As concepções de ensino híbrido na educação brasileira

Uma revisão sistemática da literatura

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v18i00.16978

Palavras-chave:

Ensino híbrido, Educação, Revisão Sistemática da Literatura, Concepções de ensino

Resumo

A partir das medidas de enfrentamento da pandemia em 2020, a adoção do ensino híbrido tornou-se um dos temas de pauta nas agendas educacionais. Entretanto, essa modalidade de ensino acarreta incertezas e dificuldades na realização de práticas emancipatórias. Conceituar ensino híbrido não constitui uma tarefa fácil: vários autores a conceituam de maneiras diferentes. Com o objetivo de identificar as concepções de ensino híbrido que têm predominado na educação brasileira nos últimos 10 anos, realizou-se uma Revisão Sistemática da Literatura (RSL) na Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações (BDTD) e Google Scholar, e foram identificados trabalhos que apresentam concepções superficiais de ensino híbrido e outros, como Moura (2018); Costa (2019) e Fialho (2020), que, fundamentados em Moran (2015), defendem uma nova visão sobre ensino híbrido, que entende a hibridação como um processo sócio-cultural, cujas estruturas e práticas, uma vez separadas, combinam-se para gerar novas estruturas, objetos e práticas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elisa Maia Velloso Caldeira, Universidade Estadual de Montes Claros

Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Educação/Multiletramentos e Práticas Educativas. Professora e Coordenadora do Núcleo de Apoio Pedagógico e Experiência Docente do Centro Universitário Unifipmoc Afya.

Fábia Magali Santos Vieira , Universidade Estadual de Montes Claros

Professora de Tecnologias Educacionais, Didática e Métodos e Técnicas de Pesquisa na Graduação e Pós-Graduação Stricto Sensu. Doutorado em Educação (UnB).

Referências

ANJOS, R. A. V.; SILVA, L. M.; ANJOS, A. M. Ensino híbrido: organização e sistematização de conceitos com base em revisão sistemática de literatura. Em Rede: Revista de Educação a Distância, v. 6, n. 2, jun. 2019. Disponível em: https://www.aunirede.org.br/revista/index.php/emrede/article/view/467. Acesso em: 22 jan. 2022.

BACICH, L.; MORAN, J. Metodologias ativas para uma educação inovadora: uma abordagem teórico-prática. Porto Alegre: Penso, 2018.

BACICH, L.; TANZI NETO, A.; TREVISANI, F. M. Ensino híbrido, personalização e tecnologia na educação. Porto Alegre: Penso, 2015. e-PUB.

BATISTA JÚNIOR, R. O. Ensino híbrido: um estudo sobre a inserção de até 20% de EAD na carga horária de cursos presenciais da UFPE. 2018. 176 f. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática e Tecnológica) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2018. Disponível em: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/30888. Acesso em: 7 fev. 2022.

BORBA, K. L. A. Educação a distância na sala de aula conectada: a percepção discente e docente sobre uma experiência no curso de Pedagogia da Universidade de Brasília. 2014. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade de Brasília, Brasília, 2014. Disponível em: https://repositorio.unb.br/handle/10482/17221. Acesso em: 7 fev. 2022.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF: Presidência da República, 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 8 fev. 2023.

BRASIL. Decreto n. 9.057, de 25 de maio de 2017. Regulamenta o art. 80 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF: Presidência da República, 2017. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/decreto/d9057.htm. Acesso em: 8 fev. 2023.

CAMARGO, F.; DAROS, T. A sala de aula inovadora: estratégias pedagógicas para fomentar o aprendizado ativo. Porto Alegre: Penso, 2018. e-PUB.

CASAGRANDE, A. M. Ensino híbrido de física utilizando o MOODLE. 2018. Dissertação (Mestrado em Ciências do Programa de Mestrado Profissional) - Escola de Engenharia de Lorena, Universidade de São Paulo, Lorena, SP, 2018. Disponível em: https://bdtd.ibict.br/vufind/Record/USP_5758c044dcba1302062360ce6c46ab8e. Acesso em: 26 set. 2022.

COSCARELLI, C. V. Ensino de língua: surtos durante a pandemia. In: RIBEIRO, A. E.; VECCHIO, P. M. M. (org.). Tecnologias digitais e escola: reflexões no projeto aula aberta durante a pandemia. São Paulo: Parábola, 2020. p. 15-20. (Linguagens e tecnologias, 8). E-book.

COSTA, A. C. J. Ensino híbrido em foco: estratégias para o ensino de funções orgânicas oxigenadas. 2019. Dissertação (Mestrado Profissional em Química - Profqui) - Centro de Ciências Exatas e da Terra, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2019. Disponível em: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/27857 Acesso em: 7 fev. 2022.

FIALHO, W. Á. Aluno cocriador?: os efeitos da cocriação de valor no ensino superior híbrido. 2020. Tese (Doutorado em Administração), Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2020. Disponível em: http://www.biblioteca.pucminas.br/teses/Administracao_WaldianeDeAvilaFialho_8854.pdf. Acesso em: 7 fev. 2022.

GALVÃO, T. F.; PEREIRA, M. G. Revisões sistemáticas da literatura: passos para sua elaboração. Epidemiologia e Serviços de Saúde, Brasília, v. 23, n. 1, p. 183-184, 2014.

GARCÍA CANCLINI, N. Culturas híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. Tradução de Heloisa Pezza Cintrão e Ana Regina Lessa. Tradução da introdução: Gênese Andrade. 4. ed. São Paulo: Ed. Universidade de São Paulo, 2011. (Ensaios Latino-americanos, 1).

GRAHAM, C. R. Blended learning systems: definition, current trends, and future directions. In: BONK, C. J.; GRAHAM, C. R. (ed.). Handbook of blended learning: global perspectives, local designs. San Francisco: Pfeiffer Publishing, 2006.

HORN, M. B.; STAKER, H. Blended: usando a inovação disruptiva para aprimorar a educação. Porto Alegre: Penso, 2015.

LEMOS, F. C.; ALMEIDA JUNIOR, P. L. Avaliação docente no Ensino Híbrido: Estudo de Revisão no Portal de Periódicos da CAPES. Revista Semiárido De Visu, Petrolina, v. 8, n. 2, p. 284-299, 2020.

MACHADO, N. S. Fazendo o semipresencial e sonhando com o ensino híbrido na graduação, a voz dos estudantes: uma análise comparativa de modelos pedagógicos nos cenários público e privado. 2018. Dissertação (Mestrado em Educação) – Centro Universitário Internacional, Curitiba, 2018. Disponível em: https://repositorio.uninter.com/handle/1/116. Acesso em: 9 ago. 2021.

MARTIN, J. A. P.; OLIVEIRA, E. A.; RODRIGUES, V. Ensino Híbrido no Brasil: uma revisão de literatura. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIAS; ENCONTRO DE PESQUISADORES EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA, 2020. São Carlos, Anais [...]. São Carlos, SP: CIET/ENPED, 2020. Disponível em: https://cietenped.ufscar.br/submissao/index.php/2020/article/view/1009. Acesso em: 17 jan. 2022.

MORAN, J. Educação híbrida: um conceito-chave para a educação, hoje. In: BACICH, L.; TANZI NETO, A.; TREVISANI, F. de M. (org.). Ensino híbrido: personalização e tecnologia na educação. Porto Alegre: Penso, 2015.

MOURA, R. P. Ensino híbrido no ensino de eletromagnetismo. 2018. Dissertação (Mestrado em Ensino de Física em Rede) – Universidade Federal de Goiás, Catalão, GO, 2018. Disponível em: https://bityli.com/NFtNWC Acesso em: 7 fev. 2022.

PEQUENO, H. S. L. Digital class: um modelo para a criação de cursos no paradigma de ensino híbrido. 2017. Tese (Doutorado em Ciência da Computação) – Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2017. Disponível em: https://bdtd.ibict.br/vufind/Record/UFC-7_10ca38e554558617abbfa04f1c01df49. Acesso em: 22 ago. 2022.

ROZA, J. C.; VEIGA, A. M. R.; ROZA, M. P. Blended learning: revisão sistemática da literatura em periódicos científicos internacionais (2015 - 2018). Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 36, p. 1-18, 2020. Disponível em: https://www.scielo.br/j/edur/a/PDGg3zvjgc6LS6jKhtttQZn/?lang=pt. Acesso em: 4 jan. 2022.

SAMPAIO, R. F.; MANCINI, M. C. Estudos de revisão sistemática: um guia para síntese criteriosa da evidência científica. Revista Brasileira de Fisioterapia, São Carlos, v. 11, n. 1, p. 83-89, fev. 2007.

SANTAELLA, L. A ecologia pluralista das mídias locativas. Revista FAMECOS, Porto Alegre, v. 37, p. 20-24, 1 dez. 2008. Disponível em: https://revistaseletronicas.pucrs.br/index.php/revistafamecos/article/view/4795/3599. Acesso em: 6 ago. 2018.

SANTOS, B. M. et al. Educação médica durante a pandemia da Covid-19: uma revisão de escopo. Revista Brasileira de Educação Médica, Araranguá, v. 44, n. 1, 2020. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbem/a/8bxyBynFtjnSg3nd4rxtmhF/?lang=pt. Acesso em: 8 fev. 2021.

TORI, R. Cursos híbridos ou blended learning. In: LITTO, F. M; FORMIGA, M. Educação a distância: o estado da arte. São Paulo: PEARSON Prentice Hall e ABED, 2009. p. 121-128.

Publicado

09/10/2023

Como Citar

CALDEIRA, E. M. V.; VIEIRA , F. M. S. As concepções de ensino híbrido na educação brasileira: Uma revisão sistemática da literatura. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 18, n. 00, p. e023094, 2023. DOI: 10.21723/riaee.v18i00.16978. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/16978. Acesso em: 22 fev. 2024.

Edição

Seção

Artigos teóricos

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.