI, A. Os intelectuais e a organização da cultura. 4. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1982

MOURA, D. H. Ensino médio integrado: subsunção aos interesses do capital ou travessia para a formação humana integral? Educação e Pesquisa, v. 39, n. 3, p. 705-720, 2013.

RAMOS, M. N. História e política da educação profissional. Curitiba, PR: Instituto Federal do Paraná, 2014. v. 5. (Coleção Formação Pedagógica)

SANTOS, D. G.; JIMÉNEZ, S. V. Graduação Tecnológica no Brasil: aproximações críticas preliminares. Linhas Críticas, Brasília, v. 15, n. 28, p. 171-185, jan./jun. 2009.

SANTOS, D. Graduação tecnológica no Brasil: crítica à expansão do ensino superior não universitário. 2009. 263 f. Tese (Doutorado em Educação Brasileira) – Faculdade de Educação, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2009.

SANTOS; J. D. G.; XEREZ; A. S. P. Apontamentos sobre a expansão da graduação tecnológica no Brasil. Revista on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, v. 20, n. 03, p. 600-622, 2016. DOI: http://dx.doi.org/10.22633/rpge.v20.n3.9712

SAVIANI, D. Escola e democracia: teorias da educação, curvatura da vara, onze teses sobre educação e política. Campinas, SP: Autores associados, 1999.

YOUNG, M. Para que servem as escolas? Educ. Soc., v. 28, n. 101, p.1287-1302, 2007. ISSN 1678-4626.

Publicado

02/01/2022

Como Citar

NOGUEIRA, A. W. R.; MORAES, A. C. de. A teoria da escola dualista na formação de tecnólogos. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 17, n. 1, p. 0484–0497, 2022. DOI: 10.21723/riaee.v17i1.14866. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/14866. Acesso em: 13 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos