Educar para a autonomia

A literatura como formadora do pensamento crítico

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v18i00.17882

Palavras-chave:

Paulo Freire, Pedagogia crítica, Leitura, Poesia em sala de aula, Pensamento crítico

Resumo

Paulo Freire concebe a leitura como um ato de transgressão e prática de autonomia para a formação do pensamento crítico, que se desenvolve na relação dialógica entre leitura do mundo e leitura da palavra escrita. O presente artigo defende o papel da literatura como espaço capaz de mobilizar um campo completo de saberes e um efetivo instrumento de inovação social, à medida que contribui para o exercício da alteridade e da diversidade. Como a palavra poética, formada por um sistema específico de linguagem, que leva em conta a vivência do leitor, deve ser apresentada na sala de aula?

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paulo Andrade, Universidade Estadual Paulista

Professor Assistente. Doutorado em Estudos Literários (UNESP). Departamento de Linguística, Literatura e Letras Clássicas (DLLLC). Co-chair da Brazil Section da LASA (Latin American Studies Association).

Raquel Mariano Alves, Universidade de São Paulo

Graduada em Letras, Português e Linguística (FFLCH/USP), Graduação em Pedagogia (USP) e MBA em Gestão Escolar (USP).

Referências

ARISTÓTELES. Poética. Tradução, prefácio, introdução, compêndio e apêndices de Eudoro de Sousa. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 1994. (Coleção Estudos Gerais / Série Universitária).

BARTHES, R. Literatura/ensino. In: BARTHES, R. O grão da voz: Entrevistas (1962-1980). Tradução: Anamaria Skinner. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1995. p. 262-263.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Plano Nacional de Educação PNE 2014-2024: Linha de Base. Brasília, DF: Inep, 2015. 404 p. Disponível em: https://download.inep.gov.br/publicacoes/institucionais/plano_nacional_de_educacao/plano_nacional_de_educacao_pne_2014_2024_linha_de_base.pdf. Acesso em: 10 dez. 2022.

CANDIDO, A. A personagem do romance. In: CANDIDO, A. A personagem de ficção. São Paulo: Perspectiva, 1989. p. 51-80.

CANDIDO, A. O direito à literatura. In: CANDIDO, A. Vários escritos. São Paulo: Duas Cidades/Ouro sobre Azul, 2011. p. 169-191.

CHKLOVSKI, V. A arte como procedimento. In: CHKLOVSKI, V. et al. Teoria da literatura: Formalistas russos. Tradução: Ana M. R. Filipouski et al. Porto Alegre: Globo, 1978. p. 39-56.

CUTI. Literatura negra brasileira: notas a respeito dos condicionamentos. In: QUILOMBHOJE (org.). Reflexões sobre literatura afro-brasileira. São Paulo: Conselho de Desenvolvimento e Participação da Comunidade Negra, 1985. p. 15-24.

CUTI. Sanga. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2002.

CUTI. Negroesia: antologia poética. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2010.

FREIRE, P. A importância do ato de ler: Em três artigos que se completam. São Paulo: Cortez, 1996. (Coleção Questões de Nossa Época, v. 13).

FIORI, E. M. Aprender a dizer a sua palavra. In: FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2019.

HOOKS, B. Ensinando pensamento crítico: Sabedoria prática. Tradução: Bhuvi Libanio. São Paulo: Elefante, 2020.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Pesquisa nacional por amostra de domicílio contínua. 2019. Disponível em: https://www.ibg e.gov.br/estatisticas/sociais/educacao.html. Aceso em: 10 dez. 2022.

JOLLES, A. Formas simples. São Paulo: Cultrix, 1976.

POUND, E. ABC da literatura. Tradução: Augusto de Campos e José Paulo Paes. São Paulo: Cultrix, 1970.

RAMOS-DE-OLIVEIRA, N; ZUIN, A. A. S.; PUCCI, B. (org.). Teoria crítica, estética e educação. Campinas, SP: Autores Associados, 2000.

TODOROV, T. Análise estrutural da narrativa. In: As estruturas narrativas. Tradução: Leyla Perrone-Moisés. São Paulo: Perspectiva, 2006. p. 79-89.

Publicado

01/01/2023

Como Citar

ANDRADE, P.; ALVES, R. M. Educar para a autonomia: A literatura como formadora do pensamento crítico. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 18, n. 00, p. e023020, 2023. DOI: 10.21723/riaee.v18i00.17882. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/17882. Acesso em: 12 abr. 2024.

Edição

Seção

Relatos de Pesquisas