Gestão democrática na educação superior para a diferenciação e acessibilidade curricular

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22633/rpge.v24iesp2.14336

Palavras-chave:

Educação especial, Pessoas com deficiências, Currículo, Cooperação, Formação profissional.

Resumo

A Gestão Democrática na Educação Superior, para além da gestão de recursos humanos, financeiros, tecnológicos e materiais, prevê a interrelação da gestão pedagógica, do acesso ao currículo, da ação docente, dos resultados, dos espaços, das condutas e interações culturais. Contudo, as Instituições da Educação Superior (IES), tradicionalmente, tendem a subdividirem e a fragmentarem suas ações, distanciando-se da perspectiva da acessibilidade, a qual incita a interrelação cooperativa de elementos e práticas inclusivas concretas e alcançáveis. Assim, a presente pesquisa objetivou identificar possibilidades de práticas de gestão democrática na perspectiva da acessibilidade em uma IES, a partir do envolvimento de gestores, docentes e estudantes com e sem deficiência. Os resultados indicaram que, iniciativas para (des)construção sobre concepções de deficiência e de formação profissional, suscitaram a comunidade acadêmica a identificar e a questionar sobre diversas barreiras presentes no contexto acadêmico, baseando o planejamento de ações que fomentassem mudanças positivas nesse cenário.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

André Henrique de Lima, Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR)

Graduando em Educação Especial.

Leonardo Santos Amâncio Cabral, Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR)

Professor Adjunto no Departamento de Psicologia e no Programa de Pós-Graduação em Educação Especial. Doutorado em Educação Especial (UFSCAR).

Referências

AGUIAR, M. C. C. Um olhar sobre desafios da gestão didático-pedagógica no Ensino Superior. Pro-Posições, Campinas, v. 27, n. 3, p. 221-236, 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-73072016000300221&lang=pt. Acesso em: 10 abr. 2020.

ARAÚJO, A. C. A gestão democrática e os canais de participação dos estudantes. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 3, n. 4, p. 253-266, jan./jun. 2009. Disponível em: http://retratosdaescola.emnuvens.com.br/rde/article/download/116/305. Acesso em: 0 maio 2020.

BAREMBLIT, G. Compêndio de análise institucional e outras correntes: teoria e prática. 5. ed. Belo Horizonte, MG: Instituto Felix Guatarri. 2002.

BORDIGNON, G.; GRACINDO, R. V. Gestão da educação: o município e a escola. In: FERREIRA, N. S. C. (org.). Gestão da educação: impasses, perspectivas e compromissos. São Paulo: Cortez, 2000. p. 147-176.

BRASIL. Lei n. 13.146, de 06 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da pessoa com deficiência. Brasília, DF: Casa Civil, 2015. Disponível em: http://maragabrilli.com.br/wp-content/uploads/2016/03/Guia-sobre-a-LBI-digital.pdf. Acesso em: 15 fev. 2020.

BUTT, G. O planejamento de aulas bem sucedidas: fatores chave do planejamento de aula. 2. ed. Rio de Janeiro: Editora SBS, 2009.

CABRAL, L. S. A. Orientação acadêmica e profissional dos estudantes universitários com deficiência: perspectivas internacionais. 2013. 212 f. Tese (Doutorado em Educação Especial) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos. 2013.

CABRAL, L. S. A. Políticas de ações afirmativas, pessoas com deficiência e o reconhecimento das identidades e diferenças no ensino superior brasileiro. Archivos Analíticos de Políticas Educativas/Education Policy Analysis Archives, Arizona State University v. 26, 2018.

CARMO, L.; PRADO, R. R.; BARROS, T. Possibilidades para inclusão e acessibilidade de uma pessoa cega no curso de nutrição da UFPA. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL, 8., 2018, São Carlos. Proceedings [...]. Campinas, SP: Galoá, 2018. Disponível em: https://proceedings.science/cbee/cbee-2018/papers/possibilidades-para-inclusao-e-acessibilidade-de-uma-pessoa-cega-no-curso-de-nutricao-da-ufpa. Acesso em: 19 maio 2020.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Kafka por uma literatura menor. Rio de Janeiro: Imago, 1977.

EBERSOLD, S. Ecole inclusive, Société de la connaissance et Impératif d’accessibilité. Carnets Rouges, n. 18, 2020.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 25. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FUSARI, J. C. O. Planejamento do trabalho pedagógico: algumas indagações e tentativas de respostas. 1998. Disponível em: http://www.smec.salvador. ba.gov.br/site/documentos/espaco-virtual/espacopraxispedagogicas/ GEST %C3%83O/o%20 planejamento %20do%20trabalho.pdf. Acesso em: 28 maio 2020.

GAMA, A. D. S.; FIGUEIREDO, S. A. de. O planejamento no contexto escolar. Web-Revista Discursividade Estudos Linguísticos, Nova Andradina, n. 4, 2009.

GAVÉRIO, M. A. Nada sobre nós, sem nossos corpos! O local do corpo deficiente nos Disability Studies. Revista Argumentos, Montes Claros, v. 14, n. 1, p. 95-117, 2017.

GELATTI, L.D.; MARQUEZAN, L. I. P. Contribuições da gestão escolar para a qualidade da educação. Revista de Gestão e Avaliação Educacional, Santa Maria, v. 2, n. 4, p. 43-62, 2013.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

KRAWCZYK, N. A gestão escolar: um campo minado... Análise das propostas de 11 municípios brasileiros. Educação e Sociedade, Campinas, v. 20, n. 67, p. 112-149, 1999.

KRAWCZYK, N. R.; VIEIRA, V. L. Homogeneity and heterogeneity on education systems in Argentine, Brazil, Chile and Mexico. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 36, n. 129, p. 673-704, 2006.

LIBÂNEO, J. C. A organização e a gestão da escola: teoria e prática. Goiânia: Alternativa, 2007.

LIMA, A. H.; CABRAL, L. S. A. Tecnologias, Recursos Humanos, Orientação Acadêmica e Profissional de Universitários com Deficiência. In: CONGRESSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA, 25.; CONGRESSO DE INICIAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO, 10., 2018, São Carlos. Anais [...]. São Carlos, 2018.

LÜCK, H. Gestão educacional: uma questão paradigmática. Petrópolis: Vozes, 2007.

MACHADO, C. M. F.; CORTE, M. G. D. Fortalecimento dos conselhos escolares no cenário da gestão democrática da rede municipal de ensino de Santa Maria – RS. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 15, n. 2, p. 522-538, fev. 2020. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/12093. Acesso em: 10 jun. 2020.

MENDES, E. G.; CIA, F.; CABRAL, L. S. A. (org.). Inclusão Escolar e os Desafios para a Formação de Professores em Educação Especial. 1. ed. São Carlos: Marquezine & Manzini - ABPEE, 2015. v. 1. 530 p.

MENEGON, É. N. Imagens e narrativas midiáticas: análise dos vídeos do YouTube. 2020. 152 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Estadual Paulista, Marília, 2020.

MORAIS, E. S. Tecnologia instrucional em educação especial: uma revisão integrativa da literatura (2008 – 2018). 2020. 123 f. Dissertação (Mestrado em Educação Especial) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2020.

MORENO, J. C. Conceito de minorias e discriminação. Revista USCS, São Caetano do Sul, v. 10, p. 141-156. dez. 2009.

OLIVEIRA, I. C.; VASQUES-MENEZES, I. Revisão de literatura: o conceito de gestão escolar. Cadernos de Pesquisas, São Paulo, v. 48, n. 169, p. 876-900, 2018.

VIEIRA, S. L. Gestão, avaliação e sucesso escolar: recortes da trajetória cearense. Estudos Avançados, São Paulo, v. 21, n. 60. 2007.

Publicado

14/11/2020

Como Citar

LIMA, A. H. de; CABRAL, L. S. A. Gestão democrática na educação superior para a diferenciação e acessibilidade curricular. Revista on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, v. 24, n. esp2, p. 1104–1117, 2020. DOI: 10.22633/rpge.v24iesp2.14336. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/rpge/article/view/14336. Acesso em: 24 set. 2021.