Educacão internacional como soft power: o ensaio da política externa de Dilma Rousseff

José Alberto Antunes de Miranda, Viviane Bischoff

Resumo


O objetivo desse artigo é analisar o ensaio da educação internacional como instrumento de soft power na política externa do governo Dilma Rousseff. Para isso se analisará o contexto de ação do Itamaraty e dos novos atores que passaram a ter uma importante contribuição para a política externa. Conclui-se que a política externa do governo Dilma ainda que tenha se utilizado da educação internacional como um de seus instrumentos de política externa, não chegou a implementar o soft power com uma intenção clara no âmbito estratégico de inserção internacional do país.


Palavras-chave


Educação internacional; Soft power; Política externa

Texto completo:

PDF PDF (Español (España)) XML

Referências


BERTONHA, João Fábio. Hard, soft ou smart power?: perspectivas para a nova política externa dos Estados Unidos. 2016. Disponível em: http://www.ibri-rbpi.org/?p=12305. Acesso em: 8 ago. 2016.

BRASIL. Ministério da Educação - MEC. 2016. Disponível em: http://www.mec.gov.br. Acesso em: 08 ago. 2016.

BRASIL. Ministério das Relações Exteriores - MRE. A educação na política externa brasileira. 2016b. Disponível em: http://www.dce.mre.gov.br/PEB.php. Acesso em: 30 set. 2016.>. Acesso em: 10 out. 2016.

BRASIL. Palácio do Planalto. Diretrizes do Governo Dilma Rousseff. Brasília, 2016. Disponível em: http://www2.planalto.gov.br/acompanhe-o-planalto/diretrizes-de-governo. Acesso em: 10 set. 2016.

BRASIL. Presidência da República. Mensagem ao Congresso Nacional, 2011: 2ª Sessão Legislativa Ordinária da 54ª legislatura. Brasília: Presidência da República, 2012.

CASON, Jeffrey W.; POWER, Timothy J. Presidentialization, Pluralization, and the Rollback of Itamaraty: explaining change in Brazilian foreign policy making in the Cardoso-Lula Era. International Political Science Review, [S.l.], v. 30, n. 2, p. 117–140, 2009.

DOUGHERTY, James; PFALTZGRAFF, Júnior. Robert. Relações Internacionais: as teorias em confronto. Lisboa: Gradiva, 2003.

DURKHEIM, Émile. O suicídio: estudo sociológico. 2. ed. Lisboa: Presença, 1977.

ESPANHA, Ministerio de Educación, Cultura y Deporte. Estrategia para la internacionalización de las universidades españolas 2015 - 2020. 2014. Disponível em: http://www.mecd.gob.es/educacion-mecd/dms/mecd/educacion-mecd/areas-educacion/universidades/politica-internacional/estrategia-internacionalizacion/EstrategiaInternacionalizaci-n-Final.pdf. Acesso em: 10 abr. 2016.

FIGUEIREDO, Luiz Alberto. Discurso do Ministro Luiz AlbertoFigueiredo Machado por ocasião da cerimônia de formatura da Turma Nelson Mandela (2012-2014) do Instituto Rio Branco. Brasília, 2014. Disponível em: http://bit.ly/2nkaqeq. Acesso em: 20 ago. 2016.

FRANÇA, Cássio L. de; BADIN, Michelle Ratton Sanchez. A inserção internacional do Poder Executivo nacional brasileiro. São Paulo: Fundação Friedrich Ebert Stiftung, 2010. (Análises e propostas, n. 40).

GIACOMINO, Claudio A. Cuestión de imagen: la diplomacia cultural em el siglo XXI. Buenos Aires: Biblos, 2009.

LAFER, C. A identidade internacional do Brasil e a política externa brasileira: passado, presente e futuro. São Paulo: Perspectiva, 2007.

LEITE, Denise; MOROSINI, Marilia Costa (Org.). Universidade e Integração no Mercosul. Porto Alegre: Editora da Universidade/UFRGS, 1992.

LIMA, Maria Regina Soares de. Instituições democráticas e política exterior. Contexto Internacional, Rio de Janeiro, v. 22, n. 2, p. 265-303, 2000.

MERCOSUL. 2016. Disponível em: http://www.mercosul.gov.br. Acesso em: 10 maio 2016.

NYE, Joseph. O Paradoxo do Poder Americano: porque a única superpotência do mundo não pode prosseguir isolada. Sao Paulo, Editoria Unesp, 2002.

NYE, Joseph. Soft Power: the means to sucess in world politics. New York, Public Affairs, 2004.

NYE, Joseph. Cooperação e conflito nas relações internacionais. São Paulo: Gente, 2009.

OLIVEIRA, Henrique Altemani. Política externa brasileira. São Paulo: Saraiva, 2005.

PINHEIRO, Leticia de Abreu. Política externa brasileira: (1889-2002). Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2004.

PINHEIRO, Leticia de Abreu; BESHARA, G. L. Política externa e educação: confluências e perspectivas no marco da integração regional. In: PINHEIRO, Leticia; MILANI, Carlos R.S. (Org.). Política externa brasileira: as práticas da política e a política das práticas. Rio de Janeiro: Fundação Getulio Vargas, 2012. v. 1.

QUEIROZ, Adriana. Brasil está à beira de uma “revolução do internacionalismo”. [S.l.]: CEBRI, 2013.

ROUSSEFF, Dilma. Discurso da presidenta da República, Dilma Rousseff, durante cerimônia de lançamento da Parceria para Governo Aberto. Brasília, 20 set. 2011b. Proferido em Nova Iorque em 20 de setembro de 2011. Disponível em: http://www2.planalto.gov.br/acompanhe-o-planalto/discursos/discursos-da-presidenta/discurso-da-presidenta-da-republica-dilma-rousseff-durante-cerimonia-de-lancamento-da-parceria-para-governo-aberto-nova-iorque-eua. Acesso em: 20 ago. 2016.

ROUSSEFF, Dilma. Discurso da Presidenta da República, Dilma Rousseff, na abertura da 67ª Assembleia Geral das Nações Unidas - Nova Iorque/EUA. Brasília, 2012a.




DOI: https://doi.org/10.21723/riaee.v13.n3.2018.10096



Direitos autorais 2018 Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação

 

Rev. Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1982-5587

DOI Prefix: 10.21723/riaee

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.