Aplicativos de musculação como dispositivos biopolíticos de educação do corpo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22633/rpge.v25i3.15467

Palavras-chave:

Educação do corpo, Aplicativos de musculação, Biopolítica

Resumo

O presente ensaio tem como objetivo interpelar os aplicativos de musculação como espaços contemporâneos de educação do corpo na medida em que atuam como dispositivos biopolíticos de controle e produção de corpos padronizados. Para sustentar tal argumento reflexionamos a partir de dois aplicativos de musculação que se enquadram na categoria denominada “saúde e fitness”; são eles: “BodBot Personal Trainer” e “Exercícios em Casa – Sem Equipamentos”. Concluímos que esses dispositivos têm poderes apelativos que visam à homogeneização das condutas corporais, à normalização do corpo e o governo de si. Ou seja, grosso modo, são dispositivos biopolíticos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carleane Soares, Universidade Federal de Sergipe (UFS), São Cristóvão – SE

Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGED/UFS).

Filipe Santos Ribeiro, Universidade Federal de Sergipe (UFS), São Cristóvão – SE

Graduando no Curso de Licenciatura em Educação Física da UFS.

Fabio Zoboli, Universidade Federal de Sergipe (UFS), São Cristóvão – SE

Professor do Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal de Sergipe (PPGED/UFS). Doutorado em Educação (UFBA).

Referências

AGAMBEN, G. O que é o contemporâneo? E outros ensaios. Chapecó: ARGOS, 2009.

BÁRTOLO, J. Corpo e sentido: estudos intersemióticos. Portugal/Covilhã: Livros LabCom, 2007.

CRISORIO, R. Actividad física versus prácticas corporales. In: E. Galak y E. Gambarotta (Eds.). Cuerpo, educación y política: Tensiones epistémicas, históricas y prácticas. Buenos Aires, 2015.

ESPOSITO, R. Bios: biopolítica e filosofia. Trad. Wander Melo Miranda. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2017.

FONSECA, M. A. Entre a vida governada e o governo de si. In: ALBUQUERQUE JÚNIOR, D. M.; VEIGA-NETO, A.; SOUZA FILHO, A. (org.). Cartografias de Foucault. 2 ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2011. p. 241-252.

FOUCAULT, M. História da Sexualidade I: a vontade de saber. 23. ed. Rio de Janeiro: Edições Graal, 2013.

FOUCAULT, M. Segurança, território e população. São Paulo: Martins Fontes, 2008a.

FOUCAULT, M. Nascimento da biopolítica. curso dado no Collège de France (1978-1979). Trad. Eduardo Brandão São Paulo: Martins Fontes, 2008b.

FOUCAULT, M. Vigiar e Punir: história da violência nas prisões. Petrópolis, RJ: Vozes, 2005.

GALAK, E. Construir el cuerpo: cuatro consideraciones epistemo-metodológicas y tres metáforas para pensar el objeto de estudio ‘cuerpo’. Poiésis: Revista do Programa de Pós-Graduação em Educação da UNIVALI, Tubarão, v. 8, n. 14, p. 348-364, jul./dez. 2014. Disponível em: http://www.portaldeperiodicos.unisul.br/index.php/poiesis/article/view/2294. Acesso em: 03 set. 2021.

GALAK, E. La curricularización del cuerpo. In: CRISORIO, R.; ESCUDERO, C. (org.). Educación del cuerpo: currículum, sujeto y saber. La Plata, Argentina: Editora da Universidad Nacional de La Plata, 2017. p. 191-198.

GOMES, I. M. Corpo, consumo e bioidentidades: trajetória de pesquisa e perspectivas analíticas na formação do indivíduo saudável. Revista Tempos e Espaços em Educação, v. 12, n. 28, p. 127-140, jan. 2019.

LAPOUJADE, D. O corpo que não aguenta mais. In: LINS, D.; GADELHA, S. (org.). Nietzsche e Deleuze: Que pode o corpo. Rio de Janeiro, 2002. p. 81-90.

LUPTON, D. Apps as Artefacts: Towards a Critical Perspective on Mobile Health and Medical Apps. Societies, n. 4, p. 606–622, 2014. Disponível em: https://www.mdpi.com/2075-4698/4/4/606/htm. Acesso em 29 ago. 2021.

LUPTON, D. M-health and health promotion: The digital cyborg and surveillance society. Social theory e health, v. 10, n. 3, p. 229-244, 2012. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/263327941_M-Health_and_Health_Promotion_The_Digital_Cyborg_and_Surveillance_Society. Acesso em: 27 ago. 2021.

MAUSS, M. As Técnicas Corporais. In: MAUSS, M. Sociologia e Antropologia. 2. ed. Trad. Paulo Neves. São Paulo: COSAC NAIFY, 2015. p. 397-420.

MILNER, J-C. Por una política de los seres hablantes: breve tratado político II. Olivos: Grama Ediciones, 2013.

NASCIMENTO, H. J.; MARTINS, H. G.; VICTER, E. F. Aplicativos para dispositivo móvel: entendendo o conceito de função matemática. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA, 19., 2013, Duque de Caxias. Anais [...]. Duque de Caxias, 2013.

NÓBREGA, T. P. O exercício dos corpos na cidade: o espaço, o tempo, o gesto. In: ALBUQUERQUE JÚNIOR, D. M.; VEIGA-NETO, A.; SOUZA FILHO, A. (org.). Cartografias de Foucault. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2011. p. 407-418.

GOOGLE PLAY. BodBot Personal Trainer: Instrutor de treinamento. 2021a. Disponível em: https://play.google.com/store/apps/details?id=com.bodbot.trainer&hl=pt_BR&gl=US. Acesso em: 30 ago. 2021.

GOOGLE PLAY. Exercícios em casa: Sem equipamentos. 2021b. Disponível em: https://play.google.com/store/apps/details?id=homeworkout.homeworkouts.noequipment&hl=pt_BR&gl=US . Acesso em: 30 ago. 2021.

ROSE, N. A política da própria vida: biomedicina, poder e subjetividade no século XXI. São Paulo: Paulus, 2013.

ROSE, N. Como se deve fazer a história do eu? Educação e realidade, vol. 26, n. 1, 2001, p. 33-57. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/educacaoerealidade/article/view/41313. Acesso em: 03 set. 2021.

SANT’ANNA, D. B. É possível realizar uma história do corpo? In: SOARES, C. L. (org). Corpo e História. Campinas, SP: Autores Associados, 2001.

VAZ, A. F. Da polifonia do corpo à multiplicidade de sua educação. Perspectiva – Revista do Centro de Ciências da Educação, Florianópolis, v. 21, n. 1, p. 7-11, jan./jun. 2003. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/perspectiva/article/view/10195. Acesso em: 23 ago. 2021.

WHO. World Health Organization. mHealth: new horizons for health through mobile technologies: based on the findings of the second global survey on ehealth. Geneva: 2011. (Global observatory for eHealth series, 3). Disponivel em: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/44607/9789241564250_eng.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 30 ago. 2021.

Downloads

Publicado

08/12/2021

Como Citar

SOARES, C.; RIBEIRO, F. S.; ZOBOLI, F. Aplicativos de musculação como dispositivos biopolíticos de educação do corpo. Revista on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, v. 25, n. 3, p. 2475–2492, 2021. DOI: 10.22633/rpge.v25i3.15467. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/rpge/article/view/15467. Acesso em: 24 maio. 2022.