Escola, multiletramentos e tecnologias na aula de Língua Portuguesa: reflexões a partir de um projeto sobre Youtubers

Autores

  • Gabriela da Silva Bulla Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre – Rio Grande do Sul – Brasil. Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas e Programa de Pós-Graduação em Letras. Professora Adjunta de Português como Língua Adicional, Doutora em Linguística Aplicada.
  • Mariana Bulegon da Silva Universidade Federal do Rio Grande do Sul http://orcid.org/0000-0002-1064-1691

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v12.n4.out./dez.2017.10592

Palavras-chave:

Ensino de Língua Portuguesa. Gêneros do discurso. Multiletramentos. YouTube. Audiovisual.

Resumo

Este trabalho tem como objetivo refletir sobre escola, multiletramentos e tecnologias na sociedade contemporânea. Para tal, descrevemos e analisamos um projeto de aprendizagem realizado com uma turma do nono ano em aulas de Língua Portuguesa de uma escola pública de Porto Alegre, Brasil. O projeto enfocou gêneros do discurso multimodais como vídeo de Youtuber e dissertação escrita. Destacamos a importância do trabalho com a promoção de multiletramentos na escola que esteja comprometida com a formação de cidadãos capazes de circular criticamente pelas esferas ciberculturais e midiáticas inerentes à sociedade em rede.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariana Bulegon da Silva, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

É graduanda de Licenciatura em Letras, com ênfase em Língua Portuguesa e Respectivas Literaturas - Língua Espanhola e Respectivas Literaturas. Tem experiência com ensino de língua estrangeira, língua portuguesa, ensino de Português como Língua adicional e elaboração de material didático, tradução e revisão de textos. 


Contato: (51) 997803862


Contato: (51) 997803862

Referências

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BARBOSA, M. C. S. Por que voltamos a falar e a trabalhar com a Pedagogia de Projetos? Projeto – Revista de Educação: projetos de trabalho, v. 3, n. 4, p. 8-13, 2004.

BRITTO, L. P. L. Escola, ensino de língua, letramento e conhecimento. Calidoscópio, v. 5, n. 1, p. 24-30, 2007.

BULLA, G. S. Relações entre design educacional, atividade e ensino de português como língua adicional em ambientes digitais. Tese (Doutorado em Letras) – IL, UFRGS, Porto Alegre, 2014.

CASTELLS, M. A sociedade em rede (Vol. I). São Paulo: Paz e Terra, 2002.

CASTRO, C. F.; BATISTA, G. A. A. O telejornal na escola: elementos para seu uso em sala de aula. In: BUNZEN, C.; MENDONÇA, M. (Org.). Múltiplas linguagens para o Ensino Médio. São Paulo: Parábola Editorial, 2013. p. 161-176.

CLARK, H. Language use. In: CLARK, H. (Org.). Using Language. Cambridge: Cambridge University Press, 1996. p. 3-25.

GERALDI, J. W. (Org.). O texto na sala de aula. 3. ed. São Paulo: Ática, 1999.

NEVES, C. S. Práticas do discurso oral: uma proposta de ensino de gêneros orais em português como língua adicional. (Trabalho de Conclusão de Curso) - IL, UFRGS, Porto Alegre, 2012.

ROJO, R.; MOURA, E. (Org.). Multiletramentos na escola. São Paulo: Parábola Editorial, 2012.

SCHNEUWLY, B.; DOLZ, J. (Org.). Gêneros orais e escritos na escola. São Paulo: Mercado das Letras, 2010.

TEIXEIRA, A.; LITRON, F. F. O manguebeat nas aulas de Português - Videoclipe e movimento cultural em rede. In: ROJO, R.; MOURA, E. (Org.). Multiletramentos na escola. São Paulo: Parábola Editorial, 2012. p. 167-180.

Downloads

Publicado

15/10/2017

Como Citar

BULLA, G. da S.; DA SILVA, M. B. Escola, multiletramentos e tecnologias na aula de Língua Portuguesa: reflexões a partir de um projeto sobre Youtubers. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 12, n. 4, p. 1984–1997, 2017. DOI: 10.21723/riaee.v12.n4.out./dez.2017.10592. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/10592. Acesso em: 14 maio. 2021.

Edição

Seção

Artigos