Os órfãos do construtivismo

Maria do Rosário Longo Mortatti

Resumo


No Brasil, a relação entre a necessidade de superação dos problemas sociais, políticos e educacionais, gerados pela ditadura militar instaurada em 1964, e a busca de respostas didático-pedagógicas para os problemas da alfabetização e do analfabetismo encontrou sua síntese na teoria construtivista resultante das pesquisas de Emilia Ferreiro e por ela apresentada como “revolução conceitual” em alfabetização. Inicialmente, essa teoria se caracterizava como contra-hegemônica, no conjunto de ideias e práticas pedagógicas “de esquerda”, e seus disseminadores a apresentavam como promessa de superação dos problemas da a alfabetização das “classes populares” e dos “filhos do analfabetismo”. Nas últimas três décadas, porém, essa teoria se consolidou como hegemônica (e não apenas para a alfabetização e para a escola pública), tendo configurado um “construtivismo à brasileira”, fundador de uma nova tradição que identifica o “quarto momento crucial” (ainda em curso) da história da alfabetização no Brasil. E hoje se pode avaliar que a introdução e a consolidação do construtivismo como fundamento teórico de políticas educacionais contribuíram, como desserviço, para criar gerações de “órfãos do construtivismo”.

Palavras-chave


Alfabetização. Construtivismo. História da alfabetização. Brasil.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.21723/riaee.v11.n.esp4.9193



Direitos autorais 2016 Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação

 

Rev. Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1982-5587, ISSN: 2446-8606.

DOI Prefix: 10.21723/riaee

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.