A normalista Julia Wanderley: decisão, sensibilidade e necessidades sociais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22633/rpge.v25i1.14017

Palavras-chave:

Docência, Escolas, Mulher

Resumo

O objetivo deste artigo é resgatar aspectos da trajetória acadêmico-social de Julia Wanderley, a primeira mulher paranaense a frequentar e concluir o curso normal no Século XIX. Para tanto, destacaremos o contexto educacional formativo e o processo de inserção da figura feminina nos espaços de poder, com ênfase na formação de professores nesta província, posteriormente, estado do Paraná. A luta de Julia Wanderley marca a luta da mulher pelo direito à escolarização, contra objeções e preconceitos, conquistando o direito a frequentar e se formar em uma escola normal. Mulheres como ela avançaram no combate ao conservadorismo social e limitações impostas ao direito e à profissionalização feminina. A iniciativa de Julia Wanderley trouxe mudanças para o cenário educacional paranaense, incentivando outras mulheres a buscar a formação na escola normal e se tornarem professoras normalistas, socialmente respeitadas e reconhecidas junto às comunidades onde atuavam.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcia Marlene Stentzler, Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR), Paranavaí – PR

Professora Adjunta no Curso de Pedagogia e Docente no Programa de Pós-graduação em Ensino: Formação Docente Interdisciplinar. Doutorado em Educação (UFPR).

Elaine Maestre Polido de Araújo, Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR), Paranavaí – PR

Mestranda no Programa de Pós-graduação em Ensino: Formação Docente Interdisciplinar.

Luiz Felipe Marques, Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR), Paranavaí – PR

Mestrando no Programa de Pós-graduação em Ensino: Formação Docente Interdisciplinar.

Referências

ALMEIDA, J. S. As professoras no século XX: as mulheres como educadoras da infância. In: III CONGRESSO BRASILEIRO DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO (CBHE),3., 2004, Curitiba. Anais […]. Curitiba, PR: PUC, 2004. Disponível em: http://www.sbhe.org.br/novo/congressos/cbhe3/Documentos/Coord/Eixo3/482.pdf. Acesso em: 11 nov. 2019.

ALMEIDA, J. S.; BOSCHETTI, V. R. Devotas e instruídas: a educação de meninas e mulheres no Brasil – fragmentos do passado histórico (1846/1930). Educação Unisinos, São Leopoldo, v. 16, n. 3, p. 225-233, 2012. Disponível em: http://revistas.unisinos.br/index.php/educacao/article/view/edu.2012.163.04/0. Acesso em: 20 jul. 2020.

ARAUJO, S. A. C. Professora Julia Wanderley, uma mulher-mito (1874 – 1918). 2010. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2010. Disponível em: https://acervodigital.ufpr.br/handle/1884/25998. Acesso em: 30 jun. 2020.

ARAUJO, S. A. C. Julia Wanderley, precursora das professoras normalistas no Paraná: o ideal republicano e a invenção da mulher professora (1874 – 1918). In: CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (EDUCERE), 11., 2013, Curitiba. Anais […]. Curitiba, PR: PUC, 2013. Disponível em: https://educere.bruc.com.br/CD2013/pdf/8714_4821.pdf. Acesso em: 30 jun. 2020.

BRASIL. Decreto n. 10 de 10 de abril de 1835. Decreto de criação da escola normal. Rio de Janeiro, 1835. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/99970/1835_10_abril_Ato_n%c2%ba10_Cria_Escola_Normal.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 19 abr. 2020.

BRASIL. Lei n. 5.692 de 11 de agosto de 1971. Fixa Diretrizes e Bases para o ensino de 1º e 2º graus. Brasília, DF, 1971. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/15692.htm. Acesso em: 18 abr. 2020.

CASTANHA, A. P. Escolas Normais no século XIX: um estudo comparativo. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, n. 32, p. 17-36, 2008. Disponível em: https://www.fe.unicamp.br/pf-fe/publicacao/5395/art02_32.pdf. Acesso em: 10 nov. 2019.

CORREIA, A. P. P. Escolas Normais: contribuição para a modernização do Estado do Paraná (1904 a 1927). Educar em Revista, Curitiba, n. 49, p. 245-273, 2013. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/er/n49/a14n49.pdf. Acesso em: 11 nov. 2019.

GONDRA, J. A emergência da escola. São Paulo: Cortez, 2018.

HAHNER, J. E. Escolas mistas, escolas normais: a coeducação e a feminização do magistério no século XIX. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 19, n.n2, p. 467-474, 2011. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ref/v19n2/v19n2a10.pdf. Acesso em: 16 nov. 2019.

LE GOFF, J. História e memória. Trad. Bernardo Leitão. Campinas, SP: Ed. UNICAMP, 1992.

LINHARES, S. Histórico do estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2020. Disponível em: http://www.inepac.rj.gov.br/application/assets/img/site/Historico_Estado.pdf. Acesso em: 03 maio 2020.

LOURO, G. L. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis, RJ: Vozes, 1997.

MARTINS, A. M. S. Breve reflexões sobre as primeiras escolas normais no contexto educacional brasileiro, no século XIX. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, n. 35, p. 173-182, 2009. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8639621/7189. Acesso em: 03 maio 2020.

MIGUEL, M. E. B.; MARTIN, S. D. (Org.). Coletânea da Documentação Educacional Paranaense no Período de 1854 a 1889. Brasília, DF: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), 2004. Disponível em: http://www.gestaoescolar.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/museudaescola/coletanea_miguel.pdf. Acesso em: 23 nov. 2019.

MIGUEL, M. E. B. A escola normal no Paraná: Instituição formadora de professores e educadora do povo. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO, 5., 2008, Aracaju. Anais […]. Aracaju, SE, 2008. Disponível em: http://sbhe.org.br/novo/congressos/cbhe5/pdf/9.pdf. Acesso em: 11 nov. 2019.

NASCIMENTO, M. I. M.; SOUSA, N. L. A Escola Normal de Curitiba e o pioneirismo de Julia Wanderley. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, n. 42, p. 265-278, 2011. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8639879. Acesso em: 11 nov. 2019.

NORA, P. Memória colectiva. In: LE GOFF, J.; CHARTIER, R.; REVEL, J. (Org.). A história nova. Coimbra: Almedina, 1990.

NÓVOA, A. (Org.). Profissão professor. Porto, Portugal: Porto Editora, 1995.

OLIVEIRA, M. C. M. Organização escolar no início do século XX: o caso do Paraná. Educar, Curitiba, n. 18, p. 143-155, 2001. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/er/n18/n18a09.pdf. Acesso em: 16 nov. 2019.

PARANÁ. Decreto n. 93 de 11 de março de 1901. Regulamento para a instrução pública do Paraná. Curitiba, 1901. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/123700#:~:text=Resumo%3A,ensinos%20prim%C3%A1rio%2C%20normal%20e%20secund%C3%A1rio. Acesso em: 5 jun. 2020.

PARANÁ. Lei n. 238, de 19 de abril de 1870. Institui uma Escola Normal para o ensino das pessoas de ambos os sexos que quiserem exercer o professorado da instrução elementar. Curitiba: DEAP, 1870. Disponível em: http://www.gestaoescolar.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/museudaescola/coletanea_miguel.pdf. Acesso em: 19 abr. 2020.

PARANÁ, Relatório apresentado ao Governador em 1895. Curitiba, 1895. Disponível em: http://www.arquivopublico.pr.gov.br/arquivos/File/RelatoriosSecretarios/Ano_1895_MFN_638.pdf. Acesso em: 19 abr. 2020.

PARANÁ. Relatório apresentado ao Presidente da Província em 1882. Curitiba, 1882. Disponível em: http://www.arquivopublico.pr.gov.br/arquivos/File/RelatoriosSecretarios/Ano1882MFN837.pdf. Acesso em: 19 abr. 2020.

RANZI, S. M. F.; SILVA, M. C. Práticas disciplinares inauguradas com a República no ensino secundário paranaense. Pro-Posições, Campinas, v. 20, n. 1, p. 149-171, 2009. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/pp/v20n1/v20n1a09.pdf. Acesso em: 03 maio 2020.

RIO DE JANEIRO. Decreto n. 1.331-A de 17 de fevereiro de 1854. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1824-1899/decreto-1331-a-17-fevereiro-1854-590146-publicacaooriginal-115292-pe.html. Acesso em: 03 maio 2020.

ROMANELLI, O. O. História da Educação no Brasil (1930/1973). 40. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

SOUSA, N. L. O Projeto Republicano para a educação no Paraná e o processo de (des)mistificação de Júlia Wanderley. 2013. 121 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Estadual de Ponta Grossa, Ponta Grossa, 2013. Disponível em: https://tede2.uepg.br/jspui/handle/prefix/1350. Acesso em: 30 jun. 2020.

STENTZLER, M. M. (Org.). Conhecendo nossa história: a Escola Normal Professora Amasília de União da Vitória (PR). União da Vitória, PR: Kayagangue Ltda, 2018.

WANDERLEY, J. Relatório da escola Tiradentes de 1905. In: Revista Escola, 1906.

Publicado

02/01/2021

Como Citar

STENTZLER, M. M.; ARAÚJO, E. M. P. de; MARQUES, L. F. A normalista Julia Wanderley: decisão, sensibilidade e necessidades sociais. Revista on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, v. 25, n. 1, p. 149–167, 2021. DOI: 10.22633/rpge.v25i1.14017. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/rpge/article/view/14017. Acesso em: 17 jun. 2024.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)