O uso do jogo protagonizado na educação infantil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22633/rpge.v22i3.11511

Palavras-chave:

Jogo protagonizado, Funções psicológicas superiores, Educação infantil, Prática docente.

Resumo

A teoria do jogo protagonizado é proposta por Elkonin (2009) e consiste em explicar a principal atividade realizada pela criança em idade pré-escolar: a representação dos papéis sociais que as crianças assumem enquanto brincam. Para Elkonin (2009), essas representações auxiliam a criança na incorporação das normas sociais, como também colabora para um efetivo desenvolvimento das funções psíquicas dos alunos. Essa teoria também traz a necessidade da intervenção do professor no processo de realização do jogo. Portanto, considerando a relevância dessa atividade no processo educativo de pré-escolares, o objetivo da pesquisa é verificar a percepção dos docentes quanto ao jogo protagonizado e a sua realização na prática pedagógica em turmas de Educação Infantil. A pesquisa foi de cunho quali-quantitativo, realizada por meio de um questionário semiestruturado contendo seis questões objetivas com espaço para argumentação.

Biografia do Autor

Geovana Maria Silva Beling, Centro Universitário Adventista de São Paulo (Unasp), Campus Engenheiro Coelho - SP.

Graduando em pedagogia pelo Unasp, campus Engenheiro Coelho, Geovana Maria Silva Beling tem experiência como educadora infantil na cidade de Engenheiro Coelho. Foi aluna bolsista dos Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (Pibid) no ano de 2016. Atualmente desenvolve pesquisas no campo dos fundamentos teóricos e epistemológicos da educação, como interesse especial na pedagogia histórico-crítica e na psicologia histórico-cultural.

Karla Rodrigues de Souza Barbosa, Centro Universitário Adventista de São Paulo (Unasp), Campus Engenheiro Coelho - SP.

Graduanda em Pedagogia pelo Centro Universitário Adventista de São Paulo (Unasp), Campus Engenheiro Coelho, Eng. Coelho - SP.

Antonio Marcos Gomes da Costa Gonçalves, Centro Universitário Adventista de São Paulo - Campus Engenheiro Coelho - SP.

Graduando em Pedagogia e graduado em Teologia pelo Centro Universitário Adventista de São Paulo, (Unasp), Campus Engenheiro Coelho, Eng. Coelho - SP.

Rebeca Pizza Pancotte Darius, Centro Universitário Adventista de São Paulo e Unesp - Universidade Estadual Paulista.

Pedagoga (UEM), Mestre em Educação (UEM), Doutoranda em Educação Escolar (Unesp), professora e coordenadora do curso de Licenciatura em Pedagogia do Centro Universitário Adventista de São Paulo/Engenheiro Coelho - SP.

Referências

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Tradução de Luís Antero Reto, Augusto Pinheiro. São Paulo: Edições 70, 2016.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Referencial curricular nacional para a educação infantil. Brasília: MEC/SEF, 1998.

DUARTE, N. Os conteúdos escolares e a ressurreição dos mortos: contribuição à teoria histórico-crítica do currículo. Campinas, SP: Autores Associados, 2016.

ELKONIN, D. B. Psicologia do jogo. Tradução de Álvaro Cabral. 2. ed. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2009.

FRANCISCO, L. S. O papel da atividade lúdica no desenvolvimento infantil: contribuições de Elkonin. TCC – Trabalho de Conclusão de Curso, Curso de Pedagogia, Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2011. Disponível em: http://www.dfe.uem.br/TCC/Trabalhos%202011/Turma%2032/Larissa_Francisco.pdf. Acesso em: 10 jan. 2018.

LEONTIEV, A. N. Uma Contribuição à Teoria do Desenvolvimento da Psique Infantil. In: VIGOTSKI, L. S.; LURIA, A. R; LEONTIEV, A. N. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. 11. ed. São Paulo: Ícone, 2006, cap. 4, p. 59-83.

MARCOLINO, S.; BARROS, F. C. O. M.; MELLO, S. A. A teoria do jogo de Elkonin e a educação infantil. Revista Quadrimestral da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional, SP, vol. 18, n. 1, 2014, p. 97-104. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pee/v18n1/v18n1a10.pdf. Acesso em: 05 jun. 2018.

MARTINS, L. M. O desenvolvimento do psiquismo e a educação escolar: contribuições à luz da psicologia histórico-cultural e da pedagogia histórico-crítica. Campinas, SP: Autores Associados, 2013.

OTTONI, T. M. E; SFORNI, M. S. F. O brincar na educação infantil: explorando o jogo protagonizado. Congresso Nacional de Psicologia Escolar e Educacional, 2011, Maringá. Universidade Estadual de Maringá, 2011. Disponível em: http://www.abrapee.psc.br/xconpe/trabalhos/1/157.pdf. Acesso em: 10 mar. 2018.

PASQUALINI, J. C. O papel do professor e do ensino na educação infantil: a perspectiva de Vigotski, Leontiev e Elkonin. In.: MARTINS, L. M; DUARTE, N. (orgs.) Formação de professores: limites contemporâneos e alternativas necessárias [online]. São Paulo: Editora Unesp; São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010. Disponível em: http://books.scielo.org/id/ysnm8/pdf/martins-9788579831034-10.pdf. Acesso em: 10 mar. 2018.

VIGOTSKY, L. S. Obras escogidas. Tomo II. Madrid: Visor, 2001.

Downloads

Publicado

01/12/2018

Como Citar

Silva Beling, G. M., Barbosa, K. R. de S., Gonçalves, A. M. G. da C., & Darius, R. P. P. (2018). O uso do jogo protagonizado na educação infantil. Revista on Line De Política E Gestão Educacional, 22(3), 1098–1112. https://doi.org/10.22633/rpge.v22i3.11511

Edição

Seção

Artigos