O “Programa Ler e Escrever” no contexto de uma escola municipal

Carlos da Fonseca Brandão, Fátima Gil de Oliveira Trevelin

Resumo


As reformas educacionais dos anos de 1990 regulamentaram parâmetros e diretrizes gerais, por meio da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – LDB, de 1996, para que fossem desenvolvidos na forma de currículos pelos sistemas de ensino em todo o país. No Estado de São Paulo, definiu-se um currículo mínimo e comum a todas as escolas paulistas, o que se deu de forma explícita para o segmento da educação básica de primeira a quarta séries (1º ao 5º anos) através da estruturação do “Programa Ler e Escrever” a partir do ano de 2007. Neste artigo procuramos contextualizar esse programa numa escola municipal, contemplando reflexões sobre o trabalho docente, a formação curricular e as avaliações externas. A metodologia utilizada foi a pesquisa qualitativa-descritiva, por meio da análise do material do “Programa Ler e Escrever” e entrevistas com as professoras alfabetizadoras da escola em questão.


Palavras-chave


Currículo. Materiais didático-pedagógicos. Avaliações externas. Papel do professor.

Texto completo:

PDF

Referências


ALGEBAILE, E. Escola pública e pobreza no Brasil: a ampliação para menos. Rio de Janeiro: Faperj/Lamparina, 2009.

APPLE, M. W. Consumindo o outro: branquidade, educação e batatas fritas baratas. In: COSTA, M. V. (Org.). Escola básica na virada do século: cultura, política e educação. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2000.p.25-44.

BALL, S. J. Reformar escolas: reformar professores e os terrores da performatividade. Revista Portuguesa de Educação, Braga-Portugal, v. 15, n. 2, p. 3-23, 2002.

BALL, S. J. Profissionalismo, gerencialismo e performatividade. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 35, n. 126, p. 539-564, set./dez. 2005.

BONAMINO, A. SOUSA, S. Z. Três gerações de avaliação da educação básica no Brasil: interfaces com o currículo da/na escola. Educação e Pesquisa, São Paulo, v.38, n.2, p. 373-388, 2012.

BRANDÃO, C.F. LDB passo a passo: lei de diretrizes e bases da educação nacional (Lei nº 9.394/96) comentada e interpretada, artigo por artigo. 4. ed. rev. e ampl. São Paulo: Avercamp, 2010.

BRANDÃO, C. F. O Ensino Fundamental de nove anos e a legislação educacional brasileira. In:BRANDÃO, C.F.; PASCHOAL, J. D. (Org.). Ensino Fundamental de nove anos: teoria e prática na sala de aula. São Paulo: Avercamp, 2009, p. 17-34.

BRASIL. Ministério da Educação. Coordenadoria de Gestão da Educação Básica. PROFA: Programa de Formação de Professores Alfabetizadores: Letra e vida. Brasília, DF. Disponível em: . Acesso em: 6 jun. 2015.

CHIRINÉA, A. M.; BRANDÃO, C.F. O IDEB como política de regulação do Estado e legitimação da qualidade: em busca de significados. Ensaio, Rio de Janeiro, v. 23, n. 87, p. 461-484, abr./jun. 2015.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Proposta de diretrizes para a formação inicial de professores da educação básica, em cursos de nível superior. Brasília, DF: MEC, 2001. Disponível em: . Acesso em: 11 ago. 15.

COSTA, M. V. (Org.). Escola básica na virada do século: cultura, política e educação. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2000.

FRANCISCO, W. C. E. "Taylorismo e Fordismo"; Brasil Escola. s.d. Disponível em . Acesso em 03 de outubro de 2015.

GADOTTI, M. Educação e poder: introdução à pedagogia do conflito– 14. ed. – São Paulo: Cortez, 2005.

GENTILI, P. A mecdonaldização da escola: a propósito de “Consumindo o outro”. . In: Escola básica na virada do século: cultura, política e educação. COSTA, Mariza Vorraber (org.) – 2. ed. – São Paulo: Cortez, 2000. p. 45-60.

HERNANDES, E. D. K. Formação de professores alfabetizadores: os efeitos do programa Letra e Vida em escolas da região de Assis. 2008. 226 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista, Marília-SP, 2008.

MACEDO, E. Identidade profissional e diretrizes curriculares de formação de professores da Educação Básica. In: Políticas educacionais, práticas escolares e alternativas de inclusão escolar. LISITA, Verbena Moreira S.de S.; SOUSA, Luciana Freire E. C. P.(Orgs). Rio de Janeiro: DP&A, 2003. p. 39-53.

MACHADO, A. R. Linguagem e educação: o ensino e a aprendizagem de gêneros textuais. Anna Rachel Machado e colaboradores; Lília Santos Abreu-Tardelli, Vera Lúcia Lopes Cristóvão, (orgs); posfácio Joaquim Dolz – Campinas, SP: Mercado de Letras, 2009. – (Série Ideias sobre Linguagem).

OLIVEIRA, D. A. A reestruturação do trabalho docente: precarização e flexibilização. Educação & Sociedade, Campinas, v. 25, n 89, p. 1127-1144, Set./Dez. 2004.

SACRISTÁN, J. G. O currículo: uma reflexão sobre a prática/J. GimenoSacristán; trad. Ernani F. da F. Rosa – 3. Ed. – Porto Alegre: ArtMed, 2000.

SALDAÑA, Paulo. Governo Alckmin esvazia programa de alfabetização em SP. Folha de São Paulo. São Paulo, 01 mar. 2016. Cotidiano, Caderno, B1. Disponível em: . Acesso em: 12 jul. 2016.

SILVA, M. S. P. Políticas educacionais, descentralização do ensino e gestão da escola: uma análise a partir da experiência mineira. In: Gestão e políticas da educação. BITTAR, Mariluce; OLIVEIRA, João Ferreira de. (orgs.) Rio de Janeiro: DP&A, 2004. p. 71-84.

SILVA, T. T. Descolonizar o currículo: estratégias para uma pedagogia crítica. Dois ou três comentários sobre o texto de Michael Apple. In: Escola básica na virada do século: cultura, política e educação. COSTA, Mariza Vorraber (org.) – 2. ed. – São Paulo: Cortez, 2000. p. 61-72.

SOARES, M. B. Alfabetização no Brasil: o estado do conhecimento. Brasília: INEP/Santiago: REDUC, 1991.

SOARES, M. B. Letramento e alfabetização: as muitas facetas. Revista Brasileira de Educação, n. 25, p. 5-17, Jan./Fev./ Mar./Abr. 2004.

VIEIRA, S. L.; FARIAS I. M. S. Política educacional no Brasil: introdução histórica. Brasília: Plano Editora, 2003.

VIRIATO, E. O. Descentralização e desconcentração como estratégia para redefinição do espaço público. In: Estado, políticas educacionais e gestão compartilhada. LIMA, A. B. (org.) São Paulo: Xamã, 2004.




DOI: https://doi.org/10.22633/rpge.v21.n1.2017.9990



Rev. on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1519-9029

DOI prefix: 10.22633/rpge

Licença Creative Commons 

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.