Universidade flexível: nova tendência para as universidades federais brasileiras

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v14iesp.3.12738

Palavras-chave:

Reforma gerencial, Política educacional, Educação superior, Flexibilidade acadêmica.

Resumo

Analisa a flexibilização das instituições públicas federais de educação superior no âmbito do Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais (Reuni). Trata-se de um estudo de caso realizado na Universidade Federal do Rio Grande do Norte, tendo como referência a criação do Curso de Bacharelado de Ciências e Tecnologia, cujo formato é interdisciplinar e em regime de ciclos. Os resultados evidenciam mudanças na gestão institucional, na flexibilização das estruturas acadêmicas com repercussão nas políticas expansionistas da instituição.

Biografia do Autor

Alda Maria Duarte Araújo Castro, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Graduada em Pedagogia pela Universidade Federal de Sergipe. Mestrado e Doutorado pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Atualmente é professora Associada da Universidade Federal do Rio Grande do Norte e Professora do Programa de Pós-graduação em Educação da UFRN.

Raphael Lacerda de Alencar Pereira, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Graduado em Pedagogia pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Mestrado e Doutorado na Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Referências

ALMEIDA FILHO, N. Universidade Nova: textos críticos e esperançosos. Brasília, DF: EDU; Salvador: EDUFBA, 2007.

ALMEIDA FILHO, N.; COUTINHO, D. Nova arquitetura curricular na universidade Brasileira. Cienc.Cult., São Paulo, v. 63, n. 1, p. 4-5, jan. 2011. Disponível em: http://cienciaecultura.bvs.br/scielo.php. Acesso: 28 set. 2018.

ARAÚJO, M. A. D. Responsabilização na administração pública: limites e possibilidades do gestor público. In: MEDEIROS, Paulo César; LEVY, Evelyn (Org.). Construindo uma nova gestão pública. Natal, RN: SEARH/RN, 2010.

ARAÚJO, M. A. D.; PINHEIRO, H. D. Reforma gerencial do Estado e rebatimentos no sistema educacional: um exame do REUNI. Enaio: aval. pol. públ. Educ., Rio de Janeiro, v. 18, n. 69, p. 647-668, out. 2010.

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS DOCENTES DO ENSINO SUPERIOR-SINDICATO NACIONAL. As Novas Faces da Reforma Universitária do Governo Lula e os Impactos do PDE Sobre a Educação Superior. Cadernos ANDES, Brasília, n. 25, ago. 2007.

BRASIL. Decreto nº 6.096, de 24 de abril de 2007. Institui o Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais - REUNI. Diário Oficial da União. Brasília (DF), 25 abr. 2007. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/2007/decreto-6096-24-abril-2007-553447-norma-pe.html. Acesso em: 26 jan. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho nacional de educação. Câmara de educação superior. Parecer n° 266, de 06 de julho de 2011. ASSUNTO: Referenciais orientadores para os Bacharelados Interdisciplinares e Similares das Universidades Federais. Homologação, Despacho do Ministro. Diário Oficial da União. Brasília (DF), 14 out. 2011, seç.1, p. 16.

BRESSER PEREIRA, L. C. Apresentação. In: BRESSER-PEREIRA, Luis Carlos; GRAU, Nuria Cunill (Orgs.). Responsabilização na administração pública. São Paulo: CLAD/Fundap, 2006

CENTRO LATINO-AMERICANO DE ADMINISTRAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO (CLAD). Uma nova gestão pública para a América Latina. 1998. Disponível em: http//www.bresserpereira.org.br. Acesso em: 15 jul. 2010.

COSTA, F. L. Reforma do estado e contexto brasileiro: crítica do paradigma gerencialista. Rio de Janeiro: FGV, 2010.

FRIEDMAN, M. Capitalismo e Liberdade. 3. ed. São Paulo: Nova Cultural, 1988.

LIMA, L. C.; AZEVEDO, M. L. N.; CATANI, A. M. O processo de Bolonha, a avaliação da educação superior e algumas considerações sobre a Universidade Nova. Avaliação, Campinas, v.13, n.1, p.7-36, mar. 2008.

NOGUEIRA, M. A. Um Estado para a sociedade civil: temas éticos e políticos da gestão democrática. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2005.

OLÍAS DE LIMA, B. La evolución de la gestión pública: la nueva gestión pública. In: OLÍAS DE LIMA, Blanca. La nueva gestión pública. Madrid: Pearson Educación S.A., 2001.

PAGLIOSA, F. L.; DA ROS, M. A.. O relatório Flexner: para o bem e para o mal. Rev. bras. educ. med., Rio de Janeiro, v. 32, n. 4, p. 492-499, Dec. 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php. Acesso em: 27 set. 2018.

TONEGUTTI, C.; MARTINEZ, M. A Universidade Nova, o Reuni e a queda da universidade pública. Repositório UFRRJ, 2007.

TONEGUTTI, C.; MARTINEZ, M. O REUNI e a precarização nas IFES. Revista Universidade e Sociedade, ano XVII, nº 41, p. 51 a 67, jan. 2008.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE (UFRN). Estatuto da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal: EDUFRN, 2002.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE (UFRN). Sinopse do projeto de reestruturação e expansão da UFRN no programa REUNI (2007). 2007. Disponível em http://reuni.ufrn.br/. Acesso em: 10 abr. 2018.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE (UFRN). Plano de desenvolvimento institucional 2010-2019. Natal: EDUFRN, 2010.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE (UFRN). Relatório final do projeto de reestruturação e expansão (UFRN/REUNI, 2013). 2013. Disponível em http://reuni.ufrn.br/. Acesso em: 10 abr. 2018.

Publicado

30/08/2019

Como Citar

Castro, A. M. D. A., & Pereira, R. L. de A. (2019). Universidade flexível: nova tendência para as universidades federais brasileiras. Revista Ibero-Americana De Estudos Em Educação, 14(esp.3), 1638–1654. https://doi.org/10.21723/riaee.v14iesp.3.12738