Memória, infância e brincar em escritos de Walter Benjamin: Cultura lúdica, processo de formação e prática docente

Autores

  • Claudia Ximenez Alves
  • Marilda da Silva
  • Paula Ramos de Oliveira

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v6i3.5000

Resumo

Este texto tem como objetivo apresentar reflexões do pensador Walter Benjamin, um dos mais instigantes intelectuais da modernidade, buscando caracterizar por intermédio da leitura de seus escritos a relação que o autor estabelece entre brincar na infância e cultura lúdica, mais precisamente sobre a memória do brincar e as relações existentes entre infância, cultura, história e memória na sociedade contemporânea pós século XX. Para tanto, nos pautamos em notas, ensaios, traduções e artigos de Benjamin nos quais identificamos concepções de infância e cultura lúdica representadas em experiências vividas em espaços, formas de brincar e tipos de brinquedos constituídos por (e constituintes de) seu paradigma. Observamos no pensamento benjaminiano uma visão de infância não infantilizada, não simplista e não reducionista. Suas obras permitem-nos discutir e justificam a necessidade de uma análise mais apurada sobre o fenômeno da formação e da prática docente no interior do cotidiano infantil escolar. Ao revisitar as idéias originais, críticas e irreverentes de Benjamin, pensando a Educação com e a partir dele, espera-se contribuir com outros estudos que, no campo da educação, vêm elucidando perspectivas acerca do processo de formação e prática docente em relação à cultura lúdica infantil, mais precisamente acerca da infância e dos lugares da infância no contexto contemporâneo.

Downloads

Como Citar

ALVES, C. X.; SILVA, M. da; OLIVEIRA, P. R. de. Memória, infância e brincar em escritos de Walter Benjamin: Cultura lúdica, processo de formação e prática docente. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 6, n. 3, p. 46–56, 2012. DOI: 10.21723/riaee.v6i3.5000. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/5000. Acesso em: 25 fev. 2021.

Edição

Seção

Artigos