O lugar da literatura no ensino-aprendizagem da Matemática no contexto da formação inicial docente

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v19i00.18508

Palavras-chave:

Educação matemática, Ensino-aprendizagem, Formação inicial docente, Interdisciplinaridade, Literatura

Resumo

Esse artigo busca investigar o lugar da literatura no ensino-aprendizagem da Matemática na formação inicial docente, com delineamento qualitativo de tipo exploratório, por meio da observação participante e utilização de questionários, fotos e vídeos. Essa investigação ocorreu no contexto de uma formação pedagógica para graduandos de Pedagogia e Matemática, com abordagem da literatura para ensinar Matemática, durante o 2º semestre letivo de 2022, na Faculdade de Educação da Universidade de Brasília. Evidenciou-se: o favorecimento da resolução de situações-problema partindo da literatura, enquanto material desafiador que instiga o pensamento matemático; a atribuição ao ensino-aprendizagem da Matemática apenas à utilização de números em detrimento da interdisciplinaridade, destacando a necessária superação  do ensino fragmentado; a importância da formação inicial do professor a partir de experiências que contribuam para o seu trabalho e prosseguimento do processo mediante a formação continuada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Meire Nadja Meira de Souza, Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal

Professora da Educação Básica. Doutoranda em Educação Matemática na Universidade de Brasília (UnB).

Ana Tereza Ramos de Jesus Ferreira, Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal

Professora da Educação Básica. Doutoranda em Psicologia do Desenvolvimento e Escolar na Universidade de Brasília (UnB).

Geraldo Eustáquio Moreira, Universidade de Brasília

Professor Adjunto da Faculdade de Educação.

Referências

ALENCAR, E. M. L. S. de; FLEITH, D. S. Criatividade: múltiplas perspectivas. 3. ed. Brasília: Ed. Universidade de Brasília, 2003. Não paginado.

AUSUBEL, D. P. Aquisição e retenção de conhecimentos: uma perspectiva cognitiva. Tradução Lígia Teopisto. Lisboa, Portugal: Plátano Edições Técnicas, 2003.

ABRANTES, P. Um (bom) problema (não) é (só)... Educação e Matemática, v. 8, p. 7-10-35, 1989. Disponível em: chrome-extension://efaidnbmnnnibpcajpcglclefindmkaj/https://www.esev.ipv.pt/mat1ciclo/COORDENADORES/Materiais%20Coordenad/Textos/Abrantes%201989.pdf. Acesso em: 05 abr. 2023.

BARROS, M. C.; LEITE, E. P.; MAGALHÃES, E. M. Leitura Deleite: o que Pensam os Professores do Ciclo Básico de Alfabetização. Rev. Ens. Educ. Cienc. Human., v. 21, n. 1, p.8-13, 2020. Disponível em: https://revistaensinoeeducacao.pgsskroton.com.br/article/view/7291. Acesso em: 07 abr. 2023. DOI: https://doi.org/10.17921/2447-8733.2020v21n1p8-13. Acesso em: 05 abr. 2023.

BRASIL. Constituição Federal de 1988. Promulgada em 5 de outubro de 1988. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm Acesso em: 21 jul. 2022.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 21 jul. 2022.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. Brasília: MEC/SEF, 1998.

BRASIL. Lei n. 11.274, de 6 de fevereiro de 2006. Altera a redação dos arts. 29, 30, 32 e 87 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, dispondo sobre a duração de 9 (nove) anos para o ensino fundamental, com matrícula obrigatória a partir dos 6 (seis) anos de idade. Brasília, DF: Presidência da República, 2006. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11274.htm. Acesso em: 06 abr. 2023.

BRASIL. Lei n. 11.645, de 10 de março de 2008. Altera a lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, modificada pela lei n. 10.639, de 9 de janeiro de 2003, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática "História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena". Brasília, DF: Presidência da República, 11 mar. 2008. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11645.htm. Acesso em: 07 fev. 2023.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa: Apresentação. Brasília, DF: MEC, SEB, 2014. Disponível em: https://wp.ufpel.edu.br/obeducpacto/files/2019/08/Caderno-de-Apresentacao-1.pdf. Acesso em: 07 abr. 2023.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Base Nacional Curricular Comum – BNCC. CNE/CP n° 2, de 22 de dezembro de 2017. Institui e orienta a implantação da Base Nacional Comum Curricular, a ser respeitada obrigatoriamente ao longo das etapas e respectivas modalidades no âmbito da Educação Básica. Brasília, DF: MEC, SEB, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/abase/#infantil. Acesso em: 08 jan. 2021.

CÂNDIDO, P. T. Comunicação em Matemática. In: SMOLE, K. C. S.; DINIZ, M. I. S. V. (org.). Ler, escrever e resolver problemas: habilidades básicas para aprender matemática. Porto Alegre: Artmed, 2001. p. 16-28.

COLL, C.; MARCHESI, A.; PALÁCIOS, J. Desenvolvimento psicológico e educação: psicologia da educação escolar. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2004. v. 2.

DANYLUK, O. S. Alfabetização matemática: as primeiras manifestações da escrita infantil. 5. ed. Passo Fundo, RS: Ed. Universidade de Passo Fundo, 2015.

D’AMBROSIO, U. Filosofia, Matemática e a formação de professores. In: FÁVERO, M. H. CUNHA, C. (org.). Psicologia do conhecimento: o diálogo entre as ciências e a cidadania. Brasília, DF: UNESCO, Instituto de Psicologia da Universidade de Brasília, Liber Livro Editora, 2009. p. 85-100.

D’AMBROSIO, U. Etnomatemática: Elo entre as tradições e a modernidade. 4. ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2011.

DISTRITO FEDERAL. Guia da VI Plenarinha da Educação Infantil. Universo do Brincar: A criança do Distrito Federal e o Direito do Brincar. Brasília, DF: SEEDF, 2018.

FONSECA, T. S.; NEGREIROS, F. Como elaborar uma pesquisa em Psicologia Escolar fundamentada no Método Histórico-Cultural? In: NEGREIROS, F.; CARDOSO, J. R. Psicologia e educação: conexões Brasil – Portugal. Teresina, PI: EDUFPI, 2019. p. 460-483.

FRAGATA, C. O mal do Lobo Mau. 1. ed. Positivo, 2009.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 71. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2021.

FREITAS, M. T. A. A pesquisa qualitativa de abordagem histórico-cultural: fundamentos e estratégias metodológicas. In: REUNIÃO ANUAL DA ANPED, 30., 2007, Caxambu. Anais [...]. Caxambu, MG: Anped, 2007. Disponível em: http://www.anped.org.br/reunioes/30ra/minicursos/ementa%20do%20minicurso%20do%20gt20%20.pdf. Acesso em: 17 mar. 2023.

GADOTTI, M. Boniteza de um sonho: ensinar e aprender com sentido. 2. ed. São Paulo: Editora e Livraria Instituto Paulo Freire, 2011.

GUALTIERI, R. C. E.; LUGLI, R. G. A escola e o fracasso Escolar. São Paulo: Cortez, 2012.

IMBERNÓN, F. Formação docente e profissional: formar-se para a mudança e a incerteza. 9. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

LEONTIEV, A. Os princípios psicológicos da brincadeira pré-escolar. In: LEONTIEV, A.; LURIA, A. R.; VIGOTSKI, L. S. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. São Paulo: Ícone: Editora da Universidade de São Paulo, 1988.

MACHADO, N. J. Matemática e língua materna: análise de uma impregnação mútua. 3. Ed. São Paulo: Cortez, 1993.

MARCONI, M. de A.; LAKATOS, E. M. Metodologia do trabalho científico. 8. ed. São Paulo: Atlas, 2017.

MARTINHO, M. H. Prefácio. In: MOREIRA, G. E. (org.). Práticas de Ensino de Matemática em Cursos de Licenciatura em Pedagogia: Oficinas como instrumentos de aprendizagem. São Paulo: Editora Livraria da Física, 2020.

MÉSZAROS, I. A educação para além do capital. Tradução de Isa Tavares. 2. ed. São Paulo: Boitempo, 2008.

MOREIRA, G. E.; ALMEIDA, L. E. S. Como enfrentar o racismo em escolas públicas: conquistas e desafios. Revista EDaPECI: Educação a Distância e Práticas Educativas Comunicacionais e Interculturais, São Cristóvão, SE, v. 14, p. 403-419, 2014. Disponível em: https://seer.ufs.br/index.php/edapeci/article/view/1872. Acesso em: 15 mar. 2023.

MOURA, P. Os três porquinhos. 1. ed. [S. l.]: Pé da letra, 2019. (Clássico das virtudes amizade).

NACARATO, A. M. Eu trabalho primeiro no concreto. Revista de Educação Matemática, ano 9, n. 9-10, p. 1-6, 2004-2005. ©Sociedade Brasileira de Educação Matemática. Disponível em: https://pactuando.files.wordpress.com/2014/08/eu-trabalho-primeiro-no-concreto.pdf. Acesso: 28 fev. 2022.

NACARATO, A. M.; MENGALI, B. L. S.; PASSOS, C. L. B. A matemática nos anos iniciais do ensino fundamental: tecendo fios do ensinar e do aprender. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2009.

NICOLAU, M. L. M., DIAS, M. C. M. (org.). Oficinas de sonho e realidade: na formação do educador da infância. Campinas, SP: Papirus, 2003.

PICHON, L. Os três porquinhos malcriados e o Lobo Bom. [S. l.]: Ciranda Cultural, 2010.

SACRISTÁN, G. J. O aluno como invenção. Porto Alegre: Artmed, 2005.

SANTOS, H. R.; FERREIRA, A. T. R. J.; MOREIRA, G. E. O Papel do Agente Socioetnocultural Frente a Educação Escolar Quilombola e o Ensino de Matemática. In: Revista Eletrônica de Educação Matemática – REVEMAT, Floranópolis, p. 01-21, 2023. DOI: 10.5007/1981-1322.2023.e91061. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/revemat/article/view/91061/52697. Acesso: 28 fev. 2022.

SANTOS, P. O. Brinquedos, Culturas Infantis E Diversidade De Gênero: Uma Análise Sobre A 'Sexta-Feira: Dia Do Brinquedo' Na Educação Infantil. 2018. 160 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de São Paulo Escola de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Guarulhos, SP, 2018. Disponível em: https://repositorio.unifesp.br/handle/11600/52670. Acesso em: 07 abr. 2023.

SCHLIEMANN, A. D.; CARRAHER, D. W.; CARRAHER, T. N. Na vida dez, na escola zero. 10. ed. São Paulo: Cortez, 1995.

SCIESZKA, J. A verdadeira história dos três porquinhos por A. Lobo. 1. ed. [S. l.]: Companhia das Letrinhas, 1993.

SHAUGHNESSY, J. J.; ZECHMEISTER, E. B.; ZECHMEISTER, J. S. Metodologia de pesquisa em Psicologia. 9. ed. [S. l.]: McGraw-Hill, 2012.

SKOVSMOSE, O. Desafios de reflexão em Educação Matemática Crítica. [S. l.]: Papirus, 2008.

SMOLE, K. C. S. A Matemática na educação infantil: a teoria das inteligências múltiplas na prática escolar. Porto Alegre: Artes Médicas, 2000.

SMOLE, K. C. S.; CANDIDO, P.; STANCANELLI, R. Matemática e literatura infantil. 4. ed. Belo Horizonte, MG: Ed. Lê, 1999.

SMOLE, K. C. S.; DINIZ, M. I. S. V.; CÂNDIDO, P. T. Jogos de matemática de 1º a 5º ano. Porto Alegre: Artmed, 2007. (Série Cadernos do Mathema. Ensino Fundamental).

SOARES, M. Letramento e alfabetização: as muitas facetas. Revista Brasileira de Educação, n. 25. Jan./fev./mar./abr. 2004.

SOUZA, M. F. G. Aprendizagem, desenvolvimento e trabalho pedagógico na Educação Infantil: significados e desafios da qualidade. In: TACCA, M. C. V. R. (org.). Aprendizagem e Trabalho Pedagógico. Campinas, SP: Editora Alínea, 2014. p. 87-130.

SOUZA, M. N. M. de. Avaliação formativa em Matemática no contexto de jogos: a interação entre pares, a autorregulação das aprendizagens e a construção de conceitos. 2019. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade de Brasília, Brasília, DF, 2019.

TACCA, M. C. V. R. Processos de aprendizagem e perspectiva histórico-cultural: concepções e possibilidades em torno do movimento de inclusão. In: GALVÃO, A.; SANTOS, G. L. dos. Educação, arte e mídias, gênero, raça/etnia e juventude, educação, ambiental, diversidade e inclusão. Brasília, DF: Líber Livro: Anped, 2008. p. 131-146.

VERGNAUD, G. O que é aprender? In: MUNIZ, C. A.; BITTAR, M. (org.). A aprendizagem matemática na perspectiva da Teoria dos Campos Conceituais. 1. ed. Curitiba: Editora CRV, 2009. v. 1, p. 1-93.

VIGOTSKI, L. S. A brincadeira e o seu papel no desenvolvimento psíquico da criança. Revista Virtual de Gestão e Iniciativas Sociais, Rio de Janeiro, n. 8, 2008. Disponível em: https://atividart.files.wordpress.com/2016/05/a-brincadeira-e-seu-papel-no-desenvolvimento-psiquico-da-crianc3a7a.pdf Acesso em: 02 maio 2022.

VIGOTSKI, L. S. Psicologia Pedagógica. Porto Alegre: Artmed, 2003.

VIGOTSKI, L. S. Pensamento e linguagem. Tradução de Jefferson Luiz Camargo. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

Publicado

13/03/2024

Como Citar

SOUZA, M. N. M. de; FERREIRA, A. T. R. de J.; MOREIRA, G. E. O lugar da literatura no ensino-aprendizagem da Matemática no contexto da formação inicial docente. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 19, n. 00, p. e024031, 2024. DOI: 10.21723/riaee.v19i00.18508. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/18508. Acesso em: 22 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos teóricos