Sentidos de uma época e de um tempo - escola rural, escola urbana (a construção da diferença): transição política do século XIX para o XX

Virgínia Pereira da Silva de Ávila

Resumo


Neste texto analisa-se a genealogia da diferenciação entre escola rural e escola urbana. Tema presente naquele que deveria ter sido o “I Congresso da Instrucção”, no Rio de Janeiro, em 1883, o ensino nos municípios rurais foi alvo dos pareceres remetidos por João Barbalho Uchôa Cavalcanti, Amaro Cavalcânti e Antônio Bahia da Silva Araújo (Baia). Nos termos de Primitivo Moacyr (1939), essas foram as três únicas sugestões sobre o ensino rural no Congresso de Instrução de 1883. E foram também as primeiras e únicas vozes que se levantaram nos 60 anos de regime imperial no Brasil em prol das largas populações camponesas. A passagem de um regime político para outro com o advento da Proclamação da República não modificou a realidade enfrentada pela população do campo no acesso à escola elementar. Além da precariedade das instalações e da formação de seus professores, aliada a escassez de escolas primárias na zona rural, as concepções de ensino oscilaram entre a adoção do modelo de escola difundido nos centros urbanos e outro modelo específico para a zona rural.

Palavras-chave


Ensino rural; Diferenciação; Concepções;

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22633/rpge.v0i12.9329



Rev. on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1519-9029

DOI prefix: 10.22633/rpge

Licença Creative Commons 

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.