Formação continuada de professores: racionalidade técnica versus desenvolvimento profissional

Rayane Regina Scheidt Gasparelo, Marisa Schneckenberg

Resumo


Este ensaio surgiu a partir de reflexões teóricas, com o objetivo de evidenciar os principais debates conceituais e metodológicos para a proposição da formação continuada dos professores, nos últimos anos. Pérez-Gómez (1995) destaca que a formação de professores é determinada pela concepção de escola, ensino e currículo adotados ao longo da história, e que há duas concepções básicas na forma de conceber a intervenção educativa e, em específico a atividade do professor como profissional de ensino, responsável pela natureza e qualidade do quotidiano educativo na sala de aula e na escola, são elas: o professor como técnico-especialista ou o professor como prático reflexivo que analisa e problematiza a sua própria ação. Portanto, a perspectiva técnica e a perspectiva do desenvolvimento profissional são as basilares que marcam o campo das discussões sobre formação continuada.

Palavras-chave


Formação Continuada. Capacitações Docentes. Desenvolvimento profissional.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVARADO-PRADA, L. E.; FREITAS, T. C.; FREITAS, C. A. Formação continuada de professores: alguns conceitos, interesses, necessidades e propostas. Rev. Diálogo Educ., Curitiba, v. 10, n. 30, p. 367-387, maio/ago. 2010.

BALL, S. J. Profissionalismo, gerencialismo e performatividade. Cadernos de Pesquisa, v. 35, n. 126, p. 539-564, set./dez. 2005.

BOURDIEU, P. A escola conservadora: as desigualdades frente à escola e à cultura. In: NOGUEIRA, M. A.; CATANI, A. (Orgs). Pierre Bourdieu: escritos e educação. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 1996.

BRASIL. Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação – PNE e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 26 jun. 2014.

CAMPOS, R. F. Do Professor reflexivo ao professor competente: os caminhos da reforma no Brasil. In: MORAES, M. C.; PACHECO, J. A.; EVANGELISTA, M. O. (Orgs.). Formação de professores: perspectivas educacionais e curriculares. Porto: Porto Editora, 2003.

FLORES, M. A. Dilemas e desafios na formação de professores. In: MORAES, M. C.; PACHECO, J. A.; EVANGELISTA, M. O. (Orgs.). Formação de professores: perspectivas educacionais e curriculares. Porto: Porto Editora, 2003.

GARCÍA, C. M. Formação de professores para uma mudança educativa. Portugal: Porto Editora, 1999.

GARCÍA, C. M. A formação de professores: novas perspectivas baseadas na investigação sobre o pensamento do professor. In: NÓVOA, A. Os professores e a sua formação. 2. ed. Lisboa: Instituto de Inovação Educacional, 1995.

IMBERNÓN, F Formação permanente do professorado: novas tendências. São Paulo: Cortez, 2009.

LIBÂNEO, J. C.; OLIVEIRA, J. F. de; TOSCHI, M. S. Educação escolar: políticas, estrutura e organização. São Paulo: Cortez, 2012.

LIBÂNEO, J. C. Pedagogia e pedagogos, pra quê? São Paulo: Cortez, 1998.

MORGADO, J. C. Identidade e profissionalidade docente: sentidos (im)possibilidades. Ensaio: aval. pol. públ. Educ., Rio de Janeiro, v. 19, n. 73, p. 793-812, out./dez. 2011.

NADAL, B. G. Gestão e formação contínua: práticas articuladas da gestão escolar. Olhar de Professor, Ponta Grossa, v. 3, n. 3, p. 15-28, nov. 2007.

NÓVOA, A. Formação de professores e profissão docente. In: NÓVOA, A. (Coord.). Os professores e a sua formação. 2. ed. Lisboa: Dom Quixote, 1995.

PÉREZ-GÓMEZ, A. O Pensamento prático do professor: a formação do professor como profissional reflexivo. In: NÓVOA, A. (Coord.). Os rofessores e sua formação. 2. ed. Lisboa: Dom Quixote, 1995.

PIMENTA, S. G.; LIMA, M. S. L. Estágio e docência. São Paulo: Cortez, 2008.

SHIROMA, E. O. O eufemismo da profissionalização. In: MORAES, M. C. M. (Org.). Iluminismo às avessas: produção de conhecimento e políticas de formação docente. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

SILVA, J. da C. M. Formação continuada dos professores: visando a própria experiência para uma nova perspectiva. Revista Iberoamericana de Educación, v. 3, n. 55, p. 01-11, 15 abr. 2011.

SILVA, J. N. A Formação contínua de professores: contradições de um modelo. In: MORAES, M. C.; PACHECO, J. A.; EVANGELISTA, M. O. (Orgs.). Formação de professores: perspectivas educacionais e curriculares. Porto: Porto Editora, 2003.

SCHÖN, D. A. Educando o profissional reflexivo: um novo design para o ensino e a aprendizagem. Porto Alegre: Artmed, 2000.

SCHÖN, D. A. Formar professores como profissionais reflexivos. In: NÓVOA, A. (Coord.). Os professores e sua formação. 2. ed. Lisboa. Dom Quixote, 1995. p.77-92.

SOUZA, A. R. Reformas educacionais: descentralização, gestão e autonomia escolar. Educar, Curitiba, n. 22, p. 17- 49, 2003.

VAILLANT, D.; MARCELO, C. Ensinando a ensinar: as quatro etapas de uma aprendizagem. Curitiba: Ed. UTFPR, 2012.




DOI: https://doi.org/10.22633/rpge.v21.n.esp2.2017.10185



Rev. on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1519-9029

DOI prefix: 10.22633/rpge

Licença Creative Commons 

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.