Tecnologias na educação e suas transformações

Um olhar a partir do conceito de capital cultural

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22633/rpge.v26i00.16061

Palavras-chave:

História, Tecnologia, Educação, Capital cultural

Resumo

Este artigo tem como objetivo analisar aspectos da história das tecnologias inseridas na educação, visando o desenvolvimento educacional, sob a luz do conceito de “capital cultural”, de Pierre Bourdieu, considerando parte do processo sócio-histórico as mudanças e usos delas na educação contemporânea que ocorreram em consonância com uma nova cultura, uma vez que a escola não é uma instituição neutra. Compreendemos as mudanças socioeducacionais associadas a um contexto mais amplo. E a escola também se transforma na medida em que inclui em seu currículo e nas práticas o uso das Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação (TDIC). Partimos da problemática relacionada ao processo histórico da inserção das tecnologias digitais na Educação Básica e como podem acarretar no desenvolvimento do processo de ensino e aprendizagem? Será uma pesquisa bibliográfica, levando em consideração os pressupostos teóricos defendidos por: Bourdieu (2004), Saviani (1991), Kenski (2012) e Duarte (2008). A pesquisa evidenciou que houve professores que não deram a atenção necessária, relutando em inserir as TDIC em suas aulas. Outros foram em busca de informações e capacitação para que pudessem ministrar aulas de forma virtual, agregando um novo capital cultural à sua prática.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lilian Maia Borges Testa, Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR), Paranavái – PR – Brasil

Mestranda em Formação Docente Interdisciplinar (UNESPAR).

Márcia Marlene Stentzler, Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR), Paranavái – PR – Brasil

Docente Adjunta. Doutorado em Educação (UFPR). Pós-doutoranda (UNICAMP).

Referências

BOURDIEU, P. A economia das trocas simbólicas. Tradução: Sergio Miceli, Silvia de Almeida Prado, Sonia Miceli e Wilson Campos Vieira. São Paulo: Perspectiva, 2004.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF: Presidência da República, 1996. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 20 jan. 2021.

BRITO, G. S.; PURIFICAÇÃO, I. Educação e novas tecnologias: Um (re)pensar. Curitiba: InterSaberes, 2012.

DAVIS, N. Z. Culturas do povo: Sociedade e cultura no início da França moderna. 2. ed. Tradução: Marisa Corrêa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1990.

DORIGONI, G. M. L.; SILVA, J. C. Mídia e educação: O uso das novas tecnologias no espaço escolar. Curitiba: Secretaria de Educação do Estado do Paraná, 2007. Disponível em: http://www.gestaoescolar.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/producoes_pde/artigo_gilza_maria_leite_dorigoni.pdf. Acesso em: 21 set. 2021.

DUARTE, N. Sociedade do conhecimento ou sociedade das ilusões? Quatro ensaios crítico-dialéticos em filosofia da educação. Campinas, SP: Autores Associados, 2008.

FERRARI, R. Internet. In: MILL, D. (org.). Dicionário crítico de educação e tecnologias e de educação à distância. Campinas, SP: Papirus, 2018.

KENSKI, V. M. Educação e tecnologias: O novo ritmo da informação. Campinas, SP: Papirus, 2012.

KUHN, T. S. A estrutura das revoluções científicas. São Paulo: Editora Perspectiva, 1998.

LÉVY, P. As tecnologias da inteligência: O futuro do pensamento na era da informática. Tradução: Carlos Irineu da Costa. Rio de Janeiro: Editora 34, 1993.

MORAN, J. M. Ensino e aprendizagem inovadores com tecnologias audiovisuais e telemáticas. In: MORAN, J. M.; MASETTO, M. T.; BEHRENS, M. A. Novas tecnologias e mediação pedagógica. Campinas, SP: Papirus, 2003.

PIES, N. G. Capital cultural e educação em Bourdieu. 2011. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade de Passo Fundo, Passo Fundo, 2011. Disponível em: http://tede.upf.br/jspui/handle/tede/706. Acesso em: 11 abr. 2022.

PINTO, A. V. O conceito de tecnologia. Rio de Janeiro: Contraponto, 2005.

PINTO, M. M. Tecnologia e inovação. 2. ed. Florianópolis: Departamento de Ciências da Administração (UFSC), 2014.

SANCHO-GIL, J. M. Tecnologia Educacional. In: MILL, D. (org.). Dicionário crítico de educação e tecnologias e de educação à distância. Campinas, SP: Papirus, 2018.

SANTINELLO, J. Tecnologias da informação e comunicação (TIC) aplicadas à formação do gestor escolar. Guarapuava, PR: UNICENTRO, 2013.

SAVIANI, D. Pedagogia histórico-crítica: Primeiras aproximações. 2. ed. São Paulo: Cortez; Autores Associados, 1991.

SOARES, L. V.; COLARES, M. L. I. S. Educação e tecnologias em tempos de pandemia no Brasil. Revista Debates em Educação, Maceió; v. 12, n. 28, set./dez. 2020. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/10157/pdf. Acesso em 18 set. 2022.

TAJRA, S. F. Informática na educação. 5. ed. São Paulo: Editora Érica Ltda, 2012.

Publicado

30/09/2022

Como Citar

TESTA, L. M. B.; STENTZLER, M. M. Tecnologias na educação e suas transformações: Um olhar a partir do conceito de capital cultural. Revista on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, v. 26, n. 00, p. e022128, 2022. DOI: 10.22633/rpge.v26i00.16061. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/rpge/article/view/16061. Acesso em: 4 dez. 2022.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Artigos Semelhantes

1 2 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.