O papel dos organismos internacionais na reforma gerencial da educação brasileira: os sistemas de avaliação educacional em larga escala como instrumentos da pedagogia política do capital.

Thiago de Jesus Esteves, José dos Santos Souza

Resumo


Há três décadas o capital está mergulhado em uma crise orgânica que tem condicionado a manutenção de suas bases de acumulação, o que levou a um processo de recomposição burguesa, a fim de reestruturar o trabalho e a produção, bem como reconfigurar a relação entre o Estado e a sociedade civil. Tal processo, atinge todas as esferas da vida social, inclusive as políticas de formação humana, que assumem caráter estratégico, tanto para formação de trabalhadores de novo tipo, quanto para conformação ética e moral da sociedade civil. Neste contexto, percebe-se que os organismos internacionais, notadamente a UNESCO, o Grupo Banco Mundial e a OCDE passaram por transformações significativas, assumindo novo papel no planejamento e formulação das políticas educacionais dos seus Estados-membros, de modo a criar um consenso em torno de uma pedagogia política do capital, para a qual os sistemas de avaliação educacional em larga escala são um elementos estratégico.

Palavras-chave


Organismos internacionais; Reforma gerencial; Avaliação educacional.

Texto completo:

PDF/A PDF/A (English)

Referências


BANCO MUNDIAL. Educación Primária. Washington (DC): Banco Mundial, 1992. 83 p.

CNPQ/Plataforma Lattes. Currículo de Aloizio Mercadante. Brasília (DF): 2019. Disponível em: . Acesso em: 28 ago. 2019.

CNPQ/Plataforma Lattes. Currículo de Cristovam Buarque. Brasília (DF): 2019. Disponível em: . Acesso em: 28 ago. 2019.

CNPQ/Plataforma Lattes. Currículo de Fernando Haddad. Brasília (DF): 2019. Disponível em: . Acesso em: 28 ago. 2019.

CNPQ/Plataforma Lattes. Currículo de José Henrique Paim Fernandes. Brasília (DF): 2019. Disponível em: . Acesso em: 28 ago. 2019.

CNPQ/Plataforma Lattes. Currículo de Renato Janine Ribeiro. Brasília (DF): 2019. Disponível em: . Acesso em: 28 ago. 2019.

COELHO, Jaime Cesar. Economia, Poder e Influência Externa: o Banco Mundial e os anos de ajuste na América Latina. São Paulo: Editora UNESP, 2012. 284 p.

ENGUITA, Mariano Fernández. Tradução de Tomaz Tadeu da Silva. O discurso da qualidade e a qualidade do discurso. p. 93-110. In: GENTILI. Pablo A. A.; SILVA, Tomaz Tadeu da (Orgs.). Neoliberalismo, Qualidade Total e Educação: visões críticas. Petrópolis (RJ): Vozes, 1994. 203 p.

FERNANDES, Florestan. Capitalismo Dependente e Classes Sociais na América Latina. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1975. 122 p.

FERNÁNDEZ, Paúl Torres et al. Evaluación de la Calidad de la Educación en Cuba: fundamentos, estrutura y resultados. La Habana (Cuba): Ministerio de Educación, 2009. 116 p.

FGV/CPDOC. Verbete Aloizio Mercadante Oliva. Rio de Janeiro: 2019. Disponível em: . Acesso em: 28 ago. 2019.

FGV/CPDOC. Verbete Cid Gomes. Rio de Janeiro: 2019. Disponível em: . Acesso em: 28 ago. 2019.

FGV/CPDOC. Verbete Cristovam Ricardo Cavalcanti Buarque. Rio de Janeiro: 2019. Disponível em: . Acesso em: 28 ago. 2019.

FGV/CPDOC. Verbete Fernando Haddad. Rio de Janeiro: 2019 Disponível em: . Acesso em: 28 ago. 2019.

FGV/CPDOC. Verbete Paulo Renato Costa Sousa. Rio de Janeiro: 2019. Disponível em: . Acesso em: 28 ago. 2019.

FGV/CPDOC. Verbete Tarso Fernando Herz Genro. Rio de Janeiro: 2019. Disponível em: . Acesso em: 28 ago. 2019.

FIGUEIREDO, Bruno de Oliveira. Pedagogia Política Renovada e a Política Pública de Trabalho, Qualificação e Geração de Renda: a institucionalidade da conformação das classes subalternas. In: Trabalho Necessário. Niterói (RJ), ano 11, n. 16, p. 1-19, 2013.

FONSECA, Marília. O Financiamento do Banco Mundial à Educação Brasileira: vinte anos de cooperação internacional. In: TOMMASI, Lívia de; WARDE, Mirian Jorge; HADDAD, Sérgio (Orgs.). O Banco Mundial e as Políticas Educacionais. São Paulo: Editora Cortez, 1996. p. 229-251.

GRAMSCI, Antonio. Cadernos do Cárcere. Volume 3: Maquiavel. notas sobre o Estado e a política. Tradução de Carlos Nelson Coutinho. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2016. 431 p.

GRAMSCI, Antonio. Maquiavel, a Política e o Estado Moderno. Tradução de Luiz Mário Gazzaneo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1980. 444 p.

KEELEY, Brian. Capital Humano: Cómo influye en su vida lo que usted sabe. Paris: Ediciones Castillo-OCDE, 2007. 165 p.

LANDIM, Vanessa; BORGHI, Raquel. Princípios gerencialistas na educação pública e na atuação do Professor Coordenador. Revista on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, v. 24 n. 1, p. 24-36, jan./abr., 2020. e-ISSN: 1519-9029. DOI: https://doi.org/10.22633/rpge.v24i1.12703

LARACH, Linda P.; LOCKHEED, Marlaine E. World Bank Lending for Educational Testing: a general operational review. Wasington (DC): World Bank, 1992. 94 p.

LOSURDO, Domenico. Com Gramsci, além de Marx e além de Gramsci. Educação em Foco, v.5, n.2, set./fev., 2000/2001. 63-80 p.

MACEDO, Jussara Marques de. Formação para o Trabalho Docente. Curitiba: Appris, 2017. 303 p.

MARX, Karl. Manuscritos Econômicos-Filosóficos. Tradução de Jesus Ranieri. São Paulo: Boitempo, 2004. 176 p.

MUNDY, Karen. El multilateralismo educativo y el (des)orden mundial. In: BONAL, Xavier; TARABINI-CASTELLANI, Aina; VERGER, Antoni (Orgs.). Globalización y Educación. Buenos Aires: Miño y Dávila, 2007. p. 117-161.

OECD. About. Paris (France): OECD, 2020. Disponível em: . Acesso em: 28 abr. 2020.

PEREIRA, João Márcio Mendes. O Banco Mundial como Ator Político, Intelectual e Financeiro: 1944-2008. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010. 502 p.

PRONKO, Marcela Alejandra. Modelar o Comportamento: Novas estratégias do Banco Mundial para a educação na periferia do capitalismo. Revista Trabalho, Política e Sociedade. Nova Iguaçu (RJ), v.4, n.6, p. 167-180, 2019.

RUIZ, Guilhermo Ramón. El papel de los Organismos Internacionales en las reformas educativas de América Latina. Journal of Supranational Policies of Education, Madrid (España), n° 4, p. 02-16, 2016.

SOUZA, Paulo Renato. A Revolução Gerenciada: educação no Brasil (1995-2002). São Paulo: Prentice Hall, 2005. 235 p.

THERRIEN, Jacques. Algumas lições da Avaliação do Programa EDURURAL/NE – 1981-1985. Fortaleza (Ceará): UFCE, 2014. Disponível em: < http://jacquestherrien.com.br/wp-content/uploads/2014/05/Li%C3%A7%C3%B5es-da-Avalia%C3%A7%C3%A3o-do-EDURURAL-NE-1981-85.pdf >. Acesso em: 15 jan. 2019.

TORRES, Ana Paula; KERBAUY, Maria Teresa Miceli. Um olhar estratégico para a gestão educacional: uma análise dos contornos gerenciais propostos pela reforma do Estado. Revista on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, v. 23, n. 1, p. 6-30, jan./abr., 2019.

UNESCO. What we do. Paris (France): UNESCO, 2020. Disponível em: . Acesso em: 28 abr. 2020.

UNESCO/World Bank/International Labor Organization. Declaração de Incheon e Marco de Ação para a Implementação do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 4: assegurar a educação inclusiva e equitativa de qualidade, e promover oportunidades de aprendizagem ao longo da vida para todos. Brasília (DF): UNESCO/World Bank/ILO, 2015. 83 p.

UNESCO/LECCE. Los Sistemas de Medición y Evaluación de la Calidad de la Educación. Santiago (Chile): UNESCO/LECCE, 1997. 41 p.

WORLD BANK. Who we Are. Washington (DC): World Bank, 2020. Disponível em: Acesso em: . Acesso em: 28 abr. 2020.




DOI: https://doi.org/10.22633/rpge.v24iesp1.13791



Rev. on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1519-9029

DOI prefix: 10.22633/rpge

Licença Creative Commons 

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.