Currículo referência da rede estadual da educação de Goiás e políticas curriculares nacionais

Contexto histórico, desdobramentos e implicações

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22633/rpge.v26i00.16460

Palavras-chave:

Políticas educacionais, Diretrizes curriculares, Educação

Resumo

A partir de um estudo bibliográfico e documental, o intuito do artigo é compreender as implicações das Políticas Curriculares Nacionais da década de 1990 para a organização das Diretrizes Curriculares do Ensino Fundamental e Médio no Estado de Goiás, bem como os desdobramentos destas políticas até a implementação da Base Nacional Comum Curricular. Os resultados evidenciaram que, mesmo antes e após a implementação das Diretrizes Curriculares para os Ensinos Fundamental e Médio em Goiás, a classe hegemônica, detentora dos meios de produção, controla os caminhos da educação nacional, regida sob o ritmo do capital. Desse modo, contrapor-se às políticas hegemônicas, é continuar na luta política, social e educacional que vislumbre teorias pedagógicas e curriculares que garantam o acesso dos indivíduos aos conhecimentos historicamente desenvolvidos pela humanidade, superando a visão imediata e limitada da realidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Giselle Ferreira Alves Guimarães, Universidade Federal de Goiás (UFG), Goiânia – GO – Brasil

Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Educação. Docente da Secretaria do Estado de Educação de Goiás (SEDUC).

Michele Silva Sacardo, Universidade Federal de Jataí (UFJ), Jataí – GO – Brasil

Docente do Programa de Pós-Graduação em Educação. Doutorado em Educação (UFSCAR).

Referências

APPLE, M. W. Ideologia e Currículo. Tradução Vinícius Figueira. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2006.

BRASIL. Ministério da Administração Federal e Reforma do Estado. Plano Diretor da Reforma do Aparelho do Estado. Brasília: Presidente da República. 1995. Disponível em: http://www.biblioteca.presidencia.gov.br/publicacoes-oficiais/catalogo/fhc/plano-diretor-da-reforma-do-aparelho-do-estado-1995.pdf. Acesso em: 2 mar. 2018.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, 23 dez. 1996.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: introdução aos parâmetros curriculares nacionais / Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: introdução aos parâmetros curriculares nacionais / Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Médio. Brasília: MEC, 2000.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular: Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio. Brasília: MEC/Secretaria de Educação Básica, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/a-base. Acesso em: 12 fev. 2019.

BRITO, R. D. S. A crítica de Marx ao conceito de cidadania. Revista da Faculdade de Direito da UFRGS, Porto Alegre, v. 39, v. esp., p. 129-140, dez. 2018. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/revfacdir/article/view/84654/51647. Acesso em: 12 abr. 2019.

FRIGOTTO, G.; CIAVATTA, M. Educação básica no Brasil na década de 1990: subordinação ativa e consentida à lógica do mercado. Educação e sociedade, v. 24, n. 82, p. 93-130, 2003. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/%0D/es/v24n82/a05v24n82.pdf. Acesso em: 14 abr. 2019.

GANDIN, L. A.; LIMA, I. G. A perspectiva de Michael Apple para os estudos das políticas educacionais. Educação e Pesquisa, v. 42, n. 3, p. 651-664, 2016. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/298/29847323005.pdf. Acesso em: 12 abr. 2018.

GOIÁS, SEDUC/SEM. Reorientação Curricular do 1º ao 9º ano. Currículo em Debate 1, 2009a.

GOIÁS, SEDUC/SEM. Reorientação Curricular do 1º ao 9º ano. Currículo em Debate 2, 2009b.

GOIÁS, SEDUC/SEM. Reorientação Curricular do 1º ao 9º ano. Currículo em Debate 3, 2009c.

GOIÁS, SEDUC/SEM. Reorientação Curricular do 1º ao 9º ano. Currículo em Debate 4, 2009d.

GOIÁS, SEDUC/SEM. Reorientação Curricular do 1º ao 9º ano. Currículo em Debate 5, 2009e.

GOIÁS, SEDUC/SEM. Reorientação Curricular do 1º ao 9º ano. Currículo em Debate 6, 2009f.

GOIÁS, SEDUC/SEM. Reorientação Curricular do 1º ao 9º ano. Currículo em Debate 7, 2009g

GOIÁS, SEDUC/SEM. Diretrizes Operacionais da Rede Pública Estadual de Ensino de Goiás 2009/2010, 2009h.

GOIÁS, SEDUC/SEM. Currículo Referência da Rede Estadual de Educação de Goiás, 2012.

LIBANEO, J. C. O dualismo perverso da escola pública brasileira: escola do conhecimento para os ricos, escola do acolhimento social para os pobres. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 38, n. 1, p. 13-28, mar. 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ep/v38n1/aop323. Acesso em: 12 abr. 2018.

LIMA, A. B.; SANTIAGO, S. H. M. Reforma do Estado e controle avaliativo. In: LIMA, A. B. (Org.) Estado e o controle social no Brasil. Uberlândia: EDUFU, 2011. p. 37-60.

MANCEBO, D. Políticas para a educação superior e cultura universitária: o exercício da solidão no ideário neoliberal. Revista Internacional de Estudos Políticos, Rio de Janeiro, v. 1, n. 2, p. 463-480, 1999. Disponível em: http://www.anped11.uerj.br/21/MANCEBO.htm. Acesso em: 15 jan. 2019.

MÁRKUS, G. A teoria do conhecimento no jovem Marx. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1974.

MARX, K. 1818-1883. A questão judaica. Karl Marx. Tradutor: Silvio Donizete Chagas. 5. ed. São Paulo: Centauro, 2005.

MARX, K. Contribuição à crítica da economia política. Tradução e introdução: Florestan Fernandes. 2. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2008

MARX, K.; ENGELS, F. A ideologia alemã: crítica da mais recente filosofia alemã e seus representantes Feuerbach, B. Bauer e Stiner, e do socialismo alemão em seus diferentes profetas (1845-1846). São Paulo: Boitempo, 2007.

MELNIK, S.; TAMM, S. Leituras Liberais sobre Educação. Brussels, Belgium: FNFF, 2014.

ORSO, P. J. Neoliberalismo: equívocos e consequências. In: LOMBARDI, J. C.; SANFELICE, J. L. (org.). Liberalismo e educação em debate. Campinas, SP: Autores Associados, Histedbr, 2007 – (Coleção Educação contemporânea).

ORSO, P. J. As possibilidades e limites da educação na sociedade de classes. In: SEMINÁRIO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA, SOCIEDADE E EDUCAÇÃO NO BRASIL,9., 2012. João pessoa. Anais [...]. João pessoa: Universidade Federal da Paraíba, 2012. p. 3840-3854. Disponível em: https://histedbrnovo.fe.unicamp.br/pf-histedbr/seminario/seminario9/PDFs/6.10.pdf. Acesso em: 23 maio 2018.

PETRAS, J.; VELTMEYER, H. Brasil de Cardoso: a desapropriação do país. Tradução: Jaime A. Clasen. Petrópolis, RJ: Vozes, 2001.

SACARDO, M. S. Estudo bibliométrico e epistemológico da produção científica em Educação Física na Região Centro-Oeste do Brasil. 2013. 255f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2012. Disponível em: https://repositorio.ufscar.br/bitstream/handle/ufscar/2288/4778.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 12 abr. 2018.

SANTOS, H. K. R.; SACARDO M. S. A política de formação de professores: o estado da arte sobre o Pibid na Pós-Graduação em Educação. Revista on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, v. 22, n. 3, p. 1168-1181, set./dez., 2018. E-ISSN:1519-9029. DOI:10.22633/rpge.v22i3.11404

SAVIANI, D. A lei da educação: LDB: trajetória, limites e perspectivas. 13. ed. rev. atual. e ampl. Campinas, SP: Autores Associados, 2016.

SAVIANI, D.; DUARTE, N. A formação humana na perspectiva histórico-ontológica. Revista Brasileira de Educação, v. 15, n. 45, p. 422-433, 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v15n45/02. Acesso em: 13 jul. 2018.

Downloads

Publicado

31/03/2022

Como Citar

GUIMARÃES, G. F. A.; SACARDO, M. S. Currículo referência da rede estadual da educação de Goiás e políticas curriculares nacionais: Contexto histórico, desdobramentos e implicações. Revista on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, v. 26, n. 00, p. e022008, 2022. DOI: 10.22633/rpge.v26i00.16460. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/rpge/article/view/16460. Acesso em: 25 maio. 2022.