Pedagogia bilíngue: dilemas e desafios na formação de professores

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22633/rpge.unesp.v22.nesp2.dez.2018.11912

Palavras-chave:

Educação de surdos, Bilinguismo, Formação de professores de surdos, Língua Brasileira de Sinais (Libras).

Resumo

Este ensaio teórico pretendeu discutir e problematizar as incoerências existentes entre as concepções sobre educação bilíngue que orientam as ações educacionais com alunos surdos e as propostas de formação docente para consolidação de tais ações no contexto educacional inclusivo. A sistematização da educação bilíngue preconizada pela legislação nacional, sob a égide da atual política educacional inclusiva, suscita dilemas na medida em que parece demarcar o desencontro entre as políticas públicas e/ou dispositivos legais vigentes, as propostas de formação inicial de professores e a realidade educacional. A ideia de que bastaria a presença da Língua Brasileira de Sinais (Libras) nos ambientes de aprendizagem do aluno surdo (classes e escolas) e em cursos de pedagogia, para se efetivar a implementação da abordagem bilíngue, é refutada. É analisado o lugar da Libras refletindo-se sobre o seu papel em uma proposta efetivamente bilíngue e inclusiva para alunos surdos.

Biografia do Autor

Claudia Regina Mosca Giroto, Universidade Estadual Paulista (UNESP)

Possui graduação em Fonoaudiologia, pela Faculdade de Filosofia e Ciências - FFC/Campus de Marília, da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP (1993), mestrado (1998) e doutorado (2006) em Educação, pelo Programa de Pós-Graduação em Educação, da Faculdade de Filosofia e Ciências (FFC)/UNESP/Campus de Marília/SP. Docente do Departamento de Educação Especial/Curso de Pedagogia; do curso de especialização em Formação de Professores em Educação Especial: apoio à escola inclusiva; e dos Programas de Pós-Graduação em Educação da FFC/UNESP/Campus de Marília/SP e em Educação Escolar, da Faculdade de Ciências e Letras (FCLAr)/UNESP/Campus de Araraquara/SP. Possui experiência nas áreas de Educação e Saúde (Fonoaudiologia, Educação Inclusiva e Educação Especial). Atua, principalmente, com os seguintes temas: educação inclusiva; educação especial; interdisciplinaridade saúde e educação; fonoaudiologia educacional; linguagem escrita; surdez; inclusão e desmedicalização da educação. 

Joice Emanuele Munhoz Cicilino, Universidade Estadual Paulista (UNESP)

estre em Educação Escolar pela UNESP/ Araraquara. Possui graduação em Pedagogia e especialização em Educação e Novas Tecnologias. Atualmente é Professora na rede Municipal de Ribeirão Preto e Professora Tutora Presencial no curso de Pedagogia na Faculdade Anhanguera de Ribeirão Preto. Tem experiência na área de Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: educação inclusiva; educação bilíngue para surdos; formação de professores; educação a distância.

Rosimar Bortolini Poker, Universidade Estadual Paulista (UNESP)

ossui graduação em Pedagogia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1988), realizou mestrado (1995) e doutorado (2001) em Educação, pela Faculdade de Filosofia e Ciências - Unesp. Desde 1996 é professora assistente doutor da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho vinculada ao Departamento de Educação Especial exercendo atividades nos cursos de Pedagogia e Terapia Ocupacional.

Referências

ANGELUCCI, C. B.; LUZ, R. D. Contribuições da escola para a (de)formação dos sujeitos surdos. Revista Semestral da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional, v. 14, n. 1, p. 35-4, 2010.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: língua portuguesa. Brasília: A Secretaria, 1997.

BRASIL. Lei n º 10.436, de 24 de abril de 2002. Brasília, DF: Diário Oficial da União, 2002. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10436.htm. Acesso em: 20 ago. 2018.

BRASIL. Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Brasília, DF: Diário Oficial da União, 2005. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/decreto/d5626.htm. Acesso em: 20 ago. 2018.

BRASIL. Resolução CNE/CP nº 1/2006, de 15 de maio de 2006. Brasília, DF: Diário Oficial da União, 2006. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rcp01_06.pdf. Acesso em: 20 ago. 2018.

BRASIL. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília: MEC, SEESP, 2008. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/politica.pdf. Acesso em: 20 ago. 2018.

BRASIL. Decreto 6.949, de 25 de agosto de 2009. Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência. Brasília, DF: Diário Oficial da União, 2009. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/decreto/d6949.htm. Acesso em: 20 ago. 2018.

BRASIL. Resolução nº 4, de 2 de outubro de 2009. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/rceb004_09.pdf. Acesso em: 25 out 2018.

BRASIL. Decreto nº. 7.611, de 17 de novembro de 2011. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2011/Decreto/D7611.htm. Acesso em: 25 out 2018.

CICILINO, J. E. M. Políticas de formação de professores na perspectiva bilíngue – o caso do INES. 2017. 106p. Dissertação (Mestrado em Educação Escolar), Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista, Araraquara, 2017.

GIROTO, C. R. M.; CASTRO; R. M. A formação de professores para a Educação Inclusiva: alguns aspectos de um trabalho colaborativo entre pesquisadores e professores da Educação Infantil. Rev. Educ. Espec., Santa Maria, v. 24, n. 41, p. 441-452, 2011.

GIROTO, C. R. M.; PINHO, G. G.; MARTINS, S. E. S. O. M. A disciplina de Libras na pedagogia: em análise a formação do formador. In: POKER, R. B.; MARTINS, S. E. S. O.; GIROTO, C. R. M. (Org). Educação inclusiva: em foco a formação de professores. São Paulo:Cultura Acadêmica; Marília: Oficina Universitária, 2016, p. 153-171.

GLAT, R.; PLETSCH, M. D. O papel da Universidade frente às políticas públicas para educação inclusiva. Revista Benjamin Constant, Rio de Janeiro, p. 3-8, 2004.

GLAT, R.; PLETSCH, M. D. O papel da Universidade no contexto da política de Educação Inclusiva: reflexões sobre a formação de recursos humanos e a produção de conhecimento. Rev. Educ. Espec., v. 2, p. 345-356, 2010.

LACERDA, C. B. F.; LODI, A. C. B. A inclusão escolar bilíngue de alunos surdos: princípios, breve histórico e perspectivas. In: LODI, A.C.B.; LACERDA, C.B.F. Uma escola duas línguas: letramento em língua portuguesa e língua de sinais nas etapas iniciais de escolarização. Porto Alegre: Editora Mediação, 2009, p. 11-32.

LACERDA, C. B. F.; ALBRES, N. A.; DRAGO, S. L. S. Política para uma educação bilíngue e inclusiva a alunos surdos no município de São Paulo. Educ. Pesqui., São Paulo, v. 39, n. 1, p. 65-80, 2013.

LODI, A. C. B. Educação bilíngue para surdos e inclusão segundo a Política Nacional de Educação Especial e o Decreto n0 5.626/05. Educ. Pesqui., São Paulo, v. 39, n. 1, p. 49-63, 2013.

PEDROSO, C. C. A. Os Cursos de Pedagogia do Estado de São Paulo e a formação do professor na perspectiva da Educação Inclusiva: o que indicam as matrizes curriculares. In: POKER, R. B.; MARTINS, S. E. S. de O.; GIROTO, C. R. M. (Org). Educação inclusiva: em foco a formação de professores. São Paulo: Cultura Acadêmica; Marília: Oficina Universitária, 2016, p. 33-58.

POKER, R. B.; FERNANDES, J. J.; COLANTONIO, S. Inclusão e Formação de Professores: Análise dos Projetos Pedagógicos dos cursos de Pedagogia da Universidade Federal de São Carlos, Universidade Federal de Santa Cataria e Universidade Estadual Paulista. In: POKER, R. B.; MARTINS, S. E. S. de O.; GIROTO, C. R. M. (Org). Educação inclusiva: em foco a formação de professores. São Paulo: Cultura Acadêmica; Marília: Oficina Universitária, 2016, p. 59-76.

POKER, R. B.; MARTIN, S. E. S. O.; GIROTO, C. R. M. Educação inclusiva: em foco a formação de professores. São Paulo: Cultura Acadêmica. Marília: Oficina Universitária, 2016.

SANTOS, L. F. S.; CAMPOS, M. L. I. L. Educação Especial e Educação Bilíngue para surdos: As contradições da inclusão. In: ALBRES, N. A.; NEVES, S. L. G (Org). Libras em estudo: política educacional. São Paulo: FENEIS, 2013, p. 13-38.

SÃO PAULO. Decreto nº 52.785, de 10 de novembro de 2011. Cria as Escolas Municipais de Educação Bilíngue para Surdos – EMEBS na Rede Municipal de Ensino. Diário Oficial da Cidade de São Paulo, São Paulo, 22 nov. 2011

UNESCO. Conferência Mundial de Educação para Todos. Declaração mundial sobre educação para todos e Plano de ação para satisfazer as necessidades básicas de aprendizagem. Jomtien, Tailândia: março de 1990. Disponível em: http://www.unicef.org/brazil/pt/resources_10230.htm. Acesso em: 20 ago. 2017.

UNESCO. Declaração de Salamanca e linha de ação sobre necessidades educativas especiais. Brasília: UNESCO, 1994. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/salamanca.pdf. Acesso em: 20 ago. 2017.

Downloads

Publicado

01/12/2018

Como Citar

Giroto, C. R. M., Cicilino, J. E. M., & Poker, R. B. (2018). Pedagogia bilíngue: dilemas e desafios na formação de professores. Revista on Line De Política E Gestão Educacional, 22(2), 778–793. https://doi.org/10.22633/rpge.unesp.v22.nesp2.dez.2018.11912

Edição

Seção

Artigos