Uma narrativa histórica da educação nacional entre mitos: do fundador ao de democracia racial

Paulo Crispim Alves de Souza, Ivan Fortunato

Resumo


Este artigo tem como objetivo desenvolver um debate sobre as características que consolidaram um projeto nacional autônomo com pretensões imponentes, marcadamente na virada do século XIX para o século XX. Trata de abordar como os diferentes mitos a respeito da igualdade entre as pessoas têm sido tratados historicamente pela educação nacional, até o atual documento da Base Nacional Comum Curricular. Por meio da revisão de literatura, recupera-se uma trajetória histórica em seis etapas. Identifica-se que o mito da “democracia racial” serve como argumento para excluir as medidas compensatórias em nome de uma meritocracia que trata desiguais como semelhantes. Portanto, além de recuperar o silenciamento histórico, busca indicar meios para a construção de um projeto político pedagógico democrático para o sistema de ensino nacional.

Palavras-chave


História brasileira; Etnia; Base Nacional Comum Curricular.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


ALENCASTRO, Luiz Felipe de. O trato dos viventes: formação do Brasil no Atlântico Sul. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

AZEVEDO, Célia Maria Marinho de. Onda negra, medo branco: o negro no imaginário das elites, século XIX. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

BARRETO, Tobias. Dias e noites. 7a. ed. Rio de Janeiro: Record; Brasília: INL, 1989.

BORGES, André; NOSSA, Leonêncio. Índios são atacados em conflito de terra no Maranhão. O Estado de São Paulo, São Paulo, maio, 2017. Caderno de Política. Disponível em: https://goo.gl/9iuM56. Acesso em: 15 maio 2017.

CARNEIRO, Edison. O Quilombo dos Palmares. São Paulo: Editora Martins Fontes, 2010.

CHAUÍ, Marilena. Brasil: mito fundador e sociedade autoritária. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2000.

CUNHA, Euclides. Os sertões. São Paulo: Editora Francisco Alves, 2000.

FAORO, Raymundo. Os donos do poder: formação do patronato político brasileiro. São Paulo: Publifolha, 2000.

FAUSTO, Boris. História concisa do Brasil. São Paulo: EDUSP, 2014.

FERNANDES, Florestan. O significado do protesto negro. São Paulo: Cortez, 1989.

FREYRE, Gilberto. Casa grande e senzala. São Paulo: Global Editora. 2005.

GALEANO, Eduardo. As veias abertas da América Latina. Rio de Janeiro: Paz e terra, 1992.

GOMES, Nilma Lino. A mulher negra que vi de perto: o processo de construção da identidade racial de professoras negras. São Paulo: Mazza Edições, 1995.

MALACHIAS, Antônio Carlos; BENTO, Maria Aparecida da Silva; SILVA, Mário Rogério. Políticas públicas de promoção da igualdade racial/organização. São Paulo, SP: CEERT, 2010.

MOURA, Clóvis. Sociologia do negro brasileiro. São Paulo: Ática, 1988.

MUNANGA, Kabengele. Rediscutindo a mestiçagem no Brasil: identidade nacional versus identidade negra. Petrópolis: Editora Vozes, 1999.

MUNANGA, Kabengele. Educação e diversidade cultural. Cadernos PENESB, Periódico do Programa de Educação sobre o Negro na Sociedade Brasileira, Rio de Janeiro, n. 10, 2008.

NASCIMENTO, Abdias do. O genocídio do negro brasileiro: processo de um racismo mascarado. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

NASCIMENTO, Abdias do. O negro revoltado. 2. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1982.

OLIVEIRA, João Pacheco. Muita terra para pouco índio? Uma introdução (crítica) ao indigenismo e a atualização do preconceito. Editora do MEC, Brasília, 1995.

PELEGRINI, Marcelo. Violência: Brasil mata 82 jovens por dia. Revista Carta Capital, São Paulo, 4 dez. 2012. Disponível em: https://goo.gl/xSo5LK. Acesso em: 15 maio 2017.

RIBEIRO, Darcy. O povo brasileiro: a formação e o sentido do Brasil. São Paulo, SP: Companhia das letras, 1995.

RODRIGUES, Raimundo Nina. Os africanos no Brasil. São Paulo: Editora Madras, 2008.

SANTOS, Gersem (Baniwa). O índio brasileiro: o que você precisa saber sobre os povos indígenas no Brasil de hoje. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade; LACED/Museu Nacional, 2006.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. O espetáculo das raças: cientistas, instituições e questão racial no Brasil (1870-1930). São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

SCHWARCZ, Lilia Moritz; STARLING, Heloisa Murgel. Brasil: uma biografia. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

SILVA, Petronilha Beatriz Gonçalves e. Aprender, ensinar e relações étnico-raciais no Brasil. Revista Eletrônica PUC-RS, Porto Alegre, v. 3, n. 63, p. 489-506, 2007.

SKIDMORE, Thomas E. Preto no branco: raça e nacionalidade no pensamento brasileiro. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1976.

VIDAL, Diana Gonçalves. Reescrevendo a história do ensino primário: o centenário da lei de 1827 e as reformas Francisco Campos e Fernando de Azevedo. Revista de Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 28, n. 1, p. 31-50, 2002.




DOI: https://doi.org/10.22633/rpge.v23i1.11506



Rev. on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1519-9029

DOI prefix: 10.22633/rpge

Licença Creative Commons 

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.