Comunidades de práticas como espaços de formação inicial na educação de jovens e adultos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v14i3.11139

Palavras-chave:

Comunidades de prática, Formação de educadores, Educação popular, Educação de jovens e adultos.

Resumo

O artigo analisa as significações atribuídas à formação inicial em educação de jovens e adultos (EJA), desenvolvida por graduandos da Faculdade de Educação da UnB. Com base no conceito de Comunidades de Práticas, nas contribuições da educação popular e da perspectiva histórico-Cultural o texto reconstrói esta experiência por meio da análise de diários de bordo e relatórios elaborados pelos estudantes de graduação no período de 2013 a 2016, nas disciplinas Projeto 3 e 4, componentes do currículo de Pedagogia. O contato com os educandos da EJA e a reflexão na e sobre a prática educativa forja no graduando uma sensibilidade/compromisso em relação a essa realidade, por meio da pesquisa-ação, da vivência e do desenvolvimento de uma prática pedagógica pautada na escuta sensível e no diálogo. 

Biografia do Autor

Maria Clarisse vieira, Universidade de Brasília

Professora adjunta da Faculdade de Educação e do Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade de Brasília . É Pedagoga com mestrado em Educação pela Universidade Federal de Uberlândia (2000) e doutorado em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais (2006).

Referências

BAKHTIN, M. Estética Da Criação Verbal. 4ª Ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BARBIER, R. A pesquisa-ação. Trad. Lucie Didio. Brasília: Liber Livro, 2002.

BRANDÃO, C. R. A educação popular antes e agora. Formação de educadores de jovens e adultos / organizado por Maria Margarida Machado. — Brasília: Secad/MEC, UNESCO, 2008.

BRASIL. Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão/IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - PNAD 2015. Rio de Janeiro, 2016.

COELHO, S. L. B.; CRUZ, R. M. R. Limites e possibilidades das tecnologias digitais na Educação de Jovens e Adultos. 31ª Reunião da ANPED. Caxambu,2008.

ENGESTRÖM, Y. Learning by expanding: an activity-theoretical approach to Developmental research. Helsisnki: Orienta-Konsultit, 1987. Disponível em http://lchc.edu/MCA/Paper?Engestrom/expanding/ch1.htm. Acessado em novembro de 2013.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. 52ª ed. Ver e atual. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2014.

LAVE, J. & WENGER, E. Situated Learning. Legitimate peripheral participation. New York: Cambridge University Press, 1991 (16th. Printing). Traduccion de Miguel Espíndola y Carlos Afonso. Supervisión de la traducción: Giovanna Winchkler. Disponível em: https://www.Moodle.ufba.br/file.php/10203/…/wenger.pdf. Acesso em 02 de setembro de 2013.

REIS, R. H. A Constituição do Ser Humano amor, poder, saber na educação de jovens e adultos. 1ª ed. São Paulo. Autores Associados. 2011.

THIOLLENT, M. Metodologia da pesquisa-ação. SP: Cortez, 1985.

WENGER, É. Communitiesof Practice: Learning, Meaning, And Identity. New York: Cambridge University Press, 1998.

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA. Faculdade de Educação. Projeto Acadêmico do Curso de Pedagogia. Brasília: Faculdade de Educação, 2002.

VIEIRA, M. C.; REIS, R. H.; SOBRAL, J. B. L. (2015) Educação de jovens e adultos como ato de amor, poder e saber: Os desafios do Genpex. Brasília (DF): Fundação Universidade de Brasília, Decanato de Ensino de Graduação, 2015.

VYGOTSKY, L. S. Teoria e método. 1º ed. São Paulo: Martins Fontes, 1996

VYGOTSKY, L. S. Psicologia infantil (Incluye: “Paidologia infantil”. “Problemas de la psicologia infantil”). Tomo IV. Madrid: Visor, 2006.

Publicado

18/10/2019

Como Citar

vieira, M. C. (2019). Comunidades de práticas como espaços de formação inicial na educação de jovens e adultos. Revista Ibero-Americana De Estudos Em Educação, 14(3), 1015–1029. https://doi.org/10.21723/riaee.v14i3.11139

Edição

Seção

Artigos