O trabalho docente em Goiás e Mato Grosso

O gerencialismo em tempos de pandemia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v17i1.15536

Palavras-chave:

Estado gerencialista, Trabalho docente, Intensificação do trabalho na pandemia

Resumo

O texto analisa o trabalho docente nos estados de Goiás e Mato Grosso, no contexto do Estado Gerencialista. O objetivo é entender como está se dando o trabalho docente profundamente modificado e ampliado a partir da Reforma do Estado de 1995. Metodologicamente, foram escolhidos dois municípios nestes estados, buscando compreender a realidade que vivem os professores no desenvolvimento do seu trabalho em tempos de pandemia. O estudo faz parte de investigação mais ampla desenvolvida nestes locais, integrando projeto de pesquisa interinstitucional. Os resultados apontam para realidade muito difícil para os docentes, uma vez que não apenas são colocados diante de novos desafios, mas também diante de profunda intensificação do trabalho sem que as condições objetivas para sua atividade sejam melhoradas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ari Raimann, Universidade Federal de Jataí (UFJ), Jataí – GO – Brasil

Professor Adjunto IV da Universidade Federal de Goiás. Desenvolve atividades de pesquisa no Programa de Pós-Graduação em Educação. Doutorado em Educação (UNESP).

Rosângela Henrique da Silva Farias, Secretaria Municipal de Educação (SEMED), Jataí – GO – Brasil

Docente dos Sistemas Públicos Municipal e Estadual de Educação. Mestrado em Educação (UFG).

Veronete Dias Gomes, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Rio de Janeiro – RJ – Brasil

Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Educação (UERJ). Professora do Sistema Público Estadual do Mato Grosso.

Referências

ANTUNES, R. A Era da Informatização e a época da Informalização. Riqueza e Miséria do trabalho no Brasil. In: ANTUNES, R. Riqueza e Miséria do Trabalho no Brasil. São Paulo. Boitempo: 2006. p. 15-25.

ANTUNES, R. A Explosão do Novo Proletariado de Serviços In: O privilégio da servidão: o novo proletariado de serviços na era digital. São Paulo: Boitempo: 2018. p. 25-64.

ANTUNES, R. L. C. PRAUN, L. A sociedade dos adoecimentos no trabalho. Serv. Soc. Soc., São Paulo, n. 123, p. 407-427, jul./set. 2015.

BARRETO, R. G.; LEHER, R. Trabalho docente e as reformas neoliberais. In: OLIVEIRA, D. A. (org.) Reformas Educacionais na América Latina e os Trabalhadores Docentes. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

BASSO. I. S. Significado e sentido do trabalho docente. Cad. CEDES 19, n. 44, abr. 1997. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ccedes/a/Sc7BRSNfgRFsvLMyYTP9Fzf/?lang=pt. Acesso dia 15 jun. 2021.

BRASIL. Presidência da República. Plano Diretor da Reforma do Aparelho de Estado. Brasília, DF, 1995.

BRAVERMAN, H. Trabalho e Capital Monopolista. 3. ed. Rio de Janeiro: Zahar EDITORES, 1980.

CEE-GO. Conselho Estadual de Educação de Goiás. Nota Técnica nº: 2/2020 - COCP - CEE- 18461. Esclarecimentos sobre o funcionamento das unidades escolares no período de isolamento social pelo coronavírus, Covid-19. Goiânia, GO: CEE-GO, 2020. 7 p. Disponível em: http://www.mpgo.mp.br/portal/arquivos/2020/06/01/11_10_24_274_SEI_GOVERNADORIA_000012660227_Nota_T%C3%A9cnica.pdf. Acesso em: 10 out. 2021.

HARVEY, D. A Condição Pós-Moderna. 7. ed. São Paulo: Edições Loyola, 1998.

HYPÓLITO, Á. M. Reorganização gerencialista da escola e do trabalho docente. Educação: teoria e prática, Rio Claro, v. 21, n. 38, p. 59-68, out./dez. 2011.

LUKÁCS, G. Ontología del ser social: el trabajo. Trad. Antonino Infranca e Miguel Vedda. Buenos Aires: Herramienta, 2004.

LUKÁCS, G. Para uma ontologia do ser social. São Paulo: Boitempo, 2013. v. II.

MARX, K. O capital: Crítica da economia política. 1. ed. Trad. Regis Barbosa e Flávio R. Kothe. São Paulo: Abril Cultural, 1985. v. 1, t. 2. (Os economistas).

MATO GROSSO. Secretaria de Estado de Educação, Esporte e Lazer. Projeto Sala de Educador. Orientativo 2015. Cuiabá, MT: Secel, 2015.

MATO GROSSO. Secretaria de Estado de Educação, Esporte e Lazer. Documento de Referência Curricular para Mato Grosso. Cuiabá, MT: Secel, 2018.

MAUÉS, O. C. O Trabalho docente no contexto das reformas. In: REUNIÃO ANUAL ANPED, 28., 2005, Caxambu. Anais [...]. Caxambu, MG. Disponível em: https://anped.org.br/biblioteca/item/o-trabalho-docente-no-contexto-das-reformas Acesso em 06 de março de 2021.

MAUÉS, O. A reconfiguração do trabalho docente na educação superior. Educar em Revista, p. 141-160. 2010.

NEWMAN, J; CLARKE, J. Gerencialismo. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 37, n. 2, p. 353-381, maio/ago. 2012.

PREVITALI, F. S.; FAGIANI, C. C. Trabalho Precário e Precarização Docente na Educação Básica no Brasil na Atual Fase da Acumulação do Capital. Revista Eletrônica da Divisão de Formação Docente, v. 5, n. 2, p. 19-68, 2018. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/diversapratica/article/view/51352. Acesso em: 06 mar. 2021.

SHIROMA, E. O. O eufemismo da profissionalização. In: MORAES, M. C. M. (org.). Iluminismo às avessas: produção do conhecimento e políticas de formação de professores. Rio de Janeiro: DP&A, 2003. p. 61-79.

TERTULIAN, N. O pensamento do último Lukács. Revista Outubro, São Paulo, n. 16, p. 219-248, 2007.

TONET, I. Educação contra o capital. Maceió: Edufal, 2007.

WITTMANN, L C. Autonomia da Escola e Democratização de sua Gestão: novas demandas para o gestor. Em Aberto, Brasília, v. 17, n. 72, p. 88-96, fev./jun. 2000.

Publicado

02/01/2022

Como Citar

RAIMANN, A.; FARIAS, R. H. da S.; GOMES, V. D. O trabalho docente em Goiás e Mato Grosso: O gerencialismo em tempos de pandemia. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 17, n. 1, p. 0037–0052, 2022. DOI: 10.21723/riaee.v17i1.15536. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/15536. Acesso em: 13 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos