Gênero e sexualidade

Vivências e concepções de jovens universitários/as do curso de psicologia da cidade de São Paulo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v17i2.14662

Palavras-chave:

Gênero, Sexualidade, Universitários, Educação sexual

Resumo

A promoção de debates sobre desigualdades sexuais e de gênero entre os jovens universitários torna-se cada vez mais necessária. Esta pesquisa tem por objetivo identificar compreensões de jovens universitários de cursos de Psicologia, de instituições de Ensino Superior particulares da cidade de São Paulo, sobre sexualidade e gênero, assim como o papel formador, exercido por elas, no que se refere aos temas. Adotou-se abordagem qualitativa e, como instrumento de coleta de dados, entrevistas semiestruturadas com dez universitários/as, analisadas pela Análise Temática. Constatou-se que: as instituições não apresentam propostas de trabalho com gênero e sexualidade; existe pouco espaço de promoção de discussões sobre os temas; as instituições não são meios de obtenção de informação sobre o tema; são reproduzidos preconceitos e discriminações em práticas institucionais; as relações dos universitários com seus pares participam da construção de suas concepções sobre sexualidade. Destaca-se, portanto, a importância do fomento à educação sexual no Ensino Superior.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marina Tedeschi Cano, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Araraquara – SP – Brasil

Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Educação Sexual.

Ana Paula Leivar Brancaleoni, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Araraquara – SP – Brasil

Docente do Programa de Pós-Graduação em Educação Sexual. Doutorado em Psicologia.

Referências

ANTRA. Associação Nacional de Travestis e Transexuais. Boletim n. 05/2020 - 01 de janeiro a 31 de outubro de 2020: assassinatos contra travestis e transexuais brasileiras em 2020. Salvador: ANTRA, 2020. Disponível em: https://antrabrasil.files.wordpress.com/2020/11/boletim-5-2020-assassinatos-antra.pdf. Acesso em: 28 dez. 2020.

BENTO, B. Na escola se aprende que a diferença faz a diferença. Revista Estudos Femininos, Florianópolis, v. 19, n. 2, p. 549-559, ago. 2011. DOI: 10.1590/S0104-026X2011000200016. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ref/a/DMNhmpzNbKWgH8zbgQhLQks/?lang=pt. Acesso em: 10 out. 2021.

BOGDAN, R. C.; BIKLEN, S. K. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Editora Porto, 1994.

BRANCALEONI, A. P. L.; OLIVEIRA, R. R.; SILVA, C. S. F. Educação sexual e universidade: compreensões de graduandos sobre sexualidade e gênero. Revista Brasileira de Ensino Superior, Passo Fundo, v. 4, n. 4, p. 25-42, out./dez. 2018. DOI: 10.18256/2447-3944.2018.v4i4.2563. Disponível em: https://seer.imed.edu.br/index.php/REBES/article/view/2563. Acesso em: 12 fev. 2021.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF: Presidência da Republica, 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 30 dez. 2020.

BUTLER, J. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Tradução: R. Aguiar. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

CASTRO, E. L. et al. O conhecimento e o ensino sobre doenças sexualmente transmissíveis entre universitários. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 21, n. 6, p. 1975-1984, jun. 2016. DOI: 10.1590/1413-81232015216.00492015. Disponível em: https://www.scielo.br/j/csc/a/trKSmLBwFPd3LC4x64N4Tnf/?lang=pt. Acesso em: 12 fev. 2021.

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. Código de Ética Profissional do Psicólogo. Brasília, DF: Conselho Federal de Psicologia, 2005. Disponível em: http://site.cfp.org.br/wp-content/uploads/2012/07/codigo-de-etica-psicologia.pdf. Acesso em: 30 dez 2020.

DINIS, N. F. Discursos sobre homossexualidade e gênero em um curso de formação em psicologia. ETD – Educ. Tem. Dig., Campinas, v. 14, n. 1, p. 62-75, maio 2012. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/1241. Acesso em: 19 mar. 2021.

GOMES, R. A análise de dados em pesquisa qualitativa. In: MINAYO, M. C. S. (org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 1994.

JUNQUEIRA, R. D. A pedagogia do armário: a normatividade em ação. Rev. Ret. Esc., Brasília, v. 7, n. 13, p. 481-498, jul./dez. 2013. Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/4255854/mod_resource/content/1/PedagogiaDoArmario_RogerioJunqueira.pdf. Acesso em: 23 dez. 2021.

LOURO, G. L. Gênero, sexualidade e educação: das afinidades políticas às tensões teórico-metodológicas. Educ. rev., Belo Horizonte, n. 46, p. 201-218, dez. 2007. DOI: 10.1590/S0102-46982007000200008.

LOURO, G. L. Gênero e sexualidade: pedagogias contemporâneas. Pro-Posições, Campinas, v. 19, n. 2, p. 17-23, ago. 2008. Disponível em: https://www.scielo.br/j/edur/a/5mdHWDNFqgDFQyh5hj5RbPD/?lang=pt. Acesso em: 22 out. 2021.

LOURO, G. L. (org.). O corpo educado: pedagogias da sexualidade. 4. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2018.

LUCIFORA, C. A. et al. Marcas sociais de nossos tempos: gênero, sexualidade e educação em âmbito escolar. Revista Ibero-Americana De Estudos Em Educação, Araraquara, v. 14, n. esp. 2, p. 1395–1409, 2019. DOI: 10.21723/riaee.v14iesp.2.12607. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/12607/8340. Acesso em: 24 out. 2021.

MATOS, M. Teorias de gênero ou teorias e gênero? Se e como os estudos de gênero e feministas se transformaram em um campo novo para as ciências. Rev. Estud. Fem., Florianópolis, v. 16, n. 2, p. 333-357, ago. 2008. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ref/a/6Y8dcfxYKPXWmyyZmhF5yph/?lang=pt. Acesso em: 12 maio 2021.

MICHELS, E. Mortes violentas de LGBT+ no Brasil: Relatório 2018. Bahia: Grupo Gay da Bahia, 2018. Disponível em: https://grupogaydabahia.com.br/relatorios-anuais-de-morte-de-lgbti/. Acesso em: 28 dez 2020.

MINAYO, M. C. S. (org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 1994.

MINISTÉRIO DOS DIREITOS HUMANOS. MDH divulga dados sobre feminicídio. Brasília, DF: Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, 2018. Disponível em: https://www.gov.br/mdh/pt-br/assuntos/noticias/2018/agosto/ligue-180-recebe-e-encaminha-denuncias-de-violencia-contra-as-mulheres#:~:text=De%20janeiro%20a%20julho%20de%202018%2C%20o%20Ligue%20180%20registrou,e%20118%20tentativas%20de%20homic%C3%ADdios. Acesso em: 03 fev. 2020.

MOURA, A. F. M. et al. V. Possíveis contribuições da psicologia para a educação sexual em contexto escolar. Psic. Arg., Curitiba, v. 29, n. 67, p. 437-446, 2011. Disponível em: https://periodicos.pucpr.br/index.php/psicologiaargumento/article/view/20217. Acesso em: 20 jun. 2020.

NARDI, H. C. et al. O “armário” da universidade: o silêncio institucional e a violência, entre a espetacularização e a vivência cotidiana dos preconceitos sexuais e de gênero. Rev. Teo. Soc., Belo Horizonte, v. 21, n. 2, p. 179-200, 2013. Disponível em: https://teoriaesociedade.fafich.ufmg.br/index.php/rts/article/view/87. Acesso em: 28 dez. 2020.

OLIVEIRA, J. M. D.; MOTT, L. (org.). Mortes violentas de LGBT+ no Brasil – 2019: relatório do Grupo Gay da Bahia. Salvador: Editora Grupo Gay da Bahia, 2020.

ZOCCA, A. R. et al. Percepções de adolescentes sobre sexualidade e educação sexual. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 10, n. esp. 2, p. 1463–1476, 2016. DOI: 10.21723/riaee.v10i6.8331. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/8331. Acesso em: 14 dez. 2020.

Publicado

01/04/2022

Como Citar

TEDESCHI CANO, M. .; LEIVAR BRANCALEONI, A. P. Gênero e sexualidade: Vivências e concepções de jovens universitários/as do curso de psicologia da cidade de São Paulo. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 17, n. 2, p. 1181–1196, 2022. DOI: 10.21723/riaee.v17i2.14662. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/14662. Acesso em: 19 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos